«Refugiado é uma palavra

com conotação dramática evidente, por vezes trágica, que em migrante se dilui quase por completo. Refugiado lembra a responsabilidade ocidental no caos, migrante quase só parece da família de ‘piegas’. »
Ana Cristina Leonardo, no Expresso de 29 de Agosto de 2015 (crónica lida aqui)
11221820_742024635905978_8405722239171735839_n

Comments

  1. Desaventado ma non troppo says:

    Um migrante foge à morte lenta da fome ou da falta de oportunidades, o refugiado foge à morte rápida da fome ou das balas.

    Já agora, na lovilíngua do Aventar, a censura passou a chamar-se moderação.

    Já agora, quem me apagou o meu último comentário neste seu texto ?

    • Sarah Adamopoulos says:

      Por que anda a replicar os comentários e a comentar num post meu algo com que nada tenho a ver? Ainda por cima anonimamente?

  2. Sarah Adamopoulos says:

    Não entendo a relação que estabelece entre o anonimato e aquilo a que chama censura. Não tenho, por outro lado, e ao contrário do que talvez pense, responsabilidades nas escolhas de gestão dos comentários. Percebo, ainda assim, que a moderação se torne necessária, pela presença de anónimos como o senhor (ou a senhora), que enchem as caixas de comentários de insultos e outros excessos.

  3. Reaventado trollolo says:

    Cara Sara

    Entenda, pelo menos, que admiro-a e respeito-a demasiado para lhe responder à letra.

    Se ler os escritos e comentários do seu colega no Aventar, o inominável Cardoso, verá de quem também partem os insultos
    e os “excessos” de linguagem (que cheirinho a Estado Novo pela manhã).

  4. Sarah Adamopoulos says:

    Peço-lhe que não volte aqui como anónimo. Diga as coisas com palavras de dizê-las sem insultar. Quanto ao cheiro a Estado Novo, olhe que não, caso contrário eu não poderia escrever neste blog.

  5. Reaventado trollolo. Não censurem no Aventar says:

    Cara Sarah,

    Pedido recusado. Não lhe dou o poder de limitar o meu direito ao anonimato. Era só o que faltava.

    Continue a bem escrever e eu a ler e a comentar se gostar ou não gostar,
    se me apetecer, como me apetecer, com “educação” consigo, porque a merece, a meu ver, claro.

    Obrigado pelos seus textos e passe bem.

  6. martinhopm says:

    Excelente excerto, com uma imagem apropriada e balões de fala que resumem, de uma maneira excessivamente clara, o drama destas pessoas. Não a conheço, mas os meus parabéns.
    Posso dar-lhe um conselho? Não perca tempo com certo tipo de comentários. Já agora, um acrescento: «Refugiado lembra a responsabilidade OCIDENTAL…». «Le mot juste seria, em vez de «ocidental», responsabilidade dos EUA, Inglaterra, França e Nato.

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.