A falência dos partidos: o caso do PS em Matosinhos

guilherme-pinto_LUSA
© Lusa

O actual Presidente da Câmara Municipal de Matosinhos, o socialista Guilherme Pinto, desfiliou-se daquele que foi durante perto de 40 anos o seu partido, e anunciou que em Outubro concorrerá como independente. “Candidaturas dos partidos são desastrosas para as dinâmicas de desenvolvimento”, afirmou com coragem, enfrentando a ira dos homens do aparelho do PS, que se apressaram a acusá-lo de ter desrespeitado “as regras democráticas do PS”, e de  ter ofendido “a credibilidade dos esteios do Estado de Direito democrático”.

«(…) Entendo que os Partidos são essenciais às democracias. Mas não são exclusivos. (…)», escreveu Guilherme Pinto em carta endereçada ao Secretário-Geral do PS. «(…) Pretendo defender o que construímos (…) E impedir um desastre. (…) O que é incompatível com o contributo ao partido no qual ingressei aos 16 anos e que servi com empenho.(…). Queira por isso aceitar a minha desvinculação do PS. (…)»

Enquanto isso, António Parada, o candidato escolhido pelo PS para tirar Matosinhos a Guilherme Pinto (objectivo difícil de atingir, atendendo ao apoio que o actual presidente da Câmara parece ter de parte significativa da população), pediu ontem maioria absoluta, mediante o apoio de todos os presidentes de junta eleitos pelo PS – como se fossem eles os eleitores, num raciocínio abjecto, de política baixa, na linha daquilo que por estes dias justamente se combate, por não mais ser possível tolerar-se em Portugal as máquinas partidárias de fazer corruptos e mais subdesenvolvimento para as populações.

[actualizado às 18h00]

Comments

  1. Konigvs says:

    Algo de muito estranho se passa com o PS de Matosinhos. Primeiro Narciso Miranda, depois a vergonha da morte de Sousa Franco e agora isto…


  2. O caso de Matosinhos não tem a ver com falências partidárias. Tem a ver com tachos. Foi assim quando Guilherme Pinto foi o candidato oficial do PS e Narciso o oficioso.

    Antes de ser presidente da CMM, Guilherme Pinto foi vereador durante 16 anos. Sempre eleito no PS. O que mudou agora para que as candidaturas dos partidos sejam desastrosas para as dinâmicas de desenvolvimento? O facto de não ser o candidato escolhido pelo PS.

    • Sarah Adamopoulos says:

      Os partidos tal como os conhecemos faliram. Basta ver aquilo em que está transformado o PS (mas não esqueço o PSD). As pessoas não se revêem nos partidos (mais de 4 milhões de abstenções nas últimas legislativas o que é que lhe diz?), que por sua vez não se revêem nas pessoas que dizem representar. Está tudo errado, é preciso rever o sistema eleitoral.

Trackbacks


  1. […] a decadência dos partidos, já escrevi aqui, designadamente sobre Matosinhos, caso paradigmático de estapafurdice do PS, lamentavelmente corroborada por pessoas inteligentes e […]

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.