Nas senhoras não se bate nem com uma palavra

Um deputado adjectivou uma ministra com frígida: escândalo. E se fosse um ministro como impotente? silêncio.

Ele Nem Tudo é Sinapses

SinapseOs filhos da puta dos cientistas estão sempre a surpreender-nos, não fosse, com esta idade e experiência, sabermos que muitos dos postulados que os media veiculam a partir de estudos, análises e conclusões, do género o vinho tinto contém antioxidantes [comprem mais vinho] ou que o café previne Alzheimer [passem a consumir café], não cumprissem um princípio de meias-verdades acoplado ao espevitar do consumo precisamente daquilo, normalmente alimentos, que a ciência elogie.

Agora dizem-nos que aos 27 anos de idade, sendo ainda jovem, na verdade o nosso cérebro começa a sua inexorável decadência. Quase aposto que temos neurónios e sinapses na língua de carne, na pele, no pénis, devido ao bom uso que deles fazemos, mas a ciência está aí para nos recordar que os neurónios vêem as conexões entre eles a piorar precisamente a partir dessa idade, matando em cada qual quer a inteligência espacial, quer a capacidade de desenhar objectos e visualizá-los mentalmente, quer o raciocínio, quer a memória os quais, na verdade, vão decaindo. [Read more…]

O Chimpsky e o Dan

NIM-1-articleLarge

Depois de Nim Chimpsky ter servido para Herbert Terrace tentar provar que a capacidade de produção de enunciados respeitando regras gramaticais não é um exclusivo dos seres humanos (ao contrário do que muitos pensam, o próprio Terrace já admitiu que os resultados obtidos e publicados deram, afinal, um ‘falso positivo‘), agora surge o babuíno DAN (no artigo do Courrier International, surge ‘Dan’ que, convenhamos, é mais carinhoso: a adopção de maiúsculas em DAN distancia-nos dele, como de certa forma acontecia com o HAL: Heuristically programmed ALgorithmic computer)) como estrela da companhia de projecto chefiado por Jonathan Grainger (numa equipa que conta com, entre outros, o excelente Johannes Ziegler), em que os autores pretendem demonstrar poderem as competências de base para processamento ortográfico na direcção da leitura  ser adquiridas sem a pré-existência de representações linguísticas.

A seguir com atenção.

Sai uma dose de estrangeirismos para a mesa do canto!

Imagem

Sabe-se lá porquê, a minha prima Lita tem de apelido Mendonsa. Assim mesmo, com “s”, que lhe adveio do marido, ele também emigrado nos States até se passar, já lá vão muitos anos.

Viviam numa cela, como dizia, no que para nós, portugueses de Portugal, era uma cave, e tinham por vizinho um airicho (de irish, está-se mesmo a ver), consumidor inveterado de bias, que partilhava com Komrij, um docha, seu único parceiro habitual, agora que Jonim Mendonsa partira para o outro lado da vida, na versão daqueles que – ainda – acreditam no Além. Os outros terão dito que entregou a alma ao Criador, se são crentes, ou, caso contrário, terão afirmado, ainda que incorrectamente, que foi para debaixo da terra. É que, de facto, foi para cima da água: Lita mandou-o cremar e espalhou as cinzas no mar, do exacto local em que foi concebida a filha mais nova numa madrugada de luar e apetites, daqueles a que não conseguimos negar a evidência e a vontade. [Read more…]

A direita e a linguagem, ou a obsessão pela mentira

Como já têm uma lei que obriga os funcionários das escolas a impedir as criancinhas de terem brincadeiras que o governo acha  ”sexistas” – ou seja os clássicos rapazes a jogarem à bola versus as raparigAS a esnobarem deles

grunhe Helena Matos. Grunhir é um som emitido por alguns animais, entre os quais os humanos quando mentem. O que aconteceu em Outubro foi isto:

En concreto, la Comisión ha aprobado una Proposición no de Ley registrada por el Grupo Socialista y enmendada por CiU en la que se pide al Ejecutivo que “se elaboren e impulsen protocolos de juegos no sexistas para que se implanten y desarrollen en los espacios de juego reglado y no reglado en los colegios públicos y concertados de Educación Primaria”, en colaboración con las comunidades autónomas.
Además, se solicita que “en cualquier actividad lúdica desarrollada en los citados Colegios de Educación Primaria se eliminen estereotipos que mantengan los roles machistas y se introduzca el concepto de igualdad entre ambos sexos”. Ler o resto

E grunhe hoje porque Carlos M. Fernandes grunhiu esta: [Read more…]

LOL para todos

Smiley.svg

A chamada telefónica estava a meio. Um dos interlocutores, ao meu lado, percebendo que tinha acabado de dizer um disparate no meio da conversa, sorri e diz “LOL”. Uma simples palavra, dirigida a quem estava do outro lado da comunicação. LOL. Assim mesmo, em voz alta. Como se estivesse a comunicar através de programas de mensagens instantâneas na Internet ou através de SMS.

O “LOL”, assim dito, tornou-se estranho. Todos aqueles que utilizam as ditas aplicações num ou noutro momento já utilizaram o LOL (do inglês ‘Laughing Out Loud’, que se pode traduzir por ‘rir às gargalhadas’). Mas assim, de viva voz, soa estranho. Perante a reacção de estranheza dos colegas, vem a explicação: “Sou jovem…”.

Como se todos os jovens falassem assim, pensei mais tarde. Não falam, mas não andam longe. Mais hoje que no passado, usa-se e abusa-se das abreviaturas. É a lei do mínimo esforço. Mesmo que algumas delas não façam sentido. Para dizerem ‘porque’ escrevem ‘pk’, quando poderiam escrever ‘pq’. O ‘que’ vê-se transformado num espantoso ‘k’ e não num simples ‘q’. É uma letrinha apenas, na mesma, então pk – perdão, porquê -, esta mudança? Para já não falar dos imensos ‘x’ que encontramos nestas trocas de mensagens. Algumas são tão fechadas no seu significado que os não iniciados nestas técnicas ficam à nora, sem perceber patavina do que lá está.

[Read more…]