PONTE SALAZAR – Tenhamos a CORAGEM de lhe devolver o nome original.


Ponte Salazar

É este o nome de uma petição que circula na internet e que conta já com a assinatura de cerca de 1700 simpatizantes do fascismo. A petição, lançada na passada Quarta-feira, propõe alterar o nome da Ponte 25 de Abril para o original Ponte Salazar, devolvendo, desta forma, aos fascistas, o saudoso culto do chefe. Mas existe o risco de se tratar de uma jogada humorística, pelo menos a julgar por parte do conteúdo, feito de verdadeiras anedotas. Vejamos algumas:

Uma vez que esta ponte foi inaugurada em 1966, enquanto que o “25 de Abril” só ocorreu 8 anos mais tarde, não faz qualquer sentido manter esta denominação, validada pelos instintos revolucionários próprios de uma época que já passou.

Sim, porque a época salazarista, apesar dos aspirantes a facho que por aí andam, não terminou nem nada…

Lembramos que a ponte não ficou com o nome, por vontade do próprio, antes foi uma homenagem ao próprio, decidida pelas pessoas que governavam o país, nos idos da década de 60.

Uma homenagem ao próprio, decidida pelas pessoas que governaram na década de 60? Tipo o próprio Salazar, que governou quase até ao final de 68, dois anos após a conclusão da ponte?

Porque os valores de Abril estão solidificados

Daí o assalto ao Estado Social, a detioração dos direitos laborais e a brutal influência do poder financeiro sobre o político. Sólidos como uma rocha.

esta redenominação não tem qualquer significado politico, sendo somente uma reconciliação com a nossa história recente e um sinal de humildade democrática em relação a um governante que apesar de todos os erros cometidos, evitou ao país a participação suicida na segunda grande guerra.

Evitou? Porque outro no lugar dele teria sido forçado a participar numa guerra na qual nem o nosso vizinho participou? Já agora, porque haviam os fachos de se atacar uns aos outros? Então e a participação suicida no Ultramar?

arrancou Portugal de uma dependência financeira persistente desde as invasões francesas, tendo dotado o país de uma capacidade produtiva e exportadora, que nos permitiram acumular as 6ª maiores reservas de ouro do mundo, e projectar o nome de um pequeno país para todo o mundo.

As contas até estavam equilibradas, ou não andasse meio Portugal a passar fome e a viver em condições dignas de um país de terceiro mundo. Agora projectar o nome do país? Porquê? Porque nos recusávamos a descolonizar e a alfabetizar a população? Porque reprimiamos a liberdade de expressão, de imprensa e de associação?

O 25 de Abril, vale por si só, dispensa o nome de uma ponte.

O salazarismo, infelizmente, também vale por si só. Muitos daqueles que foram oprimidos ainda andam entre nós e a memória dessa opressão tarda em desvanecer. Só se lamenta o gajo já não andar por cá para ser devidamente colocado atrás das grades para pagar pelos crimes que cometeu. Teria feito sucesso no balneário.

Comments

  1. Carlos says:

    É já agora pq não metem o nome do meu cão…. K se chá Cavaco S….é um lindo nome

  2. Antigo combatente de Alves Barrota says:

    A Ponte 25 de Abril (com designação oficial Ponte Sobre o Tejo)

    Para o estudo, lançamento, condução e fiscalização da construção da Ponte foi criado um Departamento do Ministério das Obras Públicas designado como Gabinete da Ponte sobre o Tejo.

    O projecto da ponte Suspensa foi da autoria do Gabinete de Engenharia de Nova Iorque, Steinman, Boynton, Gronquist&London com intervenção do Gabinete da Ponte sobre o Tejo e Laboratório Nacional de Engenharia Civil.

    Afinal é PONTE SOBRE O TEJO….

  3. Carvalho says:

    Esta gente ainda aí anda a emporcalhar o ar que as pessoas decentes respiram?
    E se os atirássemos a todos da sua querida ponte ao rio? Com uma fotografia do seu querido Salazar, claro; para se entreterem lá no reino da puta-que-os-pariu.

  4. Façamos uma petição, para angariar fundos, para que todos os saudosos se possam reconciliar com o ido chefe.

    A ideia é que todos os ilustres saudosos, possam saltar ao mesmo tempo da ponte 25 de Abril; desculpem, ponte Sobre o Tejo; desculpem, ponte Salazar, e que aquando da reconciliação com a linha de água, vejam uma luz e de seguida a imagem do chefe; desculpem, Chefe.

  5. Ana A. says:

    Pouco me importa o nome da ponte.
    E, infelizmente, não podemos apagar a História substituindo os nomes das pontes, dos monumentos e das ruas… A ponte da Arrábida foi inaugurada em 1963, e eu recordo-me muito bem com os meus 8 anos, de estar acocorada no separador central a ver o desfile inaugural. Assim como, também me recordo dos tempos cinzentos e as privações que passava a minha família; dos meus pais sem escolarização; do obscurantismo político e religioso…
    A ponte da minha cidade chama-se “Ponte da Arrábida”, mas quando olho para ela não posso deixar de me lembrar dos dias salazarentos…
    Que importa um nome?!

  6. luis barreiro says:

    Camarada carvalho, era colocar esses fascistas todos em linha e fuzilá-los.

    • Carvalho says:

      Mas tem alguma dúvida que era isso que o Otelo devia ter feito quando teve a oportunidade?
      Até o ar ficava mais limpo e não tínhamos tido os problemas que tivemos nos últimos 40 anos, com esses cães raivosos da direita a por a pata em cima de quem trabalha.
      Eu cá não disfarço as palavras com os “politicamente correctos”: essa escumalha da direita era tudo fuzilado e dado a comer aos peixinhos. Nem um enterro lhes dava.

  7. mdlsds says:

    Muitos dos oprimidos ainda andam entre nós, é bem verdade. Ainda há um ano os meus pais mudaram de casa e nas arrumações dos livros descobri alguns que nunca estiveram em exposição por causa do vizinho da frente que era pide. Paz à sua alma que já morreu. A mim já não me faltou nada e ao meu filho também não , nem as histórias da fome e do medo que assombraram a vida de quem lutou para podermos ter hoje nas nossas estantes os livros que nos apetecer. Cabe a cada um de nós passar às gerações seguintes aquilo que foi o fascismo e travar estes loucos seguidores de Chefes. Um conselho : pá, não passem a ponte. Sempre são menos 1700 na fila. Vão à volta.

    • Ana A. says:

      “…de quem lutou para podermos ter hoje nas nossas estantes os livros que nos apetecer.”
      Infelizmente, agora temos outra ditadura que não nos deixa ter: – nem os livros que nos apetecer ter;
      – nem o estilo de vida que nos apetecer; e, chama-se ditadura económico-financeira! No fundo seremos sempre as ovelhas no redil, com direito a balir mas aprisionadas!

  8. DEOLINDA MARGARIDO says:

    Comunas malditos,rudes, incultos e velhacos que nem sequer sabem que não se pode negar a história! Se Salazar estivesse no poder,vós escumalha assassina não andavam a comer a merda que os democratas vos dão.Os vossos avós e pais nunca deviam ter nascido, mas uma vez vivos deviam ter-vos abortado.Mudaram o nome da ponte, porque ficaram com o lucro das portagens? Também foram instituídas por Salazar.
    São tão estúpidos que até estão convencidos que deitaram abaixo o regime com a a sua deslumbrante ” revolução dos cravos”.Tal era a ditadura oh parolões!!!, Tantas rajadas de cravos!! Viva Jaime Neves que teve dois grandes e não vos deixou plantar a pata. VIVA SALAZAR, VIVAM OS VALORES DA VELHA GUARDA E MORTE AO COMUNISMO DOS DEMOCRATAS, ESSE SIM QUE JÁ FEZ BILIÕES DE MORTOS.

  9. DEOLINDA MARGARIDO says:

    Tenho pena de si se por acaso nunca leu um livro, caso contrário depois da história já ter mostrado o que é o comunismo, faz-me pavor a sua existência.Faça um favor a si próprio e a este país :compre um bilhete de ida e convide os seus milhares de camaradas a fazerem o mesmo e, juntos partam definitivamente para a Coreia do Norte. O país produziria mais, nasceria menos escumalha e todos os homens de bem respirariam melhor.

    • Pensei que era uma mulher, mas já vi que é apenas mais um bot do insurgente.

      Sempre afoitos a praticar qualquer tontaria.

      Seja como for, se não gosta do país onde vive, pode sempre emigrar como mandou o seu chefe, ou atirar-se da ponte 25 de Abril, e ir conhecer o seu mentor.

  10. DEOLINDA MARGARIDO says:

    Sou uma mulher sim e, com m maiúsculo.Com maior jogo de cintura que a maioria dos maricas que andam por aí. Este é o meu verdadeiro nome. Não tenho medo. Diga aos seus amigos das FP que me venham fuzilar. Assassinos.

  11. DEOLINDA MARGARIDO says:

    Não é preciso. Faço parte da lista negra dos 3 milhões que os seus camaradas Cunhal, Pato, Gonçalves, Otelo, pensaram assassinar quando acreditaram que conseguiam fazer de Portugal a Cuba da Europa através da vossa brilhante revolução dos cravos..Só que o Jaime Neves era de “Olhão”
    Já agora esclareça-me:Diz que Salazar era um assassino e tinha policia politica.Então porque é que os arquivos da Pide pegaram nas suas perninhas e foram-se esconder na Rússia? Tinham calor?
    Estou mesmo a ver…… claro…para desmascarar os crimes de Salazar! Diga-me os nomes dos malogrados. Isto faz-me lembrar o 11 de Setembro e as torres sem “Ninguém” la dentro nesse dia! Sabe qual foi o maior de Salazar? Deveria ter colocado todos os “democratas” na prisão e, hoje Portugal não seria um coito de ladrões e abutres que me tiram o pão da boca, mas uma Suécia com homens ao leme como o assassinado Sá Carneiro pelos “donos da democracia e dos coitadinhos” – os benditos militares todos eles de extrema esquerda. Leia que lhe faz bem.Boa fortuna. .

    • Eu não tenho partido minha cara. Dogmas são palas para seres acéfalos.

      Entretanto siga o seu conselho e leia, leia muito, que faz bem aos espíritos idiossincráticos, e não se esqueça das gotas. Mesmo muito importante, não se esqueça das gotas.

  12. DEOLINDA MARGARIDO says:

    Já percebi que é um ser acéfalo e um dogmático puro porque não tem espírito idiossincrático, característico das almas com largos horizontes.
    Não creio que seja um idealista, mas um ser mau.
    As gotas são óptimas, desde que brotem de fontes puras. Quanto a si penso que fez a escolha errada na toma. Bebeu o fel do comunismo, que desfigura rostos belos e seca os ossos..
    Não vale a pena perder mais tempo consigo.
    Até ao dia em que os seus camaradas lhe tirarem tudo, se é que tem alguma coisa,Falo de materialidade,porque a liberdade de pensamento já lhe a coartaram, Tenho pena de si.Quanto ao conselho sobre a leitura sigo-o religiosamente, mas pode ter a certeza que não escravizo um neurónio com as bacoradas dos pseudo intelectuais de esquerda que por não saberem escrever abastardam a nossa língua á imagem da sua mediocridade.
    Recuso-me a aceitar o nivelamento da sociedade por baixo como é vosso apanágio.Veja-se o novo direito ao sucesso.
    O que obtenho é por mérito próprio não por apropriação ou plágio de coisa alheia.

  13. As minhas desculpas. Não tinha percebido que era assim tão grave. Tomei-a por uma idiota, mas é apenas uma doente.
    Novamente, as minhas sinceras desculpas.

  14. Muito obrigado Deolinda. Depois de um dia cansativo e sem tempo para respirar, chegar a casa à noite e ler todas estas anedotas sempre deu para me rir uns minutos.

  15. Raul Sino says:

    Gosto mais de chamar Pax Julia a Beja🙂

  16. DEOLINDA MARGARIDO says:

    Coitado faz parte da, do, cu, sabe-se lá do quê( lgbt)

  17. DEOLINDA MARGARIDO says:

    Estou a vê-lo com o dicionário á frente.

Deixar um comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Alterar )

Connecting to %s