Chegaram os bombeiros

Do Facebook da Areal Editores:

Hoje, dia 21 de maio, surgiram nas redes sociais considerações menos positivas sobre um exercício de Física que envolvia um gato que era largado de uma varanda, num caderno de atividades por nós produzido.
Temos de reconhecer que concordamos convosco, no que respeita à infelicidade do exemplo apresentado: é um exemplo infeliz, que em nada se coaduna com a nossa postura, e que passou despercebido às várias pessoas que produziram e reviram o texto.
O ser humano, por melhor que possa ser, também erra. Importante é que o erro cometido possa contribuir para melhorar tudo o que fazemos. As nossas desculpas são extensíveis a todos.
Podemos garantir que tal exemplo já não constará da versão que será disponibilizada aos alunos.
Obrigado pelo vosso contributo para a melhoria do nosso trabalho.

Publico isto porque escrevi isto. Lá vieram as relações públicas despejar o extintor sobre as chamas provocadas pela ausência de revisão científica e pedagógica dos manuais, feita por quem a deveria fazer.

Onde está o erro sistémico, estrutural, que não este, verdade se diga mais um episódio de uma saga? está na forma como os manuais escolares são adoptados em Portugal, no duopólio das editoras escolares, na impossibilidade de um disparate ser detectado a tempo, não existissem facebooks e blogues.

Sobre isso, porque tenho de votar na adopção de um manual escolar, tentarei fazer um desenho por estes dias, para que todos, sobretudo os pais que os pagam, percebam que mais uma vez temos o estado agachado perante o poder económico, e a mediocridade. Um desenho a partir dos manuais de História, que a Física não é a minha praia, e o que escrevi foi uma reacção de quem gosta de gatos, e muito pouco de cães.

Comments

  1. Ernesto Martins Vaz Ribeiro says:

    Independentemente de outros comentários que João José Cardoso faz, a verdade é que o post que publicou trouxe à ribalta muitas outras questões, numa espécie de movimento das cerejas quando se tira uma de um cesto delas.
    Mas deixo ficar aqui uma reflexão sobre o texto primordial que o João José Cardoso publicou e que já abordei numa resposta que dei a outro leitor.
    Mas esta gente saberá o que é a pedagogia?
    Digam-me, por favor, se o exemplo do gato tem algo de pedagógico,
    Manifestamente aqueles dois professores (penso eu) vivem numa bola, de onde vêem um mundo governado pelo momento cinético e pela Lei da Atracção Universal de Newton, independentemente dos actores.
    A este tipo de gente (temos muitos, sobretudo no governo) chamo de “analfabetos funcionais” ou seja, pessoas para quem o meio, não conta, apenas as suas ideias e as suas teorias. Saindo fora desta casca, são um desastre discursivo.
    Se aquela gente se dedica à nobre arte de formar jovens e adolescentes com exemplos daqueles … provavelmente começamos a compreender muita coisa que nos rodeia.
    E desculpem-me puxar este assunto, mas o “discurso das vaquinhas” do sr. silva, sai exactamente de um analfabeto funcional onde a palavra pedagogia, não tem lugar, pois aqui pensa que está a falar para atrasados mentais.

  2. Reblogged this on O Retiro do Sossego.

  3. Anti Coelho says:

    Essa de não gostar de cães era escusada…

  4. João Soares says:

    O meu cão quis comentar mas eu não permiti.

  5. Mário José Santiago says:

    Tanto desperdício de prosa por causa de uma escolha infeliz do animal. Tivessem os autores optado pelo coelho e ninguém se importaria que fosse lançado do alto do maior arranha-céus, com uma pressão de 5 toneladas sobre ele…

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.