É preciso aprender a escrever

Vítima de lirismo precoce, Vítor Cunha encerra o poema com “É preciso ireis [sic] todos para a podre gruta maternal de onde em má hora fostes paridos.”

Comments


  1. Parece-me que lhe falhou qualquer coisinha à saída da gruta. Ele precisa. Ele quer. Dêem-lhe a gruta!

Trackbacks


  1. […] qualquer *redação [ʀɨdɐˈsɐ̃ũ̯]. Porquê? Porque a TVI não tem *redação. A vida (como determinadas regências) é extremamente simples. Tomai esse*fato em conta. Fato? Hoje? No sítio do costume? […]


  2. […] revela-se agora poeta, enfrentando com ambição a sintaxe, como o António Fernando Nabais reparou. Ora, perante as dificuldades em mudar num ápice a gramática, o nosso engenheiro não foi […]

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.