Um super-Estado sem rosto chamado Europa

europe-a-new-superpower-on-the-rise_2010

«A Europa está a transformar-se num continente anti-democrático onde a força conta mais que a lei»

«Na actual arquitectura do poder em Bruxelas, apenas as empresas com implantação global e os lobbies das indústrias multinacionais parecem deter influência. Para os negócios, isso significa que é quase impossível negociar com a Europa, a não ser que o negócio tenha uma mega-dimensão ou haja a intenção de dissolver interesses específicos na agenda de um determinado sector de actividade – negócio que, entretanto, será mediado através de sequências de camadas protocolares. Mas para os cidadãos individualmente considerados é pior ainda. O único poder real de influenciar as enormes estruturas burocráticas da Europa tem de ser expresso através de um de dois canais: o Governo britânico e o Tribunal Europeu. A Comissão não responde perante o Parlamento e o Banco Central apenas parece responder a Angela Merkel. (…) Este problema de poder é de tal ordem que ambos os lados no referendo têm interesse em ignorá-lo. Mesmo saindo o Reino Unido da UE, continuará a ser também um problema britânico que o desequilíbrio de poder entre os povos e as instituições no interior da UE se mantenha. A facção pró-UE parece disposta a tolerá-lo, permitindo que gerações e gerações de europeus venham a viver numa semi-democracia. O verdadeiro poder, entretanto, está nas mãos das grandes empresas, dos bancos e das elites.» [Paul Mason no The Guardian]

Paul Mason é o Editor de Economia do Channel 4 News

A honestidade do PSD/CDS chegou a isto

geradoresUsar para propaganda a obra do Sócrates. E ainda se vangloriar de uma infraestrutura que venderam a outro estado, o chinês.

Marco António: 25 euros por dia

Podemos debitar por crédito bancário? Ou será com o ex-Presidente? Sim, agora percebemos porque não ficou por Gaia – não teria casa da Presidência.

Back to the ‘fatos’ and ‘contatos’

2015

Roads? Where we’re going, we don’t need roads.

Dr. Emmett Brown

***

Como muito bem recorda Jorge Mourinha, 21 de Outubro de 2015, dia emblemático do segundo  Regresso ao Futuro, está aí à porta.

Exactamente: 21 de Outubro de 2015.

Os autores do argumento não sabiam que, cinco dias antes, algures em Portugal, António Costa iria escrever uma carta a Passos Coelho (pdf) com ‘contatos’ (lá mais para a frente, sublinhe-se, aparecem ‘contacto’ e ‘contactos’) — além dos sempre interessantes ‘aspetos‘.
contatos

Zemeckis e Gale não terão previsto que, na antevéspera do dia 21 de Outubro de 2015 (isto é, hoje), se leria o seguinte, no sítio do costume:

dre19102015

De outro modo, o argumento poderia ser ligeiramente diferente:

DOC: Estamos a descer para Hill Valley, Califórnia, são 16:29… de quarta-feira, 21 de Outubro de 2015.

MARTY: 2015? Quer dizer que estamos no futuro.

JENNIFER: Que estás a dizer? Como é que podemos estar no futuro?

MARTY: Jennifer, não sei como te hei-de dizer isto, mas… estás numa máquina do tempo

JENNIFER: E estamos em 2015?

DOC: 21 de Outubro de 2015.

JENNIFER: Então, não estavam a brincar. Marty, podemos mesmo ver o nosso futuro. Disse que iríamos ter um Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa em 1990, certo? Então? Correu tudo bem? Foi óptimo? Foi espectacular? Conseguiu-se a “unidade essencial da língua portuguesa“?

MARTY: Doc! Que raio está a fazer?

DOC: Calma. É um gerador de ritmo alfa para induzir o sono. Não quero que ela veja nem os ‘fatos’ e contatos’, nem a receção e a recepção e a recessão. Ninguém deve saber demasiado do seu futuro. Quando ela acordar, vai pensar que foi um sonho.

GOP

Ao longo dos tempos vários artistas apoiaram e até foram candidatos a cargos políticos pelo Partido Republicano. O actor Ronald Reagan chegou mesmo a ser eleito Presidente. Hoje temos um palhaço apresentando-se às primárias, com boas hipóteses, se acreditarmos nas sondagens…

Levanta a Crista(s), engole um sapo

Cristas A

No telejornal da TVI do passado Sábado, a dirigente do CDS-PP Assunção Cristas era a ilustração perfeita do momento ressabiado e desorientado que a direita radical e ultraliberal vive nos dias que correm. A milhas do seu registo habitual, sereno e austero, a centrista estava visivelmente irritada, falava num tom que roçava o agressivo e repetia freneticamente os sound bites do momento da narrativa simplista pós-eleitoral do PàF: “ganhamos”, “o PS perdeu” e “CDU e o BE são anti-europeus”. Que erecta que estava a crista da Cristas! Cruz-credo!

No meio do histerismo, de forma calculada (ou não), Assunção Cristas acusava António Costa de não ter seriedade ou honestidade intelectual, algo que, vindo de uma fiel discípula de Paulo Portas, não deixa de ter a sua dose industrial de ironia e humor. Contudo, e caso Costa aceite o convite de Passos Coelho para integrar um governo com a coligação, não será difícil para Cristas engolir mais este sapo e passar a partilhar as reuniões do Conselho de Ministros com o líder do PS e mais uns quantos artesãos da bancarrota. Afinal de contas, a corte de Portas é feita de mestres da dissimulação. Ou será que já nos esquecemos que a ministra Albuquerque, que hoje aparece em momentos tão íntimos e sorridentes com o vice-PM, foi uma das razões enunciadas pelo irrevogável para apresentar a sua “demissão” em 2013? De engolir sapos percebem eles. Cair do poleiro, com uma crista tão erecta, é que deve ser mais complicado.

Aeroporto da Portela impróprio para crianças

mas cada vez mais convidativo para adultos. Benefícios da privatização?

Afinal também existem eurocépticos na família política do PàF

caso dos 6 ministros do governo britânico que já pediram a David Cameron para fazer campanha a favor da saída do país da União Europeia. Ou não fossem os tories eurocépticos. Em Portugal, segundo a narrativa actual, seriam comunistas.

Com indiferença, segurança e comprimidos?

luaty
«Não sei como José Eduardo dos Santos dorme à noite. Não sei como Isabel dos Santos dorme à noite. Não sei como milhares de homens e mulheres de negócios dormem à noite. Não sei como o Governo português dorme à noite. E o PCP podia arranjar melhor companhia do que o governo português nesta matéria (…)».
[Alexandra Lucas Coelho no Público]

Pensar o conceito de crescimento

«A esquerda pode e deve ser pioneira na defesa da prosperidade em lugar do crescimento económico. Este conceito prova ser tão mais necessário quanto as desigualdades não param de aumentar, em Portugal e no planeta.»
[«Esquerda e Ecologia», Jorge Pinto, n’O Irrevogável]

“Um governo PSD+CDS e PS não te[ria] nenhumas condições para funcionar”

Pedro Passos Coelho antes das eleições sobre um hipotético centrão (que o radicalismo neoliberal do PàF e o audaz programa do PS seja como for impedem). Mais lembrando PPC que “o modelo económico é diferente”, “o programa económico é divergente” e ainda que “o programa político não é conciliável”.