Aqui, outra vez disponíveis os dados sobre os árbitros

O relvado refere que os dados (nome, morada, telemóvel, nib,etc…) sobre os árbitros continuam disponíveis na net. Claro que continuam disponíveis.

Vila Nova de Gaia vai ter Tera-Agrupamentos

Reconheço que gosto de ver a preocupação de alguns com os TERA-agrupamentos. Fosse possível haver um tacho para todos e queria ver se o nível de preocupação era semelhante! Os que conseguem um lugar vão simplesmente dizer que sim.

E o que vão fazer os Professores dos Conselhos Gerais? NADA!?!?!!!

Também acho curiosa a forma como uma boa parte dos Professores olha para isto dos Agrupamentos: “quero lá saber, nem quero ser Director.”

És contratado? Então acompanha-me nestas contas: [Read more…]

Fim do TGV: Uma excelente decisão

É uma excelente decisão acabar definitivamente com o projecto do TGV. Excelente decisão é também apostar no transporte de mercadorias a partir de Sines e de Aveiro.
Algum dia heveria de concordar com o Governo de Passos Coelho. Parece que chegou o dia.

Mais imagens do Portugal democrático

Primeiros vídeos do serviço policial de hoje. Enquanto a fotografia já corre mundo (agredir uma jornalista ao serviço de uma agência internacional e ser fotografado por outro, é obra) começam a chegar os vídeos. Para quem choraminga com a imagem do país no estrangeiro, não quer confusões com a Grécia e outras pieguices, em dia de greve geral foi um serviço bem feito. Obrigado PSP, compensas largamente o que vai falhando no outro lado.

Ver mais imagens depois do corte [Read more…]

Direito à greve, à democracia e à crítica

O direito à greve está legitimado pelo Art.º 57.º (Direito à greve e proibição do lock-out) da CRP e subsistiu em 2005, quando da última revisão constitucional, com os votos de uma maioria qualificada; ou seja, com reiterada aprovação do PSD, agora no governo, uma vez que, em anteriores ocasiões, esse partido já havia expressado idêntico consentimento parlamentar.

Trata-se, pois, de um direito que, à luz do normal funcionamento da vida democrática e da CRP, é reconhecido aos trabalhadores. O que pode questionar-se, no âmbito direito da liberdade de expressão também constitucionalmente reconhecido, são os motivos, a oportunidade e os objectivos de realizar uma greve, mais a mais geral como a de hoje.

Na minha opinião, legitimamente diferente de outras, apenas discordo quanto à oportunidade e resultados. Tratando-se de um instrumento de luta fundamental, na conjuntura de relações laborais em revisão e favoráveis ao patronato, esse direito não deve ser utilizado gratuitamente; sob o risco de descredibilizar a acção grevista, à qual, diga-se, muitos dos trabalhadores do sector privado estão impedidos de aderir, por receio de retaliação por parte de administradores e patrões. [Read more…]

Imagens de Portugal democrático

Patrícia Melo, fotojornalista da AFP tomando contacto com a liberdade de imprensa em versão policial, esta tarde em Lisboa.

Marchais, esse precursor de Le Pen


Sabe-se o que aconteceu quando da reforma eleitoral promovida por Mitterrand. Visando enfraquecer a direita “clássica”, introduziu o sistema proporcional, aliás mais justo que esta ridícula ficção das duas voltas. O PCF, até então incontestado dono dos banlieu, caiu dos 20% para uns residuais 5%, passando-se o seu eleitorado com armas e bagagens para as hostes da Frente Nacional que atingiria perto de 15% dos votos.
O discurso de Le Pen, nada mais é senão a continuidade do posicionamento político do precursor PCF. Entretanto, o conhecido “barão” de Lavos já terá iniciado o processo de canonização da indefesa criança Mohamed.
* A pedido de um leitor, aqui segue uma tradução mais que imperfeita:
“Há que pôr fim à imigração oficial e clandestina. É inadmissível fazer entrar novos trabalhadores imigrados em França quando o nosso país conta com quase 2 milhões de desempregados franceses e imigrantes” (palmas seguidas da voz da locutora que informa ser o PCF contra a construção de um centro cultural islâmico). O porta-voz do PCF em Rennes, diz o seguinte:
“Verificamos que não se trata de um centro cultural que está em construção, mas de facto é uma mesquita e uma escola corânica. Nesse sentido o senhor Maire de Rennes (um socialista) apoiou a ideia (não estou a entender todo o discurso, lamento). “Nós não mudámos de opinião, somos pela separação da Igreja e do Estado e de forma alguma o dinheiro público deverá servir para construir”… (aqui também não consigo entender o que o homem diz, uma vez mais lamento).
E regressa Marchais, desta vez de dedo em riste pela moral:
“Colocamos o problema da imigração. Será para utilizar e favorecer o racismo. Procuraríamos acarinhar os mais baixos instintos. Assumimos a luta contra a droga e isto porque não queremos combater o alcoolismo que é apreciado e corrente na nossa clientela. Para a juventude, eu escolho, sim, eu escolho o estudo, o desporto, a luta e não a droga” (salva de palmas).
E Marchais passa então a atacar os socialistas, irmanando-os à direita nas questões relativas ao respeito pelos trabalhadores, etc, etc. O discurso parece um bocado desconexo, sem seguimento (há partes certamente recortadas do todo, claro). Enfim, uma espécie de Jerónimo de Sousa avant la lettre.

Para se ser de Direita é obrigatório ser-se estúpido, ignorante ou insensível?

Tenho amigos suficientes de vários quadrantes políticos para saber que todos temos os nossos tiques: o cabelo desalinhado da esquerda face ao risco ao lado da direita, a camisa aos quadrados do comunista contra o pullover sobre os ombros do democrata-cristão e outras parvoíces sem importância nenhuma que poderia ficar o resto da tarde a desenvolver, recorrendo a graçolas semióticas de trazer por casa.

Como é evidente, para se ser de Direita não é obrigatório ser-se estúpido, ignorante ou insensível, até porque isso poderia levar a que pessoas de Direita e de Esquerda se pudessem confundir.

Acredito, em contrapartida, que as pessoas inteligentes, informadas e sensíveis, sejam elas de Esquerda ou de Direita, estejam mais próximas do que distantes. Não me espantaria, portanto, que, independentemente das diferenças ideológicas, todos considerassem que as crianças constituem, por assim dizer, um património inestimável que deve estar salvaguardado e que é da responsabilidade de toda a aldeia, de toda a sociedade. [Read more…]

Nada se perde, nada se cria, até o desenho de um imbecil se transforma

Cartoon de rodrigo para o Expresso reciclado por Miguel Gomes

Greve

A greve é um direito legítimo dos trabalhadores.

PORQUÊ?

Sou contra a total autonomia das escolas, sou sim senhor

Parece que uma charlatanice qualquer é praticada numa escola onde se deveria ensinar ciência. Não me espanta. Primeiro porque com a actual lei de gestão privatizadora é fácil o unanimismo, todos os que pertencem aos órgãos da escola fazem parte da equipa do chefe, o líder, o iluminado, mesmo tratando-se como neste caso de alguém com os fusíveis estragados. E depois porque, naturalmente e como em todas as profissões, há professores ignorantes, que acreditam em astrologia ou decifram o seu futuro num tarot qualquer.

Embora o conceito de gestão de liderança aumente os riscos, e muito, tal já sucedia antes, diga-se em abono da verdade, razão pela qual as escolas têm de ter limites na sua autonomia, científica e pedagógica. Todas as escolas, incluindo as privadas onde de resto outras charlatanices, nomeadamente religiosas, são praticadas. Templo sim, mas do saber.

A propósito deste assunto o José Manuel Fernandes está mais preocupado com o “que se ensina em muitas aulas de História” e eu compreendo-o. Se o obrigassem a repetir o 9º ano teria fortes probabilidades de alcançar a repetência. A ciência não se compadece com as vigarices que debita todos os dias e que a sua tolerância perante este caso é flagrante exemplo.

Dia da Àrvore e Dia da Poesia

 

 

“As árvores crescem sós. E a sós florescem.
Começam por ser nada. Pouco a pouco
se levantam do chão (…).
Crescendo deitam ramos, e os ramos outros ramos,
(…)
E tudo sempre a sós, a sós consigo mesmas.
Sem verem, sem ouvirem, sem falarem.
Sós.
(…)
Os animais são outra coisa.
Contactam-se, penetram-se, trespassam-se,
fazem amor e ódio, e vão à vida
Como se nada fosse.
As árvores, não.
(…)
Não pensam, não suspiram, não se queixam.
Estendem os braços como se implorassem;
(…)
Virtude vegetal viver a sós
E entretanto dar flores.
(António Gedeão) [Read more…]

Ídolos da juventude

Pepe e Ronaldo perderam a cabeça no túnel

Este mundo é um penico

Sempre procurei não pensar apenas com a cabeça dos dedos. Sempre procurei não sentir apenas com o toque da pele. Sempre procurei não julgar apenas pela cor e pelo cheiro. [Read more…]

E amanhã?

Mimi and Eunice (clicar na imagem para ver)

Na minha breve passagem pelo sindicalismo aprendi que fazer greve é fácil, complicado é o dia seguinte.

Hoje alguns (poucos? muitos? não importa) estão a fazer braço de ferro pelos seus direitos. Seus sim. Deixe-se de lado o que tem constado nas convocatórias de greve e olhe-se, sobretudo, para o que tem permitido desconvocar/descontinuar as greves para concluirmos que, no essencial, as greves têm servido para aumentos salariais e para melhoria das condições de trabalho. Nada contra, cada qual tem o seu papel, agora não pretendam que estão a defender os meus direitos, pois actos que conduzam a mais despesa/impostos não são direitos meus.

E amanhã? [Read more…]

Greve Geral

Nem preciso de argumentos para a fazer: não há um único válido para que não a faça.

Dos Piquetes em dia de greve

Os Piquetes são a forma mais cobarde de coacção à greve. É uma prática anti democrática que viola um principio básico da Democracia: A Liberdade. Para fazer greve, para não fazer, para ir trabalhar, para ficar em casa. Para concordar com a greve, para a repudiar. Aparentemente, os que montam piequtes apoiam a Liberdade desde que isto implique que todos concordem com eles.

Hoje dá na net: Gary Burton Live

Concerto ao vivo do extraordinário Gary Burton. Primeiro, acompanhado pelo Hum Trio; depois, com o Ahmad Jamal Trio.

Combustíveis – as macro-análises e o pragmatismo

Os preços de venda ao consumidor (PVP) dos combustíveis em Portugal – imagino que também em outros países – é matéria frequente de polémica; em especial, em momentos de conjuntura de alta de preços do petróleo.

Neste domínio, devido a condicionalismos da localização geográfica, a imperativos de competitividade face aos espanhóis e a outros factores de carácter sócio-económico,  em vez de macro-análises à escala europeia, o pragmatismo recomenda, a meu ver, o recurso à comparação de impostos e PVP entre Portugal e Espanha.

Como é explicitamente referido na informação da Comissão Europeia, as percentagens de impostos (ISP + IVA, no caso de Portugal) correspondem a valores percentuais dos  PVP finais.

Parece-me, pois, importante extrair as seguintes conclusões:

  1. A carga fiscal em Portugal é maior do que em Espanha (+17,39% na Gasolina e +7,39% no Gasóleo);
  2. Os PVP líquidos de impostos equivalem-se, i.e., na gasolina em Portugal cobra-se menos 1 cêntimo por litro (- 1,89%) e, no gasóleo, os valores são idênticos. [Read more…]

Morrer da Austeridade e Morrer da Greve

Não acredito de todo nesta Greve ‘Geral’, embora acredite no Protesto, se for justo, focado, bem explicado e viral, para ter o máximo de sucesso transformador. Por exemplo, sem protesto e sem luta firme contra corruptos e processos criminosos de governação também não há grande moral para nos queixarmos do que temos e amargamos, consequência a jusante do Mal que consentimos.

Por que se não protesta contra a por enquanto notória fraqueza governamental diante de contratos assassinos do presente e do futuro nas PPP recentes, cuja face é a do Mal Cívico Absoluto? Quem os negociou ou tolerou comportou-se de modo Obsceno, Imoral, contrário à Ética e ao Zelo pela res publica. É também isto que apressa a morte dos nossos velhos, nos angustia a nós e deprime a nossa Pólis.

A somar aos males depositados no colo inocente dos cidadãos, o Arménio arma mais uma castrada e castrante Greve ‘Geral’ que só servirá para nos matar ainda mais, ainda mais agachados contra o beco sem saída do Nada, subordinados ao Nada sem Nada a contrapor aos que nos emprestam ou não dinheiro. O Protesto Impotente do Mendigo não resolverá jamais a sua mendicidade.

Nesta fase tardia de apodrecimento, e já mortos pelo braço da Austeridade, morreremos ainda mais depressa pela mão apertada do Protesto-Paralisação Estéril. Hoje, a prometida Paralisia Geral a que se chama Greve será o que sempre foi. Folclore Macabro. Nulidade Prática. Havia outros caminhos que esta gritante e sôfrega falta de criatividade.

Na comida, no sexo, em tudo, falta de criatividade sempre representou muito pouco amor.

OM, O Provedor dos Anónimos:

O Senhor Provedor OM decidiu responder à blogosfera. Fez bem. É sempre gratificante ver o Senhor Provedor OM do DN a falar para a blogosfera.

 

Ao contrário do que pensa o Senhor Provedor OM, boa parte dos leitores do DN gostam de ler os blogues. Aqui está a prova. Se é verdade que o Senhor Provedor OM lê os blogues, não o é menos que a malta também lê a prosa do Senhor Provedor OM. Sobretudo quando destacada pelos seus amigos marretas.

 

Só uma nota, coisa pouca, o Senhor Provedor OM continua na senda dos nossos amigos marretas, não diz tudo. Fica pelas meias palavras. É pena. Sempre gostava de saber quem são os pesos ditos pesados ou os pesados ditos pesos. Mera curiosidade, tão só. Servia para descodificar a coisa. Caso contrário, fico com a ideia que o Senhor Provedor OM gosta mesmo é de falar sobre anónimos e anonimatos…

 

A repetição constante do anonimato continua a ser a arma preferida do Senhor Provedor OM.

Tanta coisa para escrever…

As notícias de hoje são às resmas. É o projectinho PL-118 da sr.a Canavilhas a ficar de baixo de água (quase essa mesma onde ela quer meter o Tua), o TGV e o governo a perder a alta velocidade e o BPN nacionalizado por Sócrates de novo a dar que falar. Tanta coisa para escrever e tão pouco para dizer. Acho que vou fazer greve.

%d bloggers like this: