Cavaco meteu atestado médico

Será que um Presidente pode meter atestado médico?

Gostava tanto de um dia ligar a telefonia e ouvir esta notícia! Não porque lhe deseje mal. De todo, antes pelo contrário – tenho em muita consideração a saúde dos nossos reformados, que ainda por cima vivem com dificuldades, mas em nome da pátria, abdicam do ordenado e vivem só da reforma.

Acho que seria bom para o país estar uns tempos, sei lá, uns 100 anos, sem as suas infelizes intervenções.

Mas, será que isto pode acontecer? Em breve? E o Professor vai ao médico ou à consulta de recurso? Estou curioso…

Acordo Ortográfico não entrou na ordem jurídica portuguesa

É o que diz este documento assinado por um Juiz. Já tive ocasião de afirmar que as questões jurídicas, face às enormidades linguísticas do AO90, são para mim, leigo em questões de Direito, pouco importantes, mas a verdade é que tudo indica que existem, também, problemas legais que, tal como os linguísticos, continuam sem resposta.

Nada disto é de admirar, num país em que os feudos partidários ou algumas quintas universitárias se dispensam do dever de reflectir e de explicar, preferindo impor, mesmo contra factos e argumentos e, pelos vistos, ao arrepio da legalidade.

De Cavaco a Sócrates, venha o diabo e…

A História do País, sobretudo o Portugal de há 500 anos, não merecia políticos da estirpe de Cavaco e Sócrates; e ainda de todo um exército de funestas figuras que o têm dirigido nas últimas três décadas e meia – a estrondosa maioria, incluindo os que integram o actual governo, está distante de corresponder aos padrões de excelência – excelência, palavra recorrente deles próprios – da História e dos desafios da actualidade.

Parte significativa do povo do País, a determinante na escolha dos políticos que nos têm (des)governado e continuam a (des)governar, merece exactamente os Cavacos, os Guterres, os Sócrates, os Coelhos que têm tido e outros do mesmo grupo genético que, no futuro, a sua escolha elegerá.

Da comunicação social às diferentes vozes que por aí se ouvem, muita gente atingiu o clímax com o prefácio de Cavaco. Problemas de ‘ejaculatio praecox’. Contentam-se e entusiasmam-se com este jogos frívolos até uma dormente exaustão.

De massa cinzenta escassa e fatigada pela ejaculação incontrolada, a dita parcela de gente esquece-se do que está ser confiscado a centenas de milhares de portugueses, incluindo eles próprios, pelo actual governo – excepto se forem trabalhadores da TAP, da CGD e de outros paraísos que o Gaspar – quadro do Banco de Portugal – deixa impunes a cortes salariais.

Em suma, nesta etapa do percurso, pode dizer-se que de Cavaco a Sócrates, venha o diabo e escolha! Sem esquecer os que estão entre ou depois deles.

Outra cavadela, outra minhoca


Muito bem fez o Parlamento quando aprovou o diploma que pune o enriquecimento ilícito. Com os votos do PSD, CDS, PC e BE, a unanimidade apenas foi quebrada pelo PS, alegadamente receoso da possibilidade da “inversão do ónus da prova”. Neste momento, esta posição poderá parecer inusitada, tais são os perigos que o bastante desacreditado regime terá de enfrentar nos tempos mais próximos. Decerto surgirão insinuações, boatos, meias verdades e outros tantos ditos – alguns bem verídicos -, apontando uma tentativa de ocultação. Melhor teria feito o PS em dedicar-se ao aperfeiçoamento do diploma, não o chumbando liminarmente. Em qualquer fila no supermercado, decerto ouvir-se-ão vozes em amenas cavaqueiras, perguntando …“quem querem eles proteger”?
Não é crime ser-se rico ou alguém milagrosamente ainda conseguir bons negócios, sejam estes decorrentes da venda de produtos ou da alienação de propriedades privadas. O que não é aceitável, é a rotineira presença das suspeitas acerca de fortunas que brotaram como folhas de trevo em verdes pastos, sem que se vislumbrem as origens das mesmas. Não provindo quintas, prédios, colecções de arte, jóias e outros benefícios de heranças, então a propriedade deverá encontrar-se limpidamente explicável. Para cúmulo, neste país existe um irresistível apelo ao recurso da colocação de “dinheiros fora de portas”. Será isto a que o PS se quis referir? Quem legitimamente fez fortuna e presta as suas contribuições, nada deverá temer, pois está no seu direito e conforme a lei. O que se torna inverosímil e absolutamente insuportável, é a legitimidade de posses que são escondidas um pouco por todo o mundo, cabendo precisamente este tipo de atitudes, nos pressupostos que o Partido Socialista alega temer, ou seja, a “inversão do ónus de prova”. Não existe qualquer “inversão” se os casos forem transparentes.
Uma vez mais Cavaco Silva actuou de acordo com os desejos do PS. Poderá estar dentro da razão em termos jurídicos, mas politicamente, este envio do diploma ao Tribunal Constitucional vai certamente ser interpretado da pior forma possível. Na situação apertada em que se encontra, o Presidente bem podia ter sido melhor aconselhado, recorrendo aos bons ofícios das dúzias de assessores que flanam em Belém. Politicamente, aqui está outra cavadela onde surge mais uma minhoca.

Sem aeroporto nem TGV, era preciso ganhar a eleição noutro lado

Os custos com a electricidade mais do que triplicaram em muitas das escolas intervencionadas pela Parque Escolar. Na sua resposta ao relatório da auditoria levada a cabo pela Inspecção-Geral de Finanças (IGF), a empresa justificou a situação com as novas regras de eficiência energética, aprovadas em 2006.

No seu relatório, a IGF conclui, contudo, que foram também utilizadas “soluções técnicas com custo ou qualidade excessivos, face à finalidade da obra”. Entre os exemplos apontados figuram a “aplicação de iluminação decorativa”, “utilização exagerada de equipamentos de halogéneo”, “instalação de potências eléctricas demasiado elevadas”, “duplicação de sistemas móveis de audiovisuais”, “dependência excessiva da ventilação mecânica”, e “uso massivo de estores eléctricos”.

Ao nível da construção, foram também utilizados materiais com custo excessivo. [… A IGF] lembra ainda que se registou uma degradação rápida de vários dos materiais utilizados. [Público]

A eficiência energética levar à triplicação dos custos de electricidade é um bocado ineficiente. Mas nós fechamos os olhos perante a areia que nos atiram, não há problema. Tenho ouvido repetidamente falar nas janelas que não foram feitas para abrir. A excessiva ventilação mecânica e a factura eléctrica, mais do que a iluminação decorativa, explicam muito.

Caro e efémero. Mas a tempo de dar obra para a eleição que se avizinhava. E o que importa é ganhar, não é?

PS: Poderá alguém pedir um comentário ao sr. Albino Almeida, que ainda há um ano e picos reagia mais rápido do que a sombra?

Vai viver um ano com o salário mínimo e depois falamos: Alexandre Soares dos Santos

 “que se acabe com esta mania nacional dos salários dos ricos, dos quadros”, criticou Alexandre Soares dos Santos.

“Temos de ter políticas salariais onde as pessoas que trabalham sintam que o produto deste também vai para elas. Têm de haver políticas de remuneração”, salientou o gestor. in RTP

Alexandre Soares dos Santos, segundo a Forbes, foi o único dos milionários portugueses que o ano passado assistiu ao crescimento da sua fortuna pessoal. A minha sugestão ao cavalheiro para uma experiência de vida fora da zona de conforto, do colinho da empresa que herdou do papá, da papinha do estado que acaba de lhe oferecer uma legislação laboral à medida das grandes superfícies comerciais, refere-se ao nosso salário mínimo nacional, com o holandês não vale, ok?

fotografia Luiz Carvalho

Jean Giraud morreu, mas Giraud e Moebius sentem-se bem

A banda desenhada foi, desde sempre, a par do comboio, um dos meus meios de transporte preferidos. Depois de um estágio na Disney, com a leitura dos Patinhas, em edição brasileira (perfeitamente legível, imagine-se), passei para a escola franco-belga, com o pequeno repórter Tintim e o ainda mais pequeno gaulês Astérix. A pulsão coleccionadora da revista Tintim proporcionou-me, ainda, o conhecimento de outros heróis e de outras escolas.

Habituado ao traço de Hergé ou de E. P. Jacobs, comecei por estranhar Corto Maltese e Blueberry, que, depois do estranhamento, se entranharam. Blueberry ainda por cima, fez parte de uma outra aprendizagem: a de que os índios eram seres humanos e a de que os brancos podiam ser desumanos.

Mais tarde, primeiro através de textos de divulgação publicados na própria revista Tintim e, depois, através da compra milionária de álbuns e revistas estrangeiros, tive ocasião de estranhar outros desenhos e outros heróis. Na revista Métal Hurlant, apareciam mundos desconhecidos, desfigurações espectaculares do traço franco-belga. Um dos autores assinava com o nome de Moebius e criava universos absurdos através de um traço absolutamente límpido.

Pouco tempo depois, descobri que Moebius era, afinal, uma espécie de heterónimo de Giraud, o autor de Blueberry. Sendo um homem das imagens, soube que teve, ainda, passagens pelo cinema e pelos jogos.

Hoje, morreu o cidadão Jean Giraud, criador dos autores Giraud e Moebius. É um bom dia para revisitar o tenente Blueberry e Jerry Cornelius.

Este país é para sardinhas

Mas não é para velhos: Pedro CDS Soares vai meter mais uma cama em cada quarto e assim os lares de terceira idade chegam para todos.

Herberto Helder já nos tinha contado do homem que queria resolver o problema da falta de espaço nos cemitérios enterrando os falecidos na vertical. Mas essa era mesmo ficção.

Vamos Todos Unir o PS

Alguns comentadores iluminados viram no famoso prefácio de Cavaco não um mas o factor de união do PS escaqueirado internamente e deslealíssimo ao “líder” Seguro, criando esta pastilha jornalística peregrina: a de que o ataque cavaquiano feroz ao Primadonna conseguiu unir o partido. Mas deve perguntar-se o que pode unir os Portugueses nesta hora aflitiva, numa união igualmente negativa. A noção de que o PS segundo Sócrates, portanto ele e o resto do gangue, governou segundo uma perspectiva de saque intensivo. É isso que não foge dos olhos agora que os Administradores da Parque Escolar, EPE (entidade pública empresarial), se demitiram, cercados de balanços e contas a indiciar absurdos abomináveis contra os contribuintes, balúrdios inqualificáveis e derrapagens asquerosas, pelo menos para um País com gente a privar-se de tanto, a passar fome [falo por mim que ando há semanas a comer pão com pão, um bife de pão com acompanhamento de pão au molho de pão recesso com entremeada de broa]. Entre alugar espaços em Lisboa na ordem dos 2,5 milhões de euros mensais e derrapagens na ordem dos 447%, lesando o Estado em muitos milhões de euros, a Parque Escolar não hesitou. Nem o diabo.

Professores e sindicatos: pistas para reflexão

O papel dos sindicatos, goste-se ou não, está, em relação ao poder, do outro lado da folha. Já aqui escrevemos sobre o papel destinado aos sindicatos que assinaram o acordo com o MEC – com comportamentos destes é absolutamente natural que os professores, quando se sindicalizam, escolham maioritariamente a FENPROF. Goste-se ou não, é o único sindicato de professores (para simplificar, porque a FENPROF é uma federação de sindicatos regionais).

Agora, as reflexões que têm vindo a ser feitas nos últimos tempos sobre o comportamento da FENPROF fazem algum sentido, nomeadamente porque permitem questionar a própria classe.

Duas ou três ideias para lançar a reflexão:

[Read more…]

(Des)lealdades


Há uns tempos, o Sr. Sampaio afiançava-nos a existência de uma “vida para além do défice”. Pois existe, tratando-se de um exercício de mãos nas mãos e à volta de uma mesa de pé de galo. É este, o odor a morte velha que paira sobre o esquema vigente.
Nos seus tempos, Mário Soares correu o país inteiro, invocando o seu direito à indignação pelas tropelias do seu próprio primeiro-ministro Cavaco Silva com quem aliás colaborou durante o inaugural mandato em Belém. Assim que teve azo, iniciou a guerrilha que culminaria com a feliz tomada de posse de um governo do seu Partido, tal como então declarou a quem o quis ouvir, ou seja, ao país que vê o telejornal.
Seguiu-se Sampaio, naquele vale de lágrimas fáceis que aquiesceram com múltiplas maluquices de primeira apanha, mas convenientemente relegadas para o baú das perdulárias ninharias, pois estava no poder o bonzinho Guterres. Não tugiu nem mugiu pelo descalabro de contas, boys a soldo e todo o tipo de dislates que transformaram Portugal no tal pântano que a alguns propiciou uma pouco airosa saída de cena. Teve de dar posse a um governo dos outros e foi fazendo o seu jogo até ao momento exacto em que decidiu dissolver um Parlamento maioritário e queiram ou não queiram, perfeitamente legítimo. Invocou trapalhadas, erguidas estas à figura de um dificilmente concebível conceito constitucional. Enfim, a partir de todos os choradinhos, fosquinhas e silêncios, criou um precedente que o seu sucessor tardou – mas não falhou – em aproveitar.
Cavaco Silva foi um conhecido colaboracionista estratégico muito pró-socrático. Assim que os 23% de eleitores – não muito menos daqueles que haviam “reeleito” Sampaio – decidiram a sua permanência em Belém, abriu de imediato as hostilidades no discurso de re-empossamento. Houve de tudo, desde intentonas a inventonas que apenas por milagre não fizeram entrar pregos por fechaduras adentro. Já desembaraçado do outro Partido, deu posse aos seus, para logo meditar acerca do seu improvável lugar numa História que dele pouco rezará. Terá o provável sonho de um governo “fora da canalha partidária”, daqueles que a União Europeia tem semeado um pouco por todo o lado. Não gosta do governo de PPC, porque apenas gosta de si mesmo e está a especializar-se no açular da partidocracia que tal como cão enraivecido, ignominiosamente corre atrás da sua própria cauda.
O PS está irritado. Porquê, se agora lhe acontece precisamente aquilo que os seus militantes belenenses um dia fizeram ao PSD?
Parece-vos possível tal coisa em Espanha, no Japão, Austrália ou na Suécia? Pois, gostem ou não gostem, a Monarquia tem certas e bem seguras vantagens.

Hoje dá na net: Literatura – Fernando Pessoa

A base de dados Arquivo Pessoa contém, na secção Obra Édita, a maior parte dos textos de Fernando Pessoa publicados até 1997. É muita poesia, com todos os autores que Pessoa também era. Interessa a todos os amantes de poesia, de Pessoa e a todos os alunos de 12º ano.

Cristiano Ronaldo e duas avarias num só dia: o Aventador e o Messi

Esta podia bem ser a coluna rosa do Aventar. Mas não vai ser. É bem pior que isso. Agora que está avisado, caro leitor, prossiga por sua conta e risco, sendo que prometemos nas próximas linhas futebol, carros e mulheres! A ordem, para o efeito que se pretende, pode ser arbitrária.

Vamos lá então à história – há dias em que um tipo não pode sair de casa!

Não – agora não estava a pensar no senhor do bolo rei que apela aos estudantes para se manifestarem e depois foge deles.

Cristiano Ronaldo, um dos mais recentes aventadores teve um dia para esquecer: o brinquedo novo avariou e o Messi marcou cinco no mesmo jogo.

Aventador em cima do reboque, imagem do Jornal AS

Só tenho uma dúvida – será que a menina da Intimissimi foi ao basket nessa noite?

Promessa cumprida!