O fim do Bloco e outras “zandinguices” de João Marques de Almeida


be

Para um tipo que tem uma licenciatura, um mestrado e um doutoramento em Relações Internacionais, para além de ter leccionado e investigado na mesma área, João Marques de Almeida aparenta ter sérias lacunas analíticas. Pelo menos neste caso. Ou então é um daqueles que vende a honestidade intelectual por meia-dúzia de patacos. Talvez seja do ar que se respira na redacção do Observador ou, quem sabe, o facto de ter estado tempo demais exposto a Durão Barroso, de quem foi assessor. 

Num fascinante escrito publicado há pouco mais de dois anos, da mais bela futurologia que se tem visto por aí, capaz de corar de vergonha os Zandingas desta vida, JMA decretava, categoricamente, o fim do Bloco de Esquerda. Entre outras alegações, JMA afirmava que a resposta do BE à crise financeira afugentava potenciais eleitores, que não havia espaço para o partido no lado esquerdo do espectro, onde só cabiam PS e PCP, e que tinha sido incapaz de crescer durante a crise, estando, portanto, a desaparecer. Segundo o académico, os portugueses não se identificavam com posições radicais e não estavam dispostos a dar o seu voto e quem, aparentemente, brincava com coisas sérias. O Bloco era “acessório” e o seu fim era apenas uma questão de tempo. “Por isso, acabou”, rematava.

Pois bem, passados pouco mais de dois anos, eis o cenário actual do defunto: depois de ter sido o terceiro partido mais votado nas Legislativas, e do resultado histórico de Marisa Matias nas presidenciais, superior ao dos candidatos do PS e do PCP (o CDS-PP limitou-se a apoiar o candidato do PSD), sucessivas sondagens têm apontado o Bloco de Esquerda como a terceira força política do país. É caso para dizer que as notícias da morte do BE eram manifestamente exageradas.

Contrariando as previsões deste e de outros futurologistas, a liderança de Catarina Martins demonstra estabilidade e coesão, o partido renovou-se, dando espaço a novos protagonistas como Mariana Mortágua ou José Soeiro, e a convivência com PS e PCP é hoje uma realidade materializada num acordo de incidência parlamentar que teima em perdurar e que, ao contrário daquilo que afirmava o jornal onde escreve JMA, em Outubro de 2015, chegou mesmo a um acordo equilibrado para o OE17. “Como se explica este fenómeno aparentemente contraditório?“. Talvez o sotôr nos consiga explicar. A única explicação que me ocorre e que tudo isto não passa de uma conspiração marxista-leninista-trotskista e que em breve estaremos todos agrilhoados num gulag na Sibéria. O velório do Bloco segue dentro de momentos.

Imagem via Uma Página Numa Rede Social

 

Comments

  1. Rui Naldinho says:

    “Saberemos que o nosso programa de desinformação está completo, quando tudo aquilo em que o povo americano acreditar for falso.”
    William J. Casey, director da CIA (1981 – 1987)

    João Marques de Almeida, que já foi assessor de Durão Barroso debita em cada peça jornalística que escreve uma dose de idiotices e mentiras, dignas de alguém que nunca percebeu na vida o que é ser jornalista. Quem não estiver com o agendamento fabricado pelos seus patrões, só pode ser mau. Pacheco Pereira, Manuela Ferreira Leite, entre muitos outros que o digam.
    (http://observador.pt/opiniao/pacheco-pereira-um-politico-falhado/).
    Como se esta nódoa alguma vez tivesse a estatura intelectual de um Pacheco Pereira?
    Portanto, nem estes dirigentes do PSD, críticos da atual direção escaparam à fúria anti social democrata de João Marques de Almeida.
    O Observador é o local ideal para ele se masturbar intelectualmente com estas peças analíticas, escritas por um personagem delirante, que nem sequer consegue interpretar os fenómenos históricos.

  2. antero seguro says:

    Se não puderes convencê-los. Confunde-os.

  3. Rui Silva says:

    Este João Marques de Almeida, não sabe mesmo avaliar a extensão máxima do contorcionismo que o BE e PCP estão dispostos a fazer…

    Rui SIlva

Deixar um comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s