Aventar: expor ao vento

Passei por ela algumas vezes. Não lhe achei muita piada.

Os meus amigos aventadores marcaram ali ao lado o almoço de aniversário do nosso blogue. Será a primeira vez que estarei com eles pessoalmente (estou entusiasmada).

No passado domingo, a escultura She Moves (Matosinhos) ou a «anémona» da norte-americana Janet Echelman, foi notícia no Público. É que vai ser objecto de uma nova reparação. Um rasgão “terá sido provocado por actos de vandalismo“.

Recortei o pedaço da folha de jornal que lhe dizia respeito. Gosto da última frase da notícia: movimenta-se ao sabor do vento e é uma das obras de arte pública mais emblemáticas da região. Movimenta-se ao sabor do vento!

Aventar e She Moves combinam tão bem: vivem e vão ao sabor do vento. Os meus amigos que criaram o Aventar há 3 anos, escolherem um termo curioso, rico em significados: expor ao vento, ventilar, arejar, mas também segurar pelas ventas, aproximar-se pouco a pouco e chegar. 

A pouco e pouco esse almoço vai chegar e realizar-se-à perto da anémona que, graças ao Aventar, adquiriu uma nova beleza e importância para mim.

(She Moves, escultura de Janet Echelman)

Exames na “4ª classe”

O Ministério da Educação e Ciência prepara-se para introduzir exames no 4º ano depois de o ter feito no 6º ano.

O debate está aí: exames fazem ou não sentido? Concordam ou discordam?

Faço minhas as palavras do Miguel e sobre isto, Paulo Guinote escreve que “que é preciso um sinal, por simbólico que seja, que os anos de Escola são para formação e aprendizagem, não apenas para passar tempo e divertimento. Até porque evita estados posteriores de incapacidade de gerir expectativas e momentos de pressão”.

Mas a minha dúvida começa mesmo por aí – é transmitido um sinal, mas que resolve quê? Conhecendo nós a Escola, o que vem resolver um exame? Em que é que isso altera a forma como alunos e famílias se colocam? [Read more…]

Dominicanas de todo o mundo, uni-vos

O Colégio de S. José, em Coimbra, vai fechar. A crise toca a todos, e as freiras da Ordem Dominicana de S. Catarina de Siena não conseguem dar conta dos recados, tendo optado por concentrar recursos humanos nos colégios do Restelo e do Ramalhão, o resto é paisagem. O erário publico sempre pode poupar uns trocos, em Coimbra tinham o contratozinho de associação da praxe.

Deixo aqui a minha solidariedade com estas trabalhadoras vítimas de mobilidade forçada, sujeitas como estão a voto de obediência, por vezes ainda mais doloroso do que o da castidade (“de todas as taras sexuais, não existe nenhuma mais estranha do que a abstinência“, rezava o Millôr Fernandes). Valha-lhes Catarina de Siena, santa padroeira da anorexia e madrinha desta cura de emagrecimento.

Atirar o pau a uma educadora

Se não batessem na minha filha, não me chateava tanto” – o caso da educadora que só à paulada devidamente explicado. E não, isto não é sobre futebol, é sobre educação.

Carta de amor

Faz hoje exactamente 3 anos, meu amor. Sim, meu amor. Reunimo-nos lá em casa para festejar o teu aniversário e eu, virado para o Zé Freitas, saí-me com uma brincadeira: «Estamos aqui reunidos para festejar o lançamento do Aventar».
O Aventar ia começar exactamente à meia-noite, dia 30 de Março. Não gostaste. Achaste que estava a dar mais importância ao blogue do que a ti. E não foi. Só estava a brincar, não devias levar a mal.
15 dias antes, no Poeta, em Cinfães, tinha decidido lançar um blogue colectivo pluralista. Estava longe de ti, como estive sempre durante esse ano. Tinha de ter um entretenimento e escolhi a blogosfera. Falei com o Luis Moreira e decidimos avançar.
Sei que não vais ler isto, por isso estou à vontade. Recusas-te a ler o Aventar, detestas o Aventar. Sentes que ao longo de 3 anos te substituí constantemente por ele. Quando passava horas e horas a escrever posts e a agendar o dia seguinte. Quando passava horas no chat com o JJC a definir estratégias e a exultar pelos números das audiências. Quando ia (vou) para os intermináveis convívios de Coimbra.
O que aconteceu ontem foi grave, amor da minha vida, tão grave que desejei pela primeira vez nunca ter fundado o Aventar. Desejei pela primeira vez que o Aventar nunca tivesse existido. [Read more…]

Se o PS é português eu quero ser espanhol

Para o mesmo pacote laboral, descubra as diferenças:

PSOE:

A porta-voz do grupo parlamentar socialista, (…) leu uma  declaração do Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE) (…) na  qual se manifesta entendimento pelas “razões que justificam” a greve e solidariedade  com os trabalhadores que estão em protesto.

O texto, um manifesto contra a reforma laboral aprovada pelo Governo,  advertiu que a norma “não vai gerar emprego”.

PSP:

João Assunção Ribeiro, porta-voz do partido, desabafou no Facebook a propósito da abstenção na lei laboral. “Infelizmente, para defender o passado e honrar a assinatura de José Sócrates temos de nos calar contra medidas inaceitáveis”.

As greves e as leis laborais são como o algodão: não enganam.

Quem Nos Acode?

EN 103, Barcelos, ontem à tarde.

Não haverá recessão em 2014

Assegurou hoje, 29 de março de 2013, Pedro Passos Coelho.

29M: aprender a greve com quem sabe

A greve geral que hoje paralisa o estado espanhol tem muito para nos ensinar. Sabiam que foi inicialmente convocada por sindicatos alternativos e independentes das centrais sindicais do costume que tiveram de correr atrás do prejuízo? É ler no Público.es (que arranjou uma deliciosa forma de assinalar que hoje está em greve, tapando os títulos).

E não é só uma greve ao trabalho mas também ao consumo (como deveriam ser todas as greves gerais). E tem uma sesta colectiva, genial forma de luta que destaca o sagrado direito à preguiça.

Portugueses, aprendei com quem sabe (sendo verdade que nós soubemos correr com o feudalismo castelhano mas dormimos à sombra dessa bananeira desde o séc. XIV).

Esquerda, direita, exames

O regresso dos exames no último ano do Primeiro Ciclo reavivou fantasmas reaccionários e revolucionários.

Por uma vez, Nuno Crato revelou coerência entre o que defendia como comentador e o que pratica como ministro, ao revalorizar a importância dos exames. Devo dizer que, como simpatizante do comentador e opositor do ministro, não tenho, perante os exames, uma reacção instintiva de adesão entusiasmada ou de repulsa enojada. Antes procurarei reflectir, o que não me parece acontecer com a direita ou com a esquerda, especialmente se parlamentares, porque a Assembleia da República é, demasiadas vezes, palco de coreografias. [Read more…]

Silêncios

São um sim?

Com o despedimento previsto para as nossas escolas, quer pela reorganização curricular, quer pelos TERA-agrupamentos, o que falta para um MEGA – levantamento dos Professores?

Será que foi só a incapacidade comunicativa de Maria de Lurdes?

Não entendo…

Contratados, deixem-me ver se consigo dizer isto com as letras todas:

– no próximo ano TODOS os contratados vão estar sem colocação, isto é, vão ser TODOS despedidos! Dá para perceber isto ou não?!!!!

Já Sabem Onde Podem Enfiar o Manifesto

Está na moda a impunidade feliz. Ex-políticos vivem regalados depois de anos de Roubo, mas um Roubo naturalmente destinado à impunidade dos deuses. A impunidade das preciosas e douradas mãos de suas excelências intocáveis, os políticos, comparados connosco, a ralé que bem pode perder o 13.º e o 14.º e imputar a perda não à gestão danosa dos Governos de Saque Socratista, mas ao manso Passos. E no entanto, a impunidade vai toda para os políticos das licenciaturas instantâneas, os políticos do poder de aprovar o tal outlet em zona protegida de flamingos e o poder de aprová-lo à última da hora pantanosa, certamente sem luvas no processo. [Read more…]

Esse bocadinho de tarde cinzenta

  (adão cruz)

Ela não sabia mas a vida havia-lhe ensinado naturalmente que os mais belos poemas se fazem com gestos e palavras simples [Read more…]

Hoje dá na net: Ricardo Araújo Pereira no Brasil

.

Com Jô Soares na TV GLOBO – 19-03-2012

A seguir ao corte, na Risadaria 2012.

[Read more…]