Números: 2085465<2744576

Estão inscritos para votar 9684922 portugueses. Só 5408092 decidiram expressar a sua opinião. Houve 4276830 que poderia ter ido apoiar a maioria e ficou em casa.

Dos que saíram de casa, 578051 escolheram os partidos “mais pequenos”, ou ficaram pelos votos nulos e em branco. Mais de meio milhão que foi votar e não apoiou a maioria.

Assim, já vamos em quase cinco milhões de portugueses que podiam ter apoiado a maioria e não o fizeram.

Os partidos PaF tiveram 2085465 (um pouco mais de dois milhões, para simplificar a linguagem) e os partidos de esquerda tiveram 2744576 – são 659111 de diferença.

Feitas as contas, houve 7599457 portugueses (mais de sete milhões e meio) que poderiam ter escolhido a Paf mas não o fizeram.

Cavaco Silva até pode ser Presidente. Pode até ter um governo. Mas, para completar a coisa, ao tentar criar uma imensa maioria, acabou por ficar com uma pequena minoria nas mãos – só 21,5% dos portugueses decidiu escolher a PaF o que, para um Presidente eleito com mais de metade dos votos, significa perder mais de metade da sua base de apoio. Ao contrário do mito da direita, a maioria do povo não escolheu a PaF e, como se viu hoje no parlamento, Portugal tem uma nova maioria.

Agora sim. Não temos Presidente. Não temos Governo. Mas, temos uma maioria – a do povo que votou e escolheu recusar a PaF: 7599457! É esta a maioria que tem de nos Governar.

 

 

Um presidente zangado

Ainda não tinha ouvido Cavaco a dizer o que disse. Já conhecia o tom azedo da escrita, mas agora vi-lhe a zanga que lhe vai nas palavras. Cavaco ralhou. Só não espumou porque a declaração não foi longa o suficiente.

Eis, em 18 palavras, o discurso que criou a primeira crise política da presente legislatura.

discurso cavaco indigitação passos coelho

Tanta boca cheia de consensos e estabilidade, para agora ser um catalisador desta enorme divisão na sociedade.

António Barreto e o ódio primário anti-comunista

Barrete

Disse o douto académico, dono de um vasto e brilhante currículo, em entrevista à RTP:

Em 100 anos, nunca vi um partido comunista no poder que governasse com eleições livres, com partidos políticos, com liberdade de expressão, sem exilados, sem presos políticos.

Não admira que tantos à direita elogiem hoje António Barreto, homem que em tempos aparentava ser de esquerda. Que ele não se reveja ou sequer concorde com a ideologia comunista é algo perfeitamente normal. Apesar do ciclone fascista que ontem atingiu o nosso país, creio ainda viver num país democrático onde cada um (ainda) tem direito à sua opinião. Mas choca-me que alguém tão erudito, alguém que se dedica ao estudo sociológico, alinhe neste tipo de discurso sectário, quando o mais certo é serem do seu conhecimento a esmagadora maioria dos exemplos referidos pelo jornalista Paulo Pena no Público, exemplos esses que invalidam por completo a generalização simplista contida na citação transcrita, a soar a sound bite de direita. Será ódio primário anti-comunista? Se não é parece.

Foto@I

Parabéns Cavaco, conseguiste!

Cavaco

A Comissão Política do PS deliberou, com apenas duas abstenções, dar indicações ao grupo parlamentar para apresentar uma moção de rejeição do programa do Governo Passos Coelho. E renovou o mandato para António Costa prosseguir negociações com BE, PCP e PEV. [Expresso]

Pensavas que não sobrava um sapo para ti Aníbal?

Governo ainda não existe e já está a falhar promessa eleitoral

Estimativa de devolução da sobretaxa de IRS cai de 35% para 9%

Gente zangada com a realidade

O Presidente da República fez um discurso de exclusão e a direita aplaudiu. O
Presidente da Assembleia da República fez um discurso de inclusão e a direita assobiou.

Tudo pela nação, nada contra a nação

Cavaco

O Presidente da República tem toda a legitimidade para interpretar os resultados das eleições e tomar as decisões que lhe competem em conformidade com essa interpretação e com a lei. Não me choca, por isso, que Cavaco Silva tenha indigitado Pedro Passos Coelho. Até porque, sejamos sérios, por maior que seja a vontade de PS, BE e CDU de chegar a um entendimento, a verdade é que esse entendimento não foi ainda oficializado e na prática não existe. [Read more…]

Escândalo no Parlamento

O Presidente da Assembleia da República foi eleito pela maioria dos deputados!

É um facto: a malta da esquerda não se entende

Ferro Rodrigues eleito presidente da Assembleia da República com 120 a favor.

Anti-europeísta em que aspecto?

indexTenho um amigo que responde frequentemente aos interlocutores com um desconcertante “Em que aspecto?” Resulta sempre. Imagine-se uma ameaça de agressão física:

– Vê lá se queres levar na tromba!

– Sim, mas em que aspecto?

Também serve para responder a comunicações inócuas:

– Vou à casa de banho.

– Em que aspecto?

Como vêem, o absurdo pode ser simples e está ao alcance de todos. Fiquem à vontade para usar, porque, no mínimo, será fonte de descontracção.

O absurdo, no entanto, tem um problema: por vezes, faz sentido. Ontem, quando Cavaco Silva, espumando, acusou certos e determinados partidos de serem anti-europeístas, saiu-me um “Mas anti-europeístas em que aspecto?” E a pergunta fez sentido.

Já se sabe que a expressão faz parte de um conjunto de chavões utilizados por pessoas perigosamente destituídas, mas não é má ideia pensar um pouco mais sobre o assunto. [Read more…]

ONU pede libertação imediata

dos 15 activistas detidos em Angola.
[Rede Angola]

Se Dias Loureiro for a ministro…

… terá tempo para ligar ao pai?

Quantos de nós estaríamos dispostos a morrer por uma causa?

Uma pergunta de Patrícia Fonseca, na Visão, num belo resumo sobre o que se passa em Angola.

luaty_beirao_por_joao_pacheco_2012
(c) Luaty Beirão fotografado por João Pacheco

O presidente de alguns portugueses

cavaco_bolo_rei
A decisão de Cavaco é aceitável. Encarregar de formar Governo o líder do Partido mais votado, mesmo que não se concorde, é uma solução normal.
O discurso, esse, é completamente inaceitável. O presidente da República de todos os portugueses faria este discurso. Mas Cavaco nunca foi o presidente de todos os portugueses e, como tal, entendeu que seria o momento mais adequado para atacar selvaticamente uma parte do eleitorado que, apesar de tudo, representa 20% dos portugueses que votaram. Não lhe bastava dizer que dava posse a Passos Coelho porque a Coligação teve mais votos, era-lhe necessário demonizar o Bloco de Esquerda e o PCP e entrar num registo de «líder de facção» que chega a apelar à rebelião de deputados eleitos. Esquecendo-se que aqueles que não votaram nele são tão portugueses como os seus portugueses.
Se eu fosse deputado socialista e estivesse tentado a deixar passar o Programa do Governo PSD, ontem tinha mudado de opinião.
Nos últimos anos, Cavaco andou a encher a boca de bolo-rei e de estabilidade. Engoliu um e outro com a mesma convicção. Vê-se agora, ao preferir dar posse a um Governo minoritário e ao humilhar uma franja importante do eleitorado, o que ele pensa da estabilidade. Pensa, obviamente, aquilo que der mais jeito aos seus portugueses.
Seja como for, os dados estão lançados e, agora, chegou a hora da Esquerda. PS, Bloco e PCP devem votar contra o Programa de Governo sem qualquer hesitação. Mais: devem apresentar uma alternativa maioritária sólida que garanta a estabilidade parlamentar e um Programa de Governo que diga, preto no branco, que Portugal não vai sair da NATO nem da Zona Euro, que reconhece o Tratado de Lisboa, o Tratado Orçamental, a União Bancária e o Pacto de Estabilidade e Crescimento.
Só para ver quais os argumentos que Cavaco vai utilizar a seguir para manter Passos Coelho no poder.

Conversas sem gravata

conversas_sem_gravata_sindicato_jornalistas

Ouvi com interesse a emissão diferida do último debate da série Conversas sem gravata, uma audaz iniciativa do Sindicato de Jornalistas. Falava-se sobre os negócios passíveis de assegurar a sobrevivência do jornalismo – sendo certo que, ao menos nesse plano, há soluções, umas tentadas e outras ainda não. João Palmeiro, presidente da Associação Portuguesa de Imprensa, disse coisas interessantes, que denotam um conhecimento profundo do tema e pensamento estruturado e prospectivo sobre as estratégias vindouras de financiamento do jornalismo.

No que respeita à maneira de encarar o mundo dos mercados da informação (deve ser assim que se chamam) pelos jornalistas portugueses, as coisas parecem-me ainda turvas. A Agência Lusa anda aos papéis – embora eu não perceba porquê. David Diniz está contente com o Observador – e também neste caso não percebo porquê, atendendo ao fraco jornalismo que por lá se faz.

Já Pedro Santos Guerreiro, deixou o Jornal de Negócios (onde se faz actualmente um jornalismo “analógico” no pior dos sentidos, aplicando à plataforma web os princípios obsoletos do papel) para ir fazer o Expresso Diário – online bem feito, cuja cadeia de valor assentará porventura e justamente no facto de não ser o resultado de uma transposição do papel para o online, dessa forma não transportando as lógicas e os procedimentos que vêm do papel.

[Read more…]

A Manuela, os velhos e os novos

Manuela Ferreira Leite discorre sobre as eventuais alterações nas estratégias do PCP atribuindo-as à juventude, renovação – como se a idade fosse condição necessária e suficiente para explicar estas coisas – e ao facto destes jovens não saberem o que é o Tarrafal e coisas que tais. Olhe que sabem, dona Manuela. E aos que não sabem, permita-me que lhes chame a atenção para o facto do Campo da Morte Lenta do Tarrafal ter sido reaberto por aquele senhor que esteve, há dias, quase uma hora a verberar a “natureza” dos comunistas e a pregar-nos princípios morais e santidade cristã. O senhor chama-se Adriano Moreira, era ministro de Salazar e a ele se deve uma das fases mais ferozes deste Campo. Como a democracia portuguesa é generosa e tolerante, este facto tem sido esquecido e o dito senhor até foi – et pour cause – presidente do CDS.

Não queremos reabrir feridas, mas também não estamos dispostos ao regresso da arrogância autocrática que fez esses feridas. Os velhos sabem, porque viveram. Os novos, porque aprenderam e não querem viver o mesmo.

O dia em que Cavaco Silva uniu a esquerda portuguesa

epa03796425 Portuguese President Aníbal Cavaco Silva addresses the country to announce his decision concerning the failure of a week long negotiations between the coalition government parties Social Democratic Party (PSD) and Christian Democratic Party ( CDS-PP) and the main opposition party Socialist Party (PS) to get an political agreement to solve the present political crisis started with the Finance Minister, Vitor Gaspar, resignation, in Lisbon, Portugal, 21 July 2013. The President Cavaco Silva decided to maintain in power the present coalition government.  EPA/PEDRO NUNES

O Presidente da República pediu aos portugueses um governo estável e duradouro. Em poucas palavras, pediu aos portugueses uma maioria absoluta, fosse ela oferecida à Coligação ou ao Partido Socialista. Um pedido veementemente repetido na sua mensagem antes das eleições legislativas. Os portugueses, esses teimosos, não lhe fizeram a vontade.

Depois de apurados os resultados, o Presidente da República, transformou o pedido em exigência aos partidos com assento parlamentar. A Coligação tentou mas não conseguiu. O Partido Socialista tentou e, aparentemente, conseguiu. Perante este cenário ao PR só restava um de dois caminhos: ou entender que o acordo apresentado pelo PS não era suficientemente cumpridor dos seus requisitos e nomear para Primeiro-ministro o líder do partido mais votado, no caso, Passos Coelho ou então, entender que o PS tinha conseguido a tal maioria absoluta (com o apoio do BE e CDU) e dar posse a António Costa. Até aqui, tudo muito bem. Cavaco Silva optou pela primeira hipótese e, sobretudo, em devolver à Assembleia da República a decisão soberana. Mas….

[Read more…]

«O golpe de Cavaco não foi palaciano

[mas] profundamente provinciano. (…)» [Pedro Lains]

“Anti-europeísta”

A expressão “anti-europeísta” é de tal modo imbecil e vazia de sentido que só é usada por idiotas ou por quem quer manipular o outros e fazer deles idiotas. Cavaco Silva usou-a ontem. Mais uma vez.

O momento do nosso embaixador João da Câmara

João Pacheco, jornalista

12095323_502728953221896_3394195776447100277_o

Já deve ter passado ao lado do grande momento. Já deve ter passado ao lado daquele momento em que poderia ter feito a diferença, o nosso embaixador português em Luanda. Ao embaixador João da Câmara exigia-se coragem na representação da república portuguesa. Nada disso se viu até agora, mas o nosso embaixador ainda vai a tempo de tomar uma última atitude digna em Luanda, uma última atitude que o salve como homem e como diplomata.

O nosso embaixador João da Câmara visitou Luaty Beirão passados mais de trinta dias de greve de fome deste preso político luso-angolano. Consta que cá fora não quis falar. E já mais tarde, o respectivo ministério contou ao mundo o que o nosso embaixador português em Luanda teria a dizer de útil.
Parece que Luaty Beirão está a ter um bom acompanhamento médico, acha o nosso embaixador em Luanda.

E acompanhamento político? [Read more…]

Ai, é assim que queres brincar?

Então, vamos a isso: à Esquerda, entendam-se e escolham um só candidato a Belém! Começaremos a mudança por aí.

Luaty, meu herói

Rafael Marques de Morais, Maka Angola

O Luaty Beirão corre perigo de vida, por se encontrar em greve de fome há 18 dias [à data em que o texto foi escrito. A greve de fome teve início a 20 de Setembro]. É a sua forma de protesto por estar há mais de 100 dias detidos abusivamente, uma medida de coacção implementada pela procuradoria-geral do presidente José Eduardo dos Santos.

Compreendo totalmente a luta solitária do Luaty, nesta hora de enlouquecimento dos decisores do regime.

E compreendo tanto melhor porque passei por uma experiência semelhante em 1999, quando fui detido por ter chamado «corrupto» e «ditador» a este mesmo presidente. Passei 14 dias em greve de fome. Porquê? Porque às vezes é preciso relembrar casos passados para aferir a conduta daqueles que lutam pela liberdade e o comportamento daqueles que nos oprimem. No caso, os homens do presidente. [Read more…]

Cavaco irá manter governo PCSD/CDS em gestão

O governo saído da PAF é um nado-morto. Depois do inenarrável discurso, duvido que Cavaco alguma vez emposse uma maioria de esquerda.

Se a tradição serve como argumento político…

… então há que dizer que Cavaco Silva a seguir as tradições é algo que já vem de longe.

«Cavaco disse à PIDE que estava “integrado” no salazarismo», revista SÁBADO, 29/11/2010 (detalhes).

[Read more…]

Dos europeístas

Europa

Eurocépticos, a encarnação do mal.

Pedido de ajuda

E, caro leitor, é mesmo um pedido sério porque me parece que o mais alto cargo da nação merece a nossa atenção. Repare, por um lado, diz:

A última palavra cabe à Assembleia da República ou, mais precisamente, aos Deputados à Assembleia da República.

Mas, no mesmo discurso, diz:

Considero serem muito mais graves as consequências financeiras, económicas e sociais de uma alternativa claramente inconsistente sugerida por outras forças políticas.

Aliás, é significativo que não tenham sido apresentadas, por essas forças políticas, garantias de uma solução alternativa estável, duradoura e credível.

O maior defensor da Constituição sublinha que há uns deputados com cotação diversa, em função do  seu lugar no Paralento. Trata-se de uma interpretação absolutamente insólita do documento fundador. Por um lado, os Deputados têm a responsabilidade de decidir, mas se for para escolher como ele quer. Se a Democracia parlamentar escolher um Governo de Esquerda, então, ai Jesus! Nem pensar. O senhor não quer. Os mercados não deixam.

Só uma atenção da área clínica poderá ajudar a resolver tantas contradições, já que, ao nível político não há nada mais para dizer, ou se calhar até há: nunca mais chega o dia de Portugal se ver livre de Cavaco Silva.

 

Cavaco Silva, irrevogável.

CS

O Presidente nunca comenta declarações de partidos, nem questões político-partidárias. O chefe de Estado está acima dos partidos políticos. Nem agora nem no futuro irei interferir na vida político-partidária.

Cavaco Silva, Março de 2015

Notícia de última hora

Homem ocupa o Palácio de Belém e sequestra a Democracia.