Para que servem os professores? Para o presente do país!

Andei uns dias com a pergunta na cabeça: “Para que servem os professores?

Fui pensando que, de facto, os Professores, enquanto classe são algo muito diverso que, na sua maioria, levam a sua prática profissional centrada em dois eixos:

– o trabalho com os alunos, na maioria dos casos, excelente, de grande empenho e de muita entrega;

– uma visão individualista da profissão, quer enquanto agente diário de mudança social, quer enquanto autor permanente de mudanças para o futuro.

A maior estrutura coletiva de professores, a FENPROF, tem, desde sempre, exigido ser um parceiro ativo nas questões educativas, mesmo que fora da  esfera profissional, mas os professores nunca se sentiram verdadeiramente envolvidos nessa dimensão. Penso, pois, que aqui está parte da resposta à questão colocada: os professores estão disponíveis (estiveram!) para sair à rua contra a sua avaliação, mas não se conseguem mobilizar para lutar por uma coisa tão “simples” como a ESCOLA PÚBLICA!

Não há na classe uma sentimento agregador em torno das ideias mais elementares sobre a gestão (há quem defenda o regresso a uma gestão democrática, mas há quem defenda o aprofundamento do atual modelo pré-ditatorial), sobre o currículo e a avaliação dos alunos (há quem defenda os exames e quem os recuse), sobre a avaliação dos professores (há quem pense ser necessária uma metodologia com implicações na carreira e quem pense o contrário), etc….

E, claro, as políticas financeiras que têm sido aplicadas à Educação também não ajudam nada. Por um lado diz-se que  a escola deve trabalhar as questões de cidadania, mas acaba-se com a formação cívica. Diz-se que os problemas com os alunos estão a aumentar, em número e em intensidade, que é preciso estar mais atento e mais próximo das famílias, mas ao mesmo tempo acaba-se com a Direção de Turma. Aumenta-se a escolaridade básica para 12 anos, mas reduz-se o currículo no básico.

Nesta dupla problemática,  poderíamos  dar um passo em frente se fosse possível definir uma ideia sobre A Escola Pública que queremos para os nossos dias. Não estou a pensar nos próximos 100 anos. Estou a pensar para hoje.

Que Escola Pública queremos?

Será que conseguimos encontrar 10 frases, com uma linha cada, que sejam pertença da maioria dos Professores?

Comments

  1. Miguel says:

    “- o trabalho com os alunos, na maioria dos casos, excelente, de grande empenho e de muita entrega;
    – uma visão individualista da profissão, quer enquanto agente diário de mudança social, quer enquanto autor permanente de mudanças para o futuro.”

    Na maioria NÃO. Fui estudante durante 17 anos. A maioria não é bom professor. Sofri como aluno, por causa disso.

    Mas o meu muito obrigado aos poucos que foram bons. Obrigado pelo vosso empenho.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.