Razões para comemorações com champanhe

electricidade portugal

Fonte: The Economist. Gamado no Facebook

A quarta mais cara electricidade da Europa. Percebe-se porque é que na EDP se festejou com champanhe (disse-o o Ministro da Economia) quando foi demitido o secretário de estado que ia proceder a cortes nas rendas da EDP. Falta perceber duas coisas: 1) como é que o Ministro da Economia ainda não se demitiu perante a cedência que fez ao lobby energético e 2) até que ponto Passos Coelho acha que não topamos a mentira dele.

Já agora, lembram-se como é que Sócrates vendeu a ideia das renováveis? Que nos traria energia mais barata e maior independência energética. Está à vista. Depois do litoral destruído com construção, coube a vez às serras, desfiguradas com ventoinhas plantadas sem ordem e com o bónus da electricidade a preço de ouro. É o que dá ir-se na conversa da propaganda.

Comments

  1. edgar says:

    Ser enxovalhado pela demissão do Secretário de Estado contra a sua vontade e vir contar publicamente o episódio dos festejos com garrafas de champanhe dá uma ideia da personalidade do Ministro e tipo de governo que temos.

  2. adelinoferreira says:

    “As ventoinhas” são um atentado ambiental
    muito grave na paisagem e com reflexos
    negativos nos animais onde estam implantadas.

  3. André Almeida says:

    As políticas do PS para caminhar o país na direcção da autosuficiência energética foram despesistas, mas foram das coisas mais notáveis que originou daquele governo.

    Aqueles que hoje se queixam das barragens, das ventoinhas e das rendas estiveram muito caladinhos quando neste mês o país exportou energia eléctrica sem ligar centrais de gás natural ou carvão, e vão estar ainda mais serenos quando no futuro próximo o preço do barril do petróleo disparar.

    • jorge (fliscorno) says:

      Mas foi exportada energia a que preço? Já houve alturas em que o excesso de energia foi vendido para Espanha a preço zero (ou disso perto) só para escoar o excesso de produção. Nesse caso as rendas serviram para alimentar a economia espanhola.

      Por outro, mesmo quando a energia foi vendida com lucro, esse rendimento serviu para baixar o custo da electricidade ao consumidor? Não, serviu para aumentar o lucro da empresa. Apesar do investimento estar a ser pago, também, com essas rendas.

      Sobre o preço do barril do petróleo ir para valores proibitivos, dado que bastaram 4 anos para instalar os actuais geradores, bem que se poderia fazer essa aposta nas renováveis nessa altura, poupando aos consumidores terem que pagar estas rendas, sabe-se lá até quando.

      As barragens servem como complemento às eólicas para armazenamento de energia sob a forma de energia potencial. Mas servem ainda mais à estratégia de privatizar a água. Enfim…

      O que Sócrates fez foi dar negócio com risco zero a alguns, já que o investimento acaba pago com as rendas. Isto é vergonhoso. Um povo devidamente informado impediria isto. Infelizmente, em vez de informar, os governantes, neste caso o governo de Sócrates, recorrem à propaganda para vender a ideia. E há sempre, pelos vistos, quem a compre, mesmo perante a crua realidade dos factos.


  4. “O que Sócrates fez foi dar negócio com risco zero a alguns, já que o investimento acaba pago com as rendas. Isto é vergonhoso.”- Está escrito.

    Há- pergunto eu -algum investimento que nao tenha que ser pago?
    Existe algum benemérito que invista sem retorno?
    A atual politica energética é DESTE (des)governo. ESTÃO NO POLEIRO HÁ DOIS ANOS, e o esterco doentio do costume ainda continua a atribuir TODOS os males do mundo ao anterior primeiro ministro. Parecem questões de fé da IURD com seguidores fanatizados. Porra!
    Quem impediu que as rendas baixassem, segundo o secretário de estado Henrique Gomes foi o atual primeiro sinistro. ao mandar duas horas depois o relatório ao beija-mão do Mexia. Lacaios…
    É claro que a contra informação já está aqui. SÓ AGORA mas rapidinho. Filhos da puta!
    http://www.iol.pt/push/iol-push—economia/barragens-edp-irregularidades-queixa-energia-bruxelas/1437604-6469.html.
    Isto é bem capaz de ser outro caso igual ao das SWAP’S em que tentaram mas foram mal sucedidos atribuir culpas ao anterior governo da forma vil e nojenta qua já não espanta.

    PS: Tens a mania, Jorge, de dares uma no “cravo outra na ferradura” e desconfio que te consegues APENAS enganar a ti mesmo. Depois não te queixes das frustrações e da quantidade de violas que vais ter que (continuar) a meter no saco.

    • jorge (fliscorno) says:

      «Há- pergunto eu -algum investimento que nao tenha que ser pago?
      Existe algum benemérito que invista sem retorno?»

      Esta é muito gira. Com que então o investimento é para ser pago com as tarifas. E quando o investimento estiver pago, o lucro vai ser usado para baixar as tarifas, é isso? Está-se mesmo a ver. O que você não parece perceber é o que é um investimento mas eu explico. Quem investe pega em dinheiro *seu* e aumenta a sua produtividade, a qual, no futuro, lhe permitirá receber de volta o dinheiro investido mais o seu lucro.

      «A atual politica energética é DESTE (des)governo. ESTÃO NO POLEIRO HÁ DOIS ANOS, e o esterco doentio do costume ainda continua a atribuir TODOS os males do mundo ao anterior primeiro ministro. Parecem questões de fé da IURD com seguidores fanatizados. Porra!»

      Esterco, cito. Dito por quem aqui veio defender a sua dama. O anterior primeiro-ministro tem as suas culpas. E este governo também. Agora vir com essa conversa da treta a procurar desculpabilizar Sócrates e o buraco para o qual ele também contribuiu, isso sim, é esterco.

      «Quem impediu que as rendas baixassem, segundo o secretário de estado Henrique Gomes foi o atual primeiro sinistro. ao mandar duas horas depois o relatório ao beija-mão do Mexia. Lacaios…»

      Pois foi. E quem as criou? Ah pois, foi a sua dama.

      «PS: Tens a mania, Jorge, de dares uma no “cravo outra na ferradura” e desconfio que te consegues APENAS enganar a ti mesmo. Depois não te queixes das frustrações e da quantidade de violas que vais ter que (continuar) a meter no saco.»

      É isso, eu gosto de dar umas nas ferraduras. Quem as usar que se queixe.

      PS: os n.ºs estão no gráfico. Quarta electricidade mais cara. Sobre, que é o importante, zero comentário. Ah pois é.


  5. Haja decoro, caraças!
    Há, pode haver e sempre houve investimentos que se transformam em rendimentos, não!? Escusado será, invocar a “decencia” de tais rendibilidades.
    O investimentos deveria pago em bifanas e senhas de transporte? Ou em bananas com direito a “pin” na lapela igual aos dos teus amiguinhos, como brinde?
    Já aqui referi que não sou eleitor de nenhum partido politico, nem voto. No entanto considero que José Sócrates Pinto de Sousa, durante o primeiro mandato tem OBRA para mostrar e da qual muita coisa se pode orgulhar! É esta a declaração de interesses da minha humilde pessoa.
    Fez tudo bem feito? NÃO, não fez. Muito longe disso. O segundo mandato foi bem pior – ele mesmo já reconheceu que não devia ter formado governo
    Depois foi o ataque “ad hominem” mais preverso, insidioso, nojento e velhaco desferido sobre um ser humano por uma direita – herdeira do fascismo – com as mentiras que todos conhecemos e não vale a pena referir de novo.
    Deixaram “escola” e ainda hoje, continuam a atacar o cidadão por razões que, agora, só Freud será capaz de explicar.
    Aqueles que então tanto ladravam ou escoicejavam – ferrados ou não – são os mesmos que hoje ou arranjaram assessorias, ainda não desistiram de as ter ou são da mesma laia. Quem elegeu este (des)governo, não é vitima É CUMPLICE!
    Comentário como li acima : “as ventoinhas” são um atentado ambiental…”, têm a mesmissima qualidade dos teus, Jorge, a mesma.
    Ainda não é altura de se fazer História porque precisa sempre de tempo: “Para Verdades o tempo….”
    Aqui fica um depoimento, que vi ontem, de um cidadão eleito pelas listas do PSD à Camara do Porto (?) que os mandou dar uma voltinha e a quem a dita “comunicação social” prefere, vá lá saber-se porquê. ignorar reiteradamente. É sobre sobre outra tão propalada MENTIRA de que o resgate foi pedido para evitar a “banca rôta”. Cambada de mentirosos!! MEN-TI-RO-SOS!

    https://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=h8uNhkcOwsI

    PS. O gráfico exposto foi igualmente publicado no “Corporaçôes” Não o referi porque evidências são isso mesmo evidências.
    Jorge Fliscorno, nada de pessoal, entende. Boa sorte e felicidades numa altura em que TODOS tanto precisamos.

    • jorge (fliscorno) says:

      Isso, chute para canto.

      1. O investimento em causa traduziu-se num aumento da factura da electricidade. Isto é, os consumidores estão a ser os investidores. Terão mais tarde retorno do seu investimento, nomeadamente baixando o preço da electricidade? Estamos para ver. Nada na história portuguesa aponta nesse sentido.

      2. Sócrates justificou o investimento com o argumento de trazer electricidade mais barata. Trouxe? Estamos a ver isso.

      3. Corporações? E o que é quem o cu a ver com as calças? Eu gamei o gráfico no FB. Fui lá ver o post deles e não posso é deixar de achar cínico reclamarem das rendas que eles criaram.

      Boa sorte, também, felicidades e tudo isso.

  6. Nascimento says:

    E MAI NADA SEU JORGE…É ISSO PORRA! ABRIU E DE QUE MANEIRA, AS PORTAS, AO MERDOSO QUE LÁ ESTÁ AGORA!!” ESTA MERDA PRECISA É DE CIMENTO PÁ” !!!HAHHAHAHAHAH

Trackbacks

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.