O Orçamento do Estado para 2014 é um embuste

OE2014

© Rodrigo Gatinho (http://bit.ly/H7yURH)

Depois do descalabro dos dois Orçamentos do Estado (OE) anteriores (2012 e 2013), só uma generosa dose de repugnância impedirá qualquer cidadão português alfabetizado de conter uma sonora gargalhada, perante o aviso “texto escrito ao abrigo do novo acordo ortográfico”, inscrito num documento oficial do Governo português, neste caso, no Relatório do OE2014 — a propósito, valerá a pena repetir que “Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990 é o nome da coisa”?

Em Portugal, não nos esqueçamos, quem determina a ortografia a aplicar “no sistema educativo”, “ao Governo” e “a todos os serviços, organismos e entidades na dependência do Governo” não somos nós, aqui muito sossegados e entretidos a ler este texto: quem determina a ortografia é o Governo — confesso que cada vez mais me parece judicioso deixar de se confiar ao Governo a determinação de uma ortografia a aplicar seja onde e a quem for, tendo em conta a crónica inaptidão, reiteradamente demonstrada pela autoridade, para aplicar aquilo que tão assertiva e sobranceiramente se dispõe a determinar.

Só quem andar profundamente distraído poderá aceitar que um texto como o deste Relatório – com “medidas de carácter fiscal” e “medidas transversais de caráter fiscal“, “medidas sectoriais” e “medidas setoriais” ou “expectativa de manutenção das taxas de juro” e “expetativa do valor futuro” – foi redigido “ao abrigo” de um instrumento que regula uma ortografia.

Apesar de tudo aquilo que tenho visto por aí, confesso a minha perplexidade perante fenómenos como o do “fato de ser intenção da tutela” (sim, na página 163 do Relatório).

Só quem sofrer de distracção crónica poderá acreditar que um texto com, apesar de tudo, excelentes exemplos de palavras em ortografia portuguesa europeia, como direcção, acçãoprotecção, reflectem, activo, subfacturação, Janeiroelectrónica, colecta, respectiva, Junhocolectivos, afectas, Julhodirectos, indirectos ou efectiva, se encontra “escrito ao abrigo do…”. Esperem, perdi-me. Ao abrigo de quê?

Desejo-vos um óptimo fim-de-semana.

Comments

  1. sinaizdefumo says:

    Fosse o embuste por isso e estávamos safos. Incompetentes até a escrever.

  2. anasir says:

    Ainda estão mais baralhados do que o comum dos portugueses… Valha-nos a Santa Engrácia…


  3. Excelente texto. Excelentes observações!
    Só uma achega, dizer “ortografia portuguesa europeia” é uma espécie de pleonasmo, porque, aqui, “portuguesa” se refere unicamente a Portugal, país que se vê impossibilitado de ser africano, sul-americano ou asiático, por meras contingências geográficas! 🙂

Trackbacks


  1. […] como escrevi há um ano, só uma generosa dose de repugnância impedirá qualquer cidadão português alfabetizado de […]


  2. […] 2 –  Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990 é o nome da coisa. […]


  3. […] há praticamente um lustro, como se perceberá através de leitura atenta dos sucessores OE2013, OE2014 e OE2015. Quanto ao OE2016, aguardemos com […]


  4. […] com toda a razão. Contudo, os OE de Passos Coelho (2012, 2013, 2014, 2015) também estavam «completamente mortos na sua credibilidade técnica». A solução, já […]


  5. […] 2 – Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990 é o nome da coisa. […]


  6. […] de duvidosa qualidade técnica. Aliás, na senda daquilo que aconteceu com o OE2012, o OE2013, o OE2014, o OE2015 e o […]


  7. […] orçamento é um mau orçamento». Contudo, os orçamentos de Passos Coelho (OE2012, OE2013, OE2014, OE2015) não foram melhores do que o OE2016 e o “mau orçamento em apreço”: o […]


  8. […] da ruptura desejada, em relação ao desaste orçamental iniciado em 2012 e continuado em 2013, 2014, 2015, 2016 e 2017, este texto de 2018 é mais do mesmo, como se prevê, ao ler a eletricidade […]


  9. […] Todavia, já que estamos a falar sobre este assunto, também no OE2017, no OE2016, no OE2015, no OE2014, no OE2013 e, claro, nesse momento fundador, no […]


  10. […] o mau hábito instalado nesta casa desde 2012 (cf. OE2012) e continuado em 2013, 2014, 2015, 2016, 2017 e 2018. Porquê desde 2012? Exactamente pelo mesmo motivo de o Diário da […]

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.