Adeus, camarada João José!

Casimiro Simões

Vieste de longe, para perto.
E no aconchego das margens do Mondego, sobretudo a esquerda, a velha e a nova esquerda que viveste por dentro e por fora, embora habitando, é certo, a pé firme e enxuto, a banda direita do rio manso, tão Basófias no tempo estival!

Algures na Alta e na Baixa, entre o Trunfo (Trunfé Kopus, carta na manga das repúblicas de Coimbra), a Rádio Universidade e uma efémera e certeira Lista E (“É pró que der e vier!”).
Um projeto associativo arrojado, de gente culta, livre e libertária, que, embora minoritário na safra dos votos, deixou fundas raízes na Associação Académica de Coimbra.

O bulício estudantil, nos anos 80 do pretérito século de Abril, nunca mais foi o mesmo.
Professor de História, abraçaste a intervenção cultural e política, sempre pela tal margem justa do rio, firme nas causas que foram tuas e que são nossas, bem como na criativa arte de esgrimir ideias pela escrita.

E logo tu, que tão bem soubeste pesar cada palavra redigida, como o oleiro molda há milénios as mais belas peças de barro, as quotidianas e as eternas.
Vais agora para longe, companheiro, sem nunca te apartares do coração daqueles que amam a vida fraterna e o ideal progressista de todos os tempos que nos convoca a toque de caixa e clarim.

Dá lá abraços aos nossos de sempre.
Outro para ti.
Sempre!

Nota – Tenho ideia de teres sido tu um dos culpados de eu ser hoje jornalista. Embora com juros de mora, tenho de te agradecer o teu reconhecimento e o teu incentivo.”

Comments

  1. Ernesto Martins Vaz Ribeiro says:

    Uma bela homenagem caro Casimiro Simões.
    Paz à sua alma.

  2. Rui Moringa says:

    Para quem acredita: Paz à sua Alma.
    Somos, também, Memória.


  3. Gostava do que escrevia!

  4. Nascimento says:

    Mais um grande que nos deixou…nós não deixaremos de lutar em sua memória. Até sempre.