Subir para cima, descer para baixo, demitir o demitido

Quem é que leva uma arca congeladora para o Alasca?

Quem é que leva areia para a praia?

Mea culpa caro leitor. Percebo agora que não se pode demitir o que já foi demitido há muito.

Coisas saídas do sótão da educação

O contratador de fotocopiadores de legislação vai pagar uma multa de 4 mil euros por causa duma contratação ilegal no valor de 300 mil euros. É caso para dizer que o saldo é positivo (não, não falo dos contribuintes). Falta ainda saber o que vai acontecer aos acusados de prevaricação.

Prisão efectiva para quem trata o dinheiro dos contribuintes com tamanha ligeireza, é o que esta gente merece e é o que devia ser lei. Só um problema: olhando para artistas como os que imprimem 120 programas de governo em papel couché, como os que  mandam para casa dos munícipes revistas mensais que resumem às fotos do xô plesidente, como os que contratam tóniscarreiras para festarolas, como os que… enfim, para esses tantos, dizia, só há o problema de poder não haver prisões suficientes.

Porra!, o dinheiro custa-me(-nos) a ganhar! Quem quer festa ou tacho que trabalhe.

Concursos de professores- a reunião decorre e…terminou

Ao que tudo indica a FNE vai assinar.

A FENPROF não assina. A FENPROF saiu do MEC  – não há acordo entre a maior federação de professores e o MEC. Confirma-se o palpite anterir: a FENPROF não assina.

Os outros? Parece que ficaram lá dentro…

O Google é mulher

Uma amiga minha, que se distingue por ser cidadã de invulgar cultura e de espírito muito acutilante, enviou-me este pensamento sobre o sexo do Google:

Cheguei à conclusão de que o Google é mulher.

Ainda não terminámos a frase e já está a dar palpites…

Não resisti à tentação de divulgar a frase, presumindo embora que a mesma ainda não é, mas certamente em breve será lida por tudo o que são mensagens de correio electrónico.

A despeito de pretensioso feminismo, a minha amiga defende com solidez a superior sagacidade da mulher, com base na evidência de que os interlocutores/homens ainda têm o pensamento desfasado em relação ao “timing” que gostariam de ter. E dá um exemplo eloquente: o ministro Vítor Gaspar. Li e fiquei sem argumentos.

Vítor Gaspar, o cábula mentiroso

Ontem li a do dom de deus mas nem reparei nesta afirmação:

Não temos pressa e a história garante que venceremos a crise.

Que ele não tenha pressa, compreendi-te, está na zona de conforto, não conta os tostões para ir ao médico nem os subtrai para fazer a sopa do desempregado.

Agora essa garantia da História, que toca cá para os meus lados, merecia que ele explicasse quando, onde e em que regime político uma crise desta envergadura foi vencida com a receita da austeridade, da privatização e do desemprego. Ele ou quem quer que seja. O cábula mentiroso não confessa a ignorância, afirma-a como verdade. A menos que se trate da história da carochinha, entendi-te.

E o óscar vai para…

… depois de ler o douto artigo do Provedor do Leitor do Diário de Notícias, só posso endereçar o óscar de melhor argumento adaptado aos abrantes. Então os marretas tiveram a arte de enviar mails madrugadores ao Senhor Provedor e este, todo lampeiro, não se fez rogado e de tal conteúdo fez jurisprudência. Eu, ingénuo, olhava para o Senhor Provedor e via-o como uma espécie de blogger do 5Dias. Afinal, enganei-me, ele é mais “corporações“.

Santos Pereira deixou o governo

O Aventar abre aqui uma experiência singular e nunca antes concretizada na televisão pelo Rui Santos. Sim, isto é completamente inédito.

Um contador de tempo para saber os segundos em falta para o Ministro Álvaro Santos Pereira deixar o governo!

O tempo é à escolha do freguês e completamente grátis!

Digam lá se isto não é um cluster ao nível do pastel de nata?

Concursos de Professores sem acordo

Dos interessados.

Hoje, 2ª feira, decorre no Ministério da Educação e Ciência a segunda ronda negocial em torno dos concursos de Professores. Diz-se ao telemóvel que tudo ficará adiado para amanhã, para uma nova reunião…

A segunda proposta do MEC, agora em discussão, clarificou alguns aspectos e torna-se mais interessante do que a primeira, mas ainda muito longe do que deveria ser um documento central para a gestão do maior grupo profissional da administração pública central: o MEC continua a manter, com o acordo da FNE (SPZN), os docentes do privado em vantagem relação aos colegas das escolas públicas.

No entanto, estão ainda contempladas um conjunto de situações que não vão merecer o acordo dos sindicatos, nomeadamente da FENPROF.

Mas, da parte dos representantes dos professores com menor expressão poderão aparecer algumas surpresas. Parte deles é dirigido por quadros do partido do governo – o PSD e depois do acordo da UGT com os patrões e o governo, este pode ser, ao contrário do que pensava há dias, o passo seguinte do frete dos sindicalistas laranja ao governo da mesma cor.

Quanto tempo demora a preparar uma aula? Autonomia, já!

José Gil, Director do Público por um dia, escreveu que:

“se não se souber o número de horas e a qualidade do tempo de que um docente precisa para preparar as lições podemos criar uma carga horária esmagadora e deprimente. E nunca obter uma docência de excelência. Para preparar as aulas os professores têm de ter uma vida própria — e já não têm. Têm cada vez menos férias, cada vez menos tempo para ser pessoas. Uma das questões que coloco é se os responsáveis políticos se dão conta da especificidade da profissão de docente. A relação professor-aluno é extremamente intensa, delicada, forte, vital e específica. Vital para criar qualificação no trabalho e consciência democrática.
É preciso fazer ressaltar esse factor que não está a ser pensado. A avaliação das competências tem de ter em conta um elemento inavaliável, inquantificável em que se funda a criatividade da educação.”

E esta é a questão central da Escola nos nossos dias – que condições têm os professores para desenvolver o seu trabalho com qualidade? [Read more…]

Acordo Ortográfico: o primado da escrita

Nunca me deu para endeusar pessoas ou ter ídolos, mas nunca deixei de admirar aqueles que exercem uma actividade com competência comprovada. Ainda hoje, considero um privilégio poder ler ou ouvir quem sabe e sempre por duas razões profundamente egoístas: prazer e enriquecimento.

Apesar da minha tendência para a Literatura, a reflexão que me tenho sentido obrigado a fazer a propósito do Acordo Ortográfico fez-me regressar a leituras no âmbito da Linguística, o que me levou a descobrir, graças, também, ao milagre da Internet, estudiosos como Francisco Miguel Valada e António Emiliano.

Há poucos dias, tive oportunidade de aconselhar a leitura de um texto deste último. Volto, agora, a fazê-lo: nesta nota, António Emiliano contraria a ideia de que escrita é uma mera maquilhagem. Existe uma outra versão mais desenvolvida dessa mesma nota aqui.

Ler o que escreve António Emiliano dá trabalho? Dá, mas não há outra maneira de aprender. Na verdade, julgo que há, até, poucos prazeres que não dêem trabalho. Quem quiser criticar ou elogiar o AO deve, portanto, trabalhar muito.

O labirinto

adão cruz

O labirinto tem que ter uma porta uma saída um caminho que não encontro.

Sei que sou buraco de mim mesmo mas não é por aí que eu quero sair.

Meu sonho é ser um pássaro voar na proporção do amor sem medo nas penas… [Read more…]

Tempo para preparar aulas: a importância de perguntar

O Público de hoje, na comemoração do seu aniversário, teve como director o filósofo José Gil. É próprio do filósofo perguntar, reflectir sobre o que não se sabe, pensar, até, sobre aquilo que não se pode saber. Assim, o programa proposto pelo director circunstancial do Público é de uma importância decisiva, exactamente porque é compreensivelmente raro um jornal não noticiar o invisível ou o incognoscível. Afirma, a propósito, José Gil:

Vivemos num país desconhecido. Por baixo da informação tangível, dos números e das estatísticas, correm fluxos de acontecimentos inquantificáveis e que, no entanto, condicionam decisivamente a nossa vida. Quantas doenças psíquicas foram desencadeadas pela crise? Quanta energia vital se desperdiça na fabricação da imagem de um rosto jovem necessário exigido por tal profissão? São “dados” incognoscíveis ou imateriais, não susceptíveis de se tornarem informação. São não-notícias.

Como professor, e tendo em conta a destruição sistemática das condições de trabalho da classe profissional a que pertenço, apetece-me realçar a pergunta a que ninguém, a começar pelo Ministério, quer responder:

Quantas horas os responsáveis estimam necessárias para os professores prepararem as lições?

Na realidade, esta pergunta ignorada é fundamental e deveria condicionar qualquer decisão política no âmbito de um estatuto profissional. Nos tempos economeses em que vivemos, é, apenas, um assunto a evitar. Sobre o mesmo tema, já escrevi aqui e aqui.

O empréstimo de compressas ao Garcia da Orta

O hospital de Almada, por dívida de 260 mil euros ao fornecedor, está a recorrer ao empréstimo de compressas para cirurgia, nomeadamente junto do Amadora-Sinta, que costumo e devo designar por Hospital Prof. Dr. Fernando Fonseca.

O ministro Macedo, bancário de profissão, entende que os hospitais devem funcionar na lógica dos fluxos de caixa e do saldo zero de tesouraria; nunca em função do interesse e necessidades dos doentes.

Ontem a Roche, hoje os fornecedores de compressas, e sem vontade de negociar e apenas impor, o actual Ministério de Saúde está a negar a prestação de cuidados médicos, nalguns casos em estado de necessidade extrema: cirurgias no Garcia da Orta, assim como tratamentos com medicamentos únicos de oncologia, nos IPO’s e outras unidades de saúde com esta especialidade.

Tudo isto é o resultado tecnocracia, que com este governo atingiu o pico mais elevado, sem ponta de humanismo na prestação de serviços de saúde aos cidadãos.

Temos um governo, de falácia e aldrabice, composto por gente que não presta. Não presta mesmo!

Bandex – A visita

Presente para um príncipe

Bebé a dormir

 O príncipe dos bebés era largamente esperado. Nunca mais aparecia, nunca mais o casal era progenitor. Nunca mais eram pai e mãe. Até esse dia de começos de ano, em que o príncipe nasceu. Todo descendente é o príncipe do lar, nos tempos em que os matrimónios casavam para durar. Havia tempo para tomar conta dos pequenos ou crianças, ensinar, cuidar, fazer vez caso o príncipe da casa chorar durante a noite. Não havia separação de deveres: eram dois os progenitores, pelo que dois deviam tomar conta do largamente esperado bebé. Em desespero, a hipotética mãe fez uma promessa: se tiver um filho, chamar-se- ia como o santo milagreiro, como terceiro nome.

[Read more…]

Hoje dá na net: Charles Chaplin – O Grande Ditador

Com Charles Chaplin, Jack Oakie, Reginald Gardiner e Paulette Goddard

A grande parábola ao nazismo, um dos filmes mais inteligentemnte pacifistas de sempre.

Ficha IMDB

François Hollande, o inimigo a abater por Merkel & Cia.

A notícia foi divulgada a partir do semanário alemão Der Spiegel:

François Hollande estaria prestes a ser boicotado por Angela Merkel e os parceiros italiano, espanhol e o Partido Conservador britânico.
Angela Merkel, Mario Monti, Mariano Rajoy e David Cameron estariam então “cometidos verbalmente” a não receber o socialista em caso de eleição, enquanto este último segue na frente das sondagens (58% das intenções de votos na segunda volta em relação a Sarkozy, conforme uma pesquisa mais recente LH2-Yahoo!).
De acordo com o semanário alemão, os líderes conservadores estão “indignados” com a vontade manifestada pelo candidato socialista para renegociar o Pacto Fiscal, uma peça central de resgate da zona do euro. A motivação de David Cameron, cujo país não assinou o Pacto Fiscal, seria mais de carácter ideológico.

Fonte: Le Huffginton Post

Angel Merkel, queira-se ou não, reedita o despotismo germânico, reiterando a tentação da hegemonia sobre a Europa. Nem sequer é, portanto, novidade histórica vinda daquelas bandas. Volta à actividade, em alguns políticos alemães, com a Sra. Merkel em destaque, o maldito e genético vírus do elitismo germânico.

[Read more…]

Concursos de professores – comparação das propostas

Feito pelo AD DUO.