Vinha de Felgueiras

Há oito dias, decorreu em Custóias – Matosinhos – um debate organizado pela Junta de Freguesia que pretendia debater o papel dos partidos na crise actual. O evento foi moderado pelo presidente da Junta organizadora e foram convidados membros de todos os partidos com assento parlamentar. Pelo PS esteve um jovem bastante confuso, cujo nome me escapa e que não conheço, pelo PSD esteve Vinha da Costa, pela CDU esteve José Pedro Rodrigues – ambos candidatos à Câmara de Matosinhos -, pelo Bloco disseram que estariam mas não estiveram e, no CDS, ninguém respondeu.

Do PS, a única coisa que retive foi que o seu representante tinha Marx no coração – está descoberto o segredo, é no coração que o PS guarda Marx. E o coração, minhas senhoras e meus senhores, é fundamental para viver o amor platónico. Um amor impossível, como a realidade demonstra, não correspondido, como prova a prática do PS. E sobre os afectos e o PS estamos conversados.

Da parte da CDU veio a responsabilização da autarquia e dos sucessivos governos do país por uma tentativa de descredibilização dos partidos, tomando todos como iguais e a parte pelo todo. Aqui, convergiram PS e PSD. O primeiro erro daquelas pessoas foi primário: referirem-se à sociedade como sendo exterior aos partidos, como se um militante de um partido não fizesse parte da sociedade, ou como se a sociedade pudesse subsistir sem partidos – sim, venham de lá Bakunine e Proudhon. O distanciamento reflectido nas palavras que tem o paralelo com a realidade. E isso percebe-se quando há partidos que estão longe das populações e das pequenas grandes questões que fazem a diferença, seja o encerramento dos CTT, seja uma paragem de transporte sem abrigo para quem dela usufrui.

No entanto, a grande revelação veio de Vinha da Costa e passou mais ou menos despercebida.Primeiro, a rejeição do PSD pelo legado dos seus governos, atacando a desindustrialização do concelho de Matosinhos, um dos que mais sofreu com a ideia transmitida por PS, PSD e CDS que era possível sobreviver sem trabalhar, através da entrada na UE.

Depois, o grande momento: Vinha da Costa era deputado da Assembleia da República quando rebentou o caso Fátima Felgueiras. Segundo o próprio, terá sido mesmo ele a denunciá-lo. Não sei. Se foi, fez bem. O candidato do PSD aproveitou para revelar que, nessa altura, recebeu uma chamada de um autarca do PSD a dizer-lhe que era desnecessário ter levantado a questão, uma vez que todos têm estas pequenas coisas. Ora, o caso de Felgueiras estava longe de ser uma pequena pequena coisa, tendo levado mesmo a antiga presidente à fuga para o Brasil.

Vinha afirmou que pediu então ao autarca que lhe desse os papéis que ele imediatamente os faria chegar à justiça, porque não tolera a corrupção.

Ficam aqui duas questões:

Qual o nome do autarca que revelou ao deputado supostamente justiceiro do caso de Felgueiras que também tinha sacos azuis?

Sendo veementemente contra a corrupção, por que não fez chegar ao Ministério Público a informação de que lhe havia sido dito por um presidente de Câmara que cometia irregularidades na sua autarquia?

Comments

  1. adelinoferreira says:

    É caso para dizer em relação ao PS:
    “ODEIO O AMOR”

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.