O IVA da electricidade e a potência contratada

Antes de mais, sendo a electricidade um bem essencial, é uma indecência que esta seja taxada com IVA de 23%. Para contextualizar, o anterior governo decidiu em 2011 passar este imposto de 6% para 23% e, desde então, aí ficou, apesar da conversa de Costa sobre as reversões.

Posto isto, vamos ao tema. João Pedro Matos Fernandes, Ministro do Ambiente e da Transição Energética (transição para onde?! enfim!) disse umas coisas, penso este será o termo técnico, sobre a potência eléctrica contratada.

[Read more…]

Cancioneiro mexiano

Eu não quis sodomizá-lo. Ele é que estava de costas.

O secretário de estado do secador de cabelo

Artur Trindade

O governo espanhol proibiu a produção de electricidade a partir de fonte solar para consumo próprio e, cinicamente, o governo português fez o mesmo, vendendo uma restrição como sendo uma libertação.

«Até agora, a produção de electricidade com vista ao autoconsumo era “uma realidade que não estava legislada”, explicou o governante sobre o diploma que também introduz alterações ao regime da microprodução.» (i online)

Meu deus, vivíamos na ilegalidade! Mas agora estamos melhor. Por exemplo, havendo lei, poderão existir multas a aplicar. É só vantagens.
[Read more…]

Porto – 13h00 – Rotunda da Boavista

Concentração em frente à EDP em solidariedade com os moradores do Bairro do Lagarteiro.

Precisa-se de electricistas

No país onde se paga a electricidade mais cara da Europa, a EDP cortou hoje, com o apoio da polícia, o fornecimento de electricidade no bairro do Lagarteiro, um dos bairros mais pobres do Porto. Dezenas de moradores com facturas em atraso, muitos deles considerados pelos serviços sociais da Junta de Campanhã como em situação de “emergência social”, ficaram sem luz, sem aquecimento, sem fogão para cozinhar, porque não podem pagar o que a EDP exige. Entre eles, havia gente com crianças pequenas e até, como mostra a reportagem da RTP, um deficiente motor que, a partir de hoje, deixa de poder recarregar a cadeira de rodas eléctrica.

“Electricidade mais cara da Europa” não é figura de estilo nem recurso demagógico. É isto: [Read more…]

Pensavam que dói a todos por igual?

Contribuição extraordinária para o gás, electricidade e petróleo é válida até Outubro de 2014. Toma!  Senhores do governo, se não se importam, o meu ano fiscal também é para terminar em Outubro.

Razões para comemorações com champanhe

electricidade portugal

Fonte: The Economist. Gamado no Facebook

A quarta mais cara electricidade da Europa. Percebe-se porque é que na EDP se festejou com champanhe (disse-o o Ministro da Economia) quando foi demitido o secretário de estado que ia proceder a cortes nas rendas da EDP. Falta perceber duas coisas: 1) como é que o Ministro da Economia ainda não se demitiu perante a cedência que fez ao lobby energético e 2) até que ponto Passos Coelho acha que não topamos a mentira dele.

Já agora, lembram-se como é que Sócrates vendeu a ideia das renováveis? Que nos traria energia mais barata e maior independência energética. Está à vista. Depois do litoral destruído com construção, coube a vez às serras, desfiguradas com ventoinhas plantadas sem ordem e com o bónus da electricidade a preço de ouro. É o que dá ir-se na conversa da propaganda.

Também tenho achado o Mexia muito parado

Autarca de Pombal critica Mexia por falta de energia

Cinco argumentos ridículos: do atentado à anedota

Plano Nacional de Barragens: um desastre que nos há-de custar 16 mil milhões de euros.

Finalmente, ao fim de quatro anos de esforços de organizações ambientalistas e populações locais, começou a haver algum debate público sobre o programa nacional de barragens (PNBEPH).Em prol da verdade, vale a pena desmontar alguns argumentos que a propaganda oficial e articulistas mal informados têm vindo a atirar para a arena mediática.

Argumento ridículo 1 – “O investimento é privado.” O investimento inicial nas nove grandes barragens apro­vadas pelo Governo ascende a 3600 M€, o que, somado aos custos financeiros e ao lucro das empresas de elec­tricidade, gerará um encargo global estimado em 16.000 M€ ao longo de 75 anos – que obviamente será pago na totalidade pelos cidadãos-consumidores-contribuintes. Parte deste custo será reflectido na factura da electricida­de, e parte nos impostos, para suportar o défice tarifário e a “garantia de potência” estabelecida na Portaria n.° 765/2010. O que importa é que, entre tarifa e impostos, as novas barragens implicarão um aumento superior a 10% no custo da electricidade. [Read more…]

Para Melhor Muda-se Sempre

Mudar…

“Caro Cliente:

 Queremos agradecer-lhe a sua confiança por tratar dos seus assuntos através do nosso Escritório On-line. Os dados foram recebidos correctamente e estão a ser processados. Se por qualquer motivo os nossos agentes precisarem de o contactar, fá-lo-ão através desta direcção de correio electrónico ou do número de telefone que nos forneceu.”

Um endereço muito significativo

Já não é o que está na notícia, mas corre pelo facebook que já lá esteve. E se não aconteceu, bem podia ter acontecido…

 

Quanto Mais Me Batem…

O Jornal de Notícias diz que Portugal terminou 2010 com uma inflação de 1,4%, perante uma média da zona euro de 1,6%.

A EDP vai aumentar a electricidade 3,8% em 2011 e António Mexia “alerta para fim do crescimento baseado na energia barata“.

Isso, energia barata! – com um aumento de preço “legal” quase três vezes acima da inflação e num ano em que os salários vão baixar abruptamente. Energia cada vez mais barata…! Sinto-me um pouco baralhado. Ou isso ou estão a fazer de mim burro… que os carregue.

Águas… Totalmente… Controladas

Naquele Tempo, ouvia-se dizer que a electricidade não se dá bem com a água. Isso era dantes!

As empresas que não fazem sentido *

*Sábado , Gonçalo Bordalo Pinheiro

Qual é o sentido de o Estado ser o principal accionista da EDP, decidir um aumento de electicidade cinco vezes superior à inflação, muito acima da média da UE, e pagar o maior ordenado a um CEO em Portugal? E ter lucros de milhões?

Qual é o sentido da Galp praticar preços mais elevados do que a concorrência privada? Qual é o sentido de pagarmos o segundo gasóleo mais caro da UE e sermos o quarto com a gasolina mais cara?

Qual é o sentido de pagarmos a electricidade 2,2 vezes mais cara do que o resto da UE quando o nosso poder de compra é inferior 31%?

Qual é o sentido de o Estado patrocinar empresas que promovem a maior desigualdade social entre funcionários e gestores?

Qual é o sentido de o Estado ter empresas participadas que pagam acima do mercado, cobram acima do mercado e se comportam acima do mercado?

Qual é o sentido de o Estado ser um mau exemplo de gestão e um péssimo caso de justiça?

PS: É isto que se discute quando se fala de empresas públicas ou para-públicas, ou participadas. É mais sério privatizar tudo e não andarem a tomarem-nos por lorpas! Nestas condições qualquer pateta é capaz de dirigir uma empresa! Mexia ,ganha mais que os CEOs da Microsoft, da Goldman Sachs ou do Citigroup, gigantes internacionais que operam em mercados concorrênciais. Então porque ganha tanto ? Porque os accionistas, em lado nenhum da Terra, têm taxas de lucro tão elevadas como nas empresas públicas. E nós pagamos tudo! As razões dessas taxas de rentabilidade absurdas, algumas, estão aí em cima!

Seja um empreendedor Dr. Mexia!

Se é justo porque será que nós portugueses pagamos a electicidade mais cara da Europa?

É que a empresa que dirige é um monopólio, ou perto disso, faz o que quer e sobra-lhe tempo. Nestas condições, o que se esperava, é que o preço da electricidade baixasse, ao menos para o nível  das suas congéneres europeias já que cá em Portugal não tem com quem se comparar.

Mas mesmo que a EDP fosse um caso exemplar a que título é que ganha 8 000 euros à hora e não ganha 10 000? Ou vinte mil? Ou 5 mil ? ou  mil? O seu vencimento foi -lhe atribuído porque quem lho pode atribuir ganha muito mais do que ganharia se estivesse num mercado competitivo, concorrêncial e onde não convivesse com todas as mordomias que o estado concede à sua empresa.

Mas há uma maneira honesta e séria de saber se ganha ou não um vencimento justo. Saia da empresa e permita que o seu sucessor transforme aquela empresa de categoria mundial, numa empresa de vão de escada. Já viu o que seria todo um povo a pedir-lhe para voltar?

E, entretanto, vá para um país a sério, que não tenha 2 milhões de pobres, um país onde as regras são iguais para todos, onde a sua empresa pode falir ou pode mudar de mãos mais rapidamente do que o tempo que demora a contar o dinheiro ao fim do mês. Enfim, um país que não seja o mais injusto da UE, onde a diferença entre o que ganha e o que ganham milhões de outros seres humanos, não seja a maior de todas.

Ou então, Dr. Mexia, em vez de se deitar numa cama feita por muitos antes de si, tenha uma ideia inovadora, arranque com uma empresa do zero, detecte um produto ou um serviço de que ninguem se lembrou, arranje mercado, resolva os problemas técnicos, durma mal porque tem que pagar aos fornecedores, enfim seja um empreendedor. É uma pena que um homem com as suas capacidades que merece ganhar um vencimento obsceno, se perca numa empresa que qualquer um é capaz de gerir.

Vá para fora, Dr. Mexia ! A glória, espera-o !

Chavez a correr para o abismo

A Venezuela, país de petróleo, não tem água nem electicidade.

 

O culpado é El Niño, uma corrente de água quente que atravessa o Atlântico e que tem uma profunda influência no clima, diz o presidente Chavez.

 

Racionar a água e a electricidade é para já o caminho, aumentar o preço, porque as barragens que se não fizeram não são solução a curto prazo.

 

O apoio a Chavez começa a tremer, já há vozes a dizerem que o governo não faz o trabalho de casa. Entretanto, na velha tradição dos homens providenciais, Chavez arranja inimigos externos, para distrair as atenções dos problemas internos e reforçar a coesão.

 

Agora é a Colômbia de onde vem parte da electricidade, o inimigo escolhido.

 

Qual será a próxima  solução Chavez?

%d bloggers like this: