PPPedro PPPassos Coelho

PPP Passos Coelho

 

Imagem@Uma Página Numa Rede Social

Tenho saudades da heróica cavalgada laranja contra a encarnação do mal que foram um dia as PPP. No tempo em que mentia diariamente aos portugueses sobre o ilusório novo mundo sem aumentos de impostos, sem cortes de pensões ou subsídios e sem venda de “anéis”, o então líder do PSD referia-se aos prejuízos acumulados por empresas públicas e às facturas a pagar pelo Estado como “esqueletos num armário que se chama PPP“.

Ora ficamos esta semana a saber que Passos Coelho se prepara para encher esse armário com 13,6 mil milhões de euros de potenciais novos esqueletos. Segundo a imprensa nacional, o governo terá enviado para Bruxelas uma lista de 113 projectos estratégicos, que no total ascendem a 31,9 mil milhões de euros. E apesar de menos de um quarto destes projectos corresponder a parceiras público-privadas (24 no total), o valor a alocar aos mesmos ascende a quase metade do bolo (43%).

É também interessante verificar que, dos restantes 89 projectos submetidos à análise da Comissão Europeia, 41 são de cariz exclusivamente privado, não deixando contudo de ser contemplados com 11,3 mil milhões, cerca de um terço do total da nossa fatia do plano Juncker. Com os “restos” ficam os projectos de natureza pública, que nem por acaso são a maioria (48) mas recebem a fatia mais fininha: 6,9 mil milhões de euros. Olhando para estes números, fica a sensação que a escala de prioridades deste plano coloca os investimentos onde habitualmente se privatizam lucros e nacionalizam prejuízos no topo, seguidos de perto pelo sector privado para, no fim da cadeia alimentar, lá se arranjar uns 22% do valor total para investir em projectos puramente públicos. Uma escala de prioridades que é o reflexo da acção deste governo.

Só o tempo nos dirá no que irão dar estas PPP’s. É possível que, tal como no passado, algumas sejam bem sucedidas, e outras, infelizmente a maioria, acabem por se traduzir em mais um assalto fiscal aos bolsos dos portugueses que, ao contrário do primeiro-ministro, não têm hipótese de se esquecer de pagar contribuições. Mas verdadeiramente interessante será à inversão de papéis quando ficarmos a saber quais destas PPP’s se revelaram um enorme prejuízo para o Estado e o PS encarnar o papel até então desempenhado por PSD e CDS-PP para lhes esfregar isso mesmo na cara. Nós assistiremos com emoção e a culpa, essa malvada, morrerá, como habitualmente, solteira.

Comments


  1. É necessário deixar fluir o dinheiro para que algum dele vá parar aos bolsos dos nossos actuais governantes. As PPP`s são um veículo prioritário desse fluir. Consequentemente, não me espantará que a cela da Cadeia de Évora, presentemente ocupada por um tal Sócrates, passe a breve trecho a ter novo inquilino: Passos Coelho.


    • Espero sinceramente que a prisão de Évora venha em breve a ser alargada por falta de espaço para albergar lixo político. Ora aí está uma PPP que eu apoiava de forma incondicional.


  2. nunca depois do 25 de abril de 74 se assistiu a tamanha falta de respeito para com os contribuintes P Q OS P:

Trackbacks


  1. […] um ministro laranja que acabou a presidir à empresa. Seria um socialista disfarçado? Já agora, e estas PPP’s anunciadas na semana passada por Passos Coelho? Devem ser todas […]

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.