Cacém-Barcarena-Mont’Abraão

Cacém - BarcarenaLinha de Sintra. A pé, ao longo dela, do Cacém a Vale Abraão, há flores na berma, campestres, de todas as cores e para todos os gostos. O variegado delas embriaga, paraíso de abelhas que não vemos, promessa de néctar, âmbar ou luz que nem sabemos.

Humildes, airosas, pisáveis, misturam-se a marginar o férreo caminho, iluminando a grande e metálica certeza de haver por onde ir e regressar às pobres moles. Estão desempregadas, coitadas, as flores na berma do caminho, sem prado, esquecidas, encharcadas de efémero e eternas porque as vemos. Dir-se-ia que é só por elas que ali há linha e a nossa azáfama, meu amigo!

Comments

  1. Dora says:

    Estás, palavrossaurius, a bucoliconizar a linha de Sintra, ao longo dela, do Cacém a Vale Abraão.

    Há flores na berma para todos os gostos, mas estão no meio de ervas secas de todas as cores e para todos os gostos, no meio de descampados abandonados, pródigos em carrapatos e carraças que também são eternos.

    Isso e mais a bosta pisável dos cães e os sacos de plástico esquecidos e eternos provenientes de um qualquer PD próximo numa promoção do 1º de Maio.

    Deves, portanto, estar a referir-te a outros lugares aqui em Sintra, que não nas zonas mencionadas.

    Andaste, neste feriado, a ler o Lord Byron?

    Ou foste visitar o Passos Coelho a Massamá?

  2. Dora says:

    Aceito, contudo, a “azáfama” da linha.

    A IC19 continua linda!

    E o Seabra não tem feito nada por esta região tão populosa e tão carente de limpeza, de transportes e de tantas outras facilidades para quem cá vive.

    E Sintra, toda a Sintra, merece.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.