Quando a realidade contraria os desejos de Nuno Crato

Aldrabar estatísticas já faz parte da natureza de um ministro, em particular se tiver a pasta da Educação. Nuno Crato tem demonstrado estar à altura dos seus antecessores, justificando a austeridade no seu ministério com a quebra do número de alunos, mentira que vai sendo repetida pelos engraxadores de serviço.

Azar dos azares, até a OCDE acaba de o desmentir:

Segundo o ministro da Educação português, a tendência para a redução do número de alunos está para ficar devido aos baixos níveis de natalidade. Já a OCDE, no seu relatório anual sobre o Estado da Educação – Education at a Glance -, hoje divulgado, coloca Portugal entre os sete países da organização que, em 2015 escaparão a esta tendência, no que respeita ao grupo dos jovens entre os 15 e os 19 anos.

É que se a demografia puxa para um lado, a escolaridade obrigatória até ao 12º ano empurra para outro, e com mais força.

Claro que essa obrigatoriedade pode ser revogada com um simples decreto-lei. A chatice é que o descaramento ainda não chegou a tanto. Para lá caminhamos.

Trackbacks


  1. […] Quando a realidade contraria os desejos de Nuno Crato […]


  2. […] por professores 12/09/2012 Por João José Cardoso Deixe um Comentário Quando há, e haverá, mais alunos, subtraímos os cursos profissionais. Filed Under: curtas Tagged With: cursos […]

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.