A caminho da nova ordem mundial

NWO

Doutrinar e “reeducar” as massas para um novo paradigma político e social pode revelar-se uma tarefa árdua, um processo demorado que não será concluído no espaço de poucos anos. As declarações do eurodeputado social-democrata Paulo Rangel na Grande Conferência do JN “Por Portugal” são ilustrativas de um processo em curso que consiste em libertar faseada e delicadamente informação que permita a gradual interiorização de um futuro decidido no passado.

A expressão “Nova Ordem Mundial” costuma criar muitos anticorpos. Por um lado temos aqueles que defendem que a simples junção destas três palavras configura uma incursão pelo mundo fantástico das teorias da conspiração, por outro temos aqueles que ao tema adicionam cultos demoníacos e sacrifícios de seres humanos acabando por contribuir para descredibilizar a discussão. Contudo, algumas das mais famosas teorias da conspiração acabaram por se revelar verdades amargas. Bons exemplos disso são o naufrágio “inesperado” do Lusitania, o incidente da Baía de Tonkin e, mais recentemente, o inside job de Petro Poroshenko, informador norte-americano convertido em presidente da Ucrânia.

A verdade é que, e olhando apenas para a realidade europeia, o poder dos estados-membros é cada vez menor ao passo que as instituições burocráticas que comandam a UE ganham mais preponderância nas equações que decidem o futuro comum dos europeus. A negociação semi-secreta do TTIP é o exemplo perfeito de uma decisão eminente que poderá condicionar violentamente as nossas vidas sem que os Parlamentos nacionais, ainda que o quisessem, pudessem ter voto na matéria. Será que o dia chegará em que nada possamos fazer para evitar a dissolução dos estados que integram a UE em detrimento de um superestado europeu que acaba definitivamente com as raízes culturais e identitárias do Velho Continente?

Voltando a Paulo Rangel, convidado por Francisco Pinto Balsemão para o sempre polémico e misterioso encontro Bilderberg em 2010, vale a pena olhar para algumas das declarações proferidas na passada semana na conferência do JN:

O nosso mundo mudou. Isto não é um problema de políticas, mas um problema de mudança de paradigma. Os governos, os parlamentos já não têm capacidade de resposta para os problemas, pois os problemas têm uma dimensão trans-territorial. O Estado já não tem o monopólio do poder e da legitimidade (…) Os votos valem hoje menos do que valiam no passado. As fórmulas políticas também morrem e há-de chegar um dia em que não vai haver Portugal. Isto pode parecer dramático, mas é real. Vai haver um dia em que não vai haver portugueses.

Aviso à navegação: Rangel sabe do que fala. Caminhamos a passos largos para um modelo federativo no qual os estados de hoje serão as regiões de amanhã, onde apesar de tudo a região Alemanha terá sempre mais poder e preponderância que regiões como Portugal. O poder e a legitimidade dos estados irão desvanecer-se e o voto dos portugueses, qualquer que seja o modelo eleitoral implementado, terá uma expressão residual que o aproximará da irrelevância. Resta saber se o aceitaremos ou tentaremos contrariar. Aqui poderá parecer apenas uma teoria da conspiração mas em Bruxelas a história é já muito diferente. Não é à toa que no poderoso Reino Unido assistimos hoje a um afastamento da União Europeia. Eles sabem, tal como Paulo Rangel, aquilo que nos espera. Quanto a nós, basta-nos aguardar, serenos e iguais a nós próprios, pelo dia em que a nossa nacionalidade seja abolida por um qualquer tratado europeu negociado pelos burocratas desta vida. Já faltou mais.

Comments


  1. A questão mais importante do nosso tempo. Quem não perceber isto não percebe nada do que se está a passar na Europa e no mundo. Abolir os estados nação para destruir a democracia, eis o programa das poderosas elites da globalização, o objectivo final da crise, desta e das próximas que já estão a ser cuidadosamente preparadas.


  2. Ao pensar no que os nossos lideres fizeram, na Madeira, Lisboa ou pelo país todo com endividamentos criminosos a pagar no futuro; ao pensar nas leis anquilosadas que só são alteradas pelas directivas de Bruxelas , parece-me que os receios são mais uma esperança de melhoria. Veja-se o silencio que os media fazem da maioria dos assuntos que se decidem lá fora, e que os capangas nacionais querem fazer crer obra suas para percebermos as historias sobre o comportamento dos maiorais das herdades.

  3. gang says:

    Divulguem, pela primeira vez dois documentos de Serge Monast são disponíveis em língua portuguesa, nem em inglês existem, são factos verificáveis até agora, não é fantasia tipo ovnis. Copiem e colem á vontade:

    http://gangdaervilha.blogspot.pt/2015/07/protocolos-de-toronto-nova-ordem-mundial.html

    http://gangdaervilha.blogspot.pt/2015/02/projecto-aurora-vermelha-de-serge-monast.html


  4. Fique pensando será que a ONU é o caminho para a nova ordem? Pelo que notamos atualmente é muito provável que sim.

Trackbacks


  1. […] de Durão, a existir, nunca chegará a tanto. Para além de que importa manter a maior parte dos ainda portugueses na ignorância. Eles não iam […]

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.