O empréstimo de compressas ao Garcia da Orta

O hospital de Almada, por dívida de 260 mil euros ao fornecedor, está a recorrer ao empréstimo de compressas para cirurgia, nomeadamente junto do Amadora-Sinta, que costumo e devo designar por Hospital Prof. Dr. Fernando Fonseca.

O ministro Macedo, bancário de profissão, entende que os hospitais devem funcionar na lógica dos fluxos de caixa e do saldo zero de tesouraria; nunca em função do interesse e necessidades dos doentes.

Ontem a Roche, hoje os fornecedores de compressas, e sem vontade de negociar e apenas impor, o actual Ministério de Saúde está a negar a prestação de cuidados médicos, nalguns casos em estado de necessidade extrema: cirurgias no Garcia da Orta, assim como tratamentos com medicamentos únicos de oncologia, nos IPO’s e outras unidades de saúde com esta especialidade.

Tudo isto é o resultado tecnocracia, que com este governo atingiu o pico mais elevado, sem ponta de humanismo na prestação de serviços de saúde aos cidadãos.

Temos um governo, de falácia e aldrabice, composto por gente que não presta. Não presta mesmo!

Comments

  1. Nightwish says:

    Não seja piegas.


  2. O que interessa é salvar bancos, economias e interesses. Salvar vidas é perfeitamente secundário!
    Mais uns passinhos na direcção da decadência…

  3. jorge fliscorno says:

    É muito triste o rumo que a saúde leva em Portugal. Uma amiga minha, que é enfermeira em Coimbra, já em 2008 dizia que andavam a usar compressas de tamanho grande para pequenas cirurgias pois as pequenas não estavam a ser compradas e estava-se, portanto, a comer o stock. Pode não parecer mas país faliu já há uns anos. Agora só não é possível mais esconder.

  4. marai celeste ramos says:

    Tirem esse senhor daqui

  5. Lagartices says:

    jorge filiscorno, estou na linha de pensamento do Aventar, mas não seria possível cortar as compressas? Neste caso talvez não, acredito, se calhar por causa da esterlização.

    Conheço imensas situações em que o desperdício de materiais é absurdo.
    Por exemplo uma folha A4 acabada de sair da resma para deixar um recado de 2 linhas. E não é preciso uma crise para sabermos que isto é um absurdo ambiental e um gasto absolutamente desnecessário…

  6. Tito Lívio Santos Mota says:

    são em tudo assim : binários.
    têm cérebro de computador.
    Simplismo aplicado em grande escala : economia, saúde, trabalho…

    Tudo é branco ou preto, saldo positivo ou negativo…

    Esta gente não tem visão, não tem prática, não tem ideias, não tem seja o que for a não ser ideias-feitas e chavões aprendidos em compêndios estrangeiros.

    Mas não podemos dizer que não fomos prevenidos.

    O Catroga e a sua camarilha bem andaram a dizer que o modelo é o Salazar.

    Houve muito quem dissesse que era boa ideia, que tinha sido “muito bom”, coisa e tal.

    Pronto, agora têm o salazarismo económico em marcha.
    que acham? Salva o país? serve para alguma coisa?

  7. jorge fliscorno says:

    mas não seria possível cortar as compressas

    Não. Como referiu, há a questão da esterilização – foi o que me foi explicado. Portanto, estoirou-se dinheiro para esconder a realidade (repor stocks custa dinheiro).


  8. Attn: você precisa de um empréstimo para pagar o seu dept todos os interessados ​​Clint
    deve apresentar o seu pedido para o nosso e-mail da empresa via herrysmart1@gmail.com

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.