Quantas mais vezes terá que vencer Rui Costa para ser destaque na imprensa portuguesa?

É português, é um dos desportistas mais consagrados do desporto português da actual geração, já foi campeão do mundo de estrada (foi o único português a conseguir o feito), já venceu por 3 vezes a geral da prova que serve de antecâmara ao Tour de France, a Volta à Suiça, já venceu etapas no Tour entre outras vitórias em etapas em várias provas, e anda sempre a lutar pelas vitórias nas clássicas da primavera, em especial, na Flèche Wallone, na Liège-Bastone-Liège e na Amstel Gold Race. É chefe-de-fila absoluto das equipas por onde passa há 4 anos.

Ontem, Rui Costa voltou a vencer, desta feita na Volta à Abu Dhabi, prova categorizada como World Tour (a categoria máxima do ciclismo mundial) na média montanha, derrotando a nata dos trepadores da actualidade, ou seja, Contador, Aru, Quintana, Dumoulin, Zakarin, Samuel Sanchez, Bauke Mollema, entre outros, arrebatando a liderança da prova. O que é que o ciclista português terá que fazer para ser primeira página de um jornal português?
[Read more…]

Temos campeão

Final da última etapa da Volta à Suiça, terceira vitória de Rui Costa, preparando-se agora para o Tour.

É este ano, acredito, que o 3º lugar de Joaquim Agostinho em 1978 e 79 merece ser atacado, o nosso recorde mundial no ciclismo de estrada pela pedalada do agora campeão mundial.

Há desportos, populares, onde até somos campeões do mundo, o que há é menos gente a dar por isso.

A meta

rui costa
Rui Costa vence o Campeonato Mundial de Estrada 2013, foto Reuters

O grande vencedor do Domingo passado

[youtube http://youtu.be/qCcgjh4cmd8]

Aprendi a gostar de ciclismo com o avô, mais depressa que a andar de bicicleta, assunto que nunca correu bem. A Volta é no Verão, pela rádio e pelo Século seguíamos o desporto que era muito dele não apenas pelas vitórias do seu Sporting: violento, duríssimo, mas simultaneamente reservado ao sucesso de gente com grande cabecinha a pedalar.

Ciclismo é desporto do povo mais do que popular, do povo que tinha na pasteleira o que é hoje um Clio e entretanto foi uma Casal, mais rural que urbano, camponês e operário. Com os meus amigos das férias na aldeia construíam-se pistas em terra batida a sacho e à mão, com pontes de fazer inveja ao Edgar Cardoso, prémios da montanha de primeiríssima categoria, onde as caricas convenientemente vestidas com nas cores dos clubes em papéis afanosamente procurados, escritos os nomes e os números dos nossos heróis, faziam à conta de calos no dedo médio a simulação possível; sim, fomos nós que inventámos os jogos de computador muito antes de alguém imaginar sequer que um dia haveria um tal de spectrum. [Read more…]

Le Portugal au top

Hoje, no L’Équipe.

le portugal au top

Ainda há heróis

Parabéns Rui Costa.

Cuidado, Rui!

rui costa
Rui Costa obteve mais uma fulgurante vitória em alta montanha na Volta à França que agora decorre.

Por muito entusiasmante que isso seja, deixe-me recomendar-lhe cautela, ó Rui. É que se continua nesses preparos ainda acaba a ser condecorado pelo Cavaco e a dar protocolares abracinhos ao Passos e ao Portas. Desculpe introduzir este momento de terror na sua festa, mas sempre o vou avisando: se continuar a ganhar etapas, fique aí por França uns tempos e não atenda telefonemas duvidosos.

Se vier a Portugal, faça-o na clandestinidade. Se não souber como se faz, posso apresentar-lhe alguns especialistas na matéria..

Rui Costa entra em “blackout”

Imagem da última conferência de imprensa de Rui Costa

O ciclista Rui Costa, vencedor da Volta à Suíça, resolveu deixar de fazer declarações à imprensa. O facto de a mesma imprensa o ter ignorado facilitou muito o blackout.

Em círculos mais próximos do velocipedista, ficámos a saber que Rui Costa procurará, em próximas ocasiões, imitar os futebolistas da selecção nacional, ficando irritado quando uma prova lhe correr mal e os jornalistas escreverem expressões como “a prova correu mal a Rui Costa”. Para além disso, procurará, ainda, reforçar essa imitação, evitando ganhar qualquer prova internacional importante.

Coisas sem qualquer importância


Dizem que num desporto a que os portugueses não ligam nenhuma, o ciclismo, pela primeira vez um indígena ganhou uma competição de alto nível, a Volta à Suiça (um país quase inacessível localizado no coração de África). A vitória de Rui Costa não teve cobertura na nossa comunicação social dadas as dificuldades, compreensíveis numa altura de crise, em deslocar jornalistas para tão remotas paragens.

Dicionário do futebolês – remate intencional

Imagine-se: um jogador, num dos raros momentos em que, por mérito próprio ou demérito alheio, tem alguns segundos para escolher o lado para onde vai rematar e lança a bola em arco ao poste mais distante. Seja golo ou não, há fortes probabilidades de o comentador de serviço considerar que se tratou de um “remate intencional”.

A partir do momento em que a expressão “remate espontâneo” teve direito à vida, na outra face da moeda teria de estar, logicamente, o “remate intencional”. Forças de expressão, já se sabe: na primeira, por absurdo, pretende acentuar-se a rapidez do movimento; na segunda, sai reforçado o facto de o gesto ser mais elaborado, graças ao aumento improvável do espaço e do tempo, dois factores reduzidos ao mínimo no futebol moderno, feito de pressões constantes e marcações ferozes. No meio desta selva em que vinte e dois homens se combatem numa mesma trincheira diminuta, é precioso aquele jogador que consegue pensar mais depressa, suscitando o comentário que define os melhores: “Parece que é fácil!”

Inspirando-nos em Orwell, o que nos permite aceitar mais facilmente o absurdo, poderemos dizer que todos os remates são intencionais, mas uns são mais intencionais que os outros. No vídeo que se segue, há remates e passes intencionais com fartura, ou não tivesse sido Rui Costa um jogador com tão boas intenções.