O grande vencedor do Domingo passado

[youtube http://youtu.be/qCcgjh4cmd8]

Aprendi a gostar de ciclismo com o avô, mais depressa que a andar de bicicleta, assunto que nunca correu bem. A Volta é no Verão, pela rádio e pelo Século seguíamos o desporto que era muito dele não apenas pelas vitórias do seu Sporting: violento, duríssimo, mas simultaneamente reservado ao sucesso de gente com grande cabecinha a pedalar.

Ciclismo é desporto do povo mais do que popular, do povo que tinha na pasteleira o que é hoje um Clio e entretanto foi uma Casal, mais rural que urbano, camponês e operário. Com os meus amigos das férias na aldeia construíam-se pistas em terra batida a sacho e à mão, com pontes de fazer inveja ao Edgar Cardoso, prémios da montanha de primeiríssima categoria, onde as caricas convenientemente vestidas com nas cores dos clubes em papéis afanosamente procurados, escritos os nomes e os números dos nossos heróis, faziam à conta de calos no dedo médio a simulação possível; sim, fomos nós que inventámos os jogos de computador muito antes de alguém imaginar sequer que um dia haveria um tal de spectrum.

Assim o meu primeiro herói desportivo não foi o Eusébio, nem o Carlos Lopes, mas o Joaquim Agostinho, com quem sofria na montanha e me deliciava no contra-relógio. Para as coisas correrem bem faltava este Rui Costa todo o terreno. Um dia o Tour será teu, pá, e soltaremos as lágrimas que sobraram depois de um cão se atravessar na estrada onde se quedou o teu antecessor.

Teres vencido este altar no dia em que no mais anti-ciclista dos desportos outro português conquistou um feito (e parabéns, João Sousa) foi uma coincidência que decerto mereceria um gin-tónico ao Mário Henrique Leiria. Durante o resto do Domingo os portugueses entretiveram-se a dar uma chapada na tromba da Merkel, e seus intermediários locais. Saía um gin com pouca tónica, um copo de 3, ou mesmo um café e um bagaço. Há dias quase perfeitos.

Comments


  1. E como se chama o ciclista português que foi pela 1ª vez fazer não sei quê no deserto (USA) e foi vencedor ?? gostava de me recordar mas não consigo – creio que foi também este ano essa “maratona” de que nunca ouvira falar


  2. Sabem que houve uma unidade do exército – “Os Ciclistas” – não sei se nas Caldas da Rainha se em Santarém (de infantaria claro)

  3. António André says:

    Nada há de mais entusiasmante no mundo desportivo, que andar de bicicleta. Agora que menos posso, vibro com as pedaladas dos outros, e que pedaladas?


  4. “com o avô…”
    Mas que chique!


  5. Calma “meu”…

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.