A grande máquina da direita radical


Leviatã

Trata-se de uma máquina bem oleada, composta pelos mais hábeis activistas da direita radical, dispõe de financiamento abundante e sem paralelo e ataca em força, numa base diária, através dos jornais e de outros pravdas online que integram a rede do ministério da propaganda do “jihadismo” financeiro ultraliberal.

O seu objectivo primordial é plantar na opinião pública a ideia de que qualquer valor ou política de esquerda é tendencialmente destrutiva e ditatorial. Que a solução para os nossos problemas reside na instauração de um regime em que a soberania do mercado, ironicamente apelidado de livre, implica a submissão da esmagadora maioria da população à ausência da regulação e à lei do mais forte. Que devemos ser passivos e obedientes para não incomodar a exploração virtuosa da era moderna. Que devemos estar dispostos a aceitar sacrifícios para que a elite que nos comanda não tenha que os fazer.

Tem operacionais instalados na administração pública, nas grandes empresas, nas universidades e nos bancos que resgatamos todos os anos. Estão nos partidos políticos e tiveram grande ascendente sobre o anterior governo mas também sobre outros que o antecederam. Agora, apeados do poder e com menos fundos, continuam poderosos o suficiente para manipular o espaço mediático e transformar o soundbite de Paulo Portas numa nomenclatura oficial na imprensa portuguesa. O termo “geringonça” é actualmente usado nos nossos jornais de forma abusiva, com vista a condicionar e manipular a percepção da opinião pública. A teia de propaganda instalada nas redes sociais faz o resto. Não há limites para os Antónios Ferro do Secretariado de Propaganda Nacional da ditadura financeira.

Depois de quatro anos em silêncio perante todos os atropelos sociais que este país viveu, a grande máquina não perde uma oportunidade de atacar, distorcer e profetizar desgraças em toda e qualquer acção levada a cabo pelo actual governo. E isto diz muito do quanto estes fanáticos se preocupam consigo: nada. A diferença entre eles e um terrorista convencional é que as suas armas são o seu desespero, empobrecimento e consequente situação de dependência em paralelo com a concentração de riqueza nas mãos de uma minoria. A finalidade é a mesma: opressão, controle e a capitulação da sociedade ao medo. É preciso denunciar e resistir. Não há tréguas enquanto vivermos nas trevas.

Imagem: capa do obra Leviatã, de Thomas Hobbes

Comments

  1. João Mendes, você não estará a ver gigantes onde só há moinhos de vento?

  2. brilhante….nao diria melhor!

  3. Don Quijote de Bragança says:

    Chama-lhe moinhos de vento chama…
    A faxaria tem sempre uns argumentos “engraçados”
    (Se te portas mal, vais para o inferno…)

  4. Rui Silva says:

    Em nome da Liberdade há que começar a fechar jornais, blogs sites etc.
    O João Mendes faz a lista do que para fechar e os que ficam.
    Viva a Revolução.
    Mai’nada !

    cumps

    Rui Silva

    • Para além de fascista e fanático, não o conhecia opositor da liberdade de expressão. Mas noto com pouca surpresa que defende o fecho de blogues e jornais. Espero contudo que não inclua o Aventar, caso contrário, o que faria o Rui da sua vida?

    • Nascimento says:

      Por isso é que tu ladras aqui..béu,béu,béu… e onde é que o autor da postada indicia ser censuratório? Ruizinho, vá, vai lá pró Insugernte ou para aquela merda do Observador, vomitar os restos de bolinhos gordurentos que mamas-te no fim de semana , enquanto te deleitavas, aposto eu , com o Impeachment da Dilma. Gordurento.

  5. Escatota Biribó says:

    Esta é uma mensagem do ministério da propaganda
    Patriotismo significa não questionar
    Tu és livre, para fazer o que te mandamos
    Podes escolher a cor que quiseres, desde que seja laranja

    e os mercados?

  6. Tentaram e estão a tentar tudo para voltarem ao poder- mentiram nas eleições, esconderam informações sobre a banca, chamaram de ilegítimo ao acordo na AR, manobraram tácticas na UE, PE, BCE e agências de rating, esperaram ansiosamente por negas do Eurogrupo, FMI e outros que tais, e passsaram novamente para a propaganda interna. Ainda não perderam a esperança no PR.

    Os jornalistas da praça e os comentadores habituais escrevem e descrevem “horrores”.

    Ver, hoje em dia, um filme de acção com mais sangue a jorrar e facadas tornou-se mais suave do que a realidade.

    A realidade ultrapassa o Matrix.

    Enquanto isso, os cidadãos voltam-se para os ansiolíticos e antidepressivos que os deixam apalermados e completamente numb.

    E alguma esquerda brinca aos “géneros” do cartão do cidadão…….

  7. Tudo isto é triste,tudo isto é fado !!!

Deixar um comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Alterar )

Connecting to %s