Pensamento único? Sei lá o que isso é!

O pessoal que questionava a política contra pandemia ou os cientistas, quando falavam sem ciência que os apoiasse, eram achincalhados. O pessoal que duvidava daquela eficácia de 90 e tal % das vacinas e da imunidade de grupo, eram apelidados de chalupas. Os que no início da invasão, antes de todas as matanças que temos visto, aconselhavam empenho aos políticos mundiais para pôr termo à guerra através de negociações conducentes a uma paz digna, eram censurados. Canais de tv ou rádio que difundam propaganda pró-russa foram silenciados, porque o povo, coitadinho, é burrinho. O PC, porque pensa diferente, deve ser eliminado. Cavaco Silva escreveu um artigo num jornal que pratica censura e é vilipendiado.

Mas eu, um dia, prometo, ainda hei-de descobrir o que é isso do pensamento único.

Guerra na Ucrânia, a sopa

Eu sei que anda tudo doido. Alguns acham que é o efeito das vacinas, dos tais chips do Bill. E de terem descoberto que a terra é plana. Até hoje. O dia em que o Kremlin conseguiu ultrapassar todos estes doidos de uma só vez:

https://observador.pt/2022/04/08/kremlin-acusa-ucrania-de-esconder-receita-de-sopa-de-beterraba-xenofobia-nazismo-e-extremismo/

De Alexandre Guerreiro a João Lemos Esteves é um salto…

Sobre o Alexandre Guerreiro já o Aventar falou inúmeras vezes ao longo destes dias. Desde o primeiro post a 25 de Fevereiro que se tornou viral passando por ESTE que viralizou de igual forma até ao que se publicou hoje. O Expresso acordou um pouco mais tarde assim como a Sábado e ontem o Ricardo Araújo Pereira. E de repente, ontem, surge um texto em castelhano sobre o rapaz.

Dizer que o texto é em castelhano é simpatia minha. Enfim, pouco importa. Ora, o texto é de um português, de seu nome João Lemos Esteves. O nome não era estranho. Ora este João Esteves é, segundo o seu twitter: Senior Intell Analist Hagana Consulting. Mas que raio se passa com os “Intell” portugueses? É que o Alexandre Guerreiro também o é/foi. Onde são recrutados? Mais, onde são formados? É que se um é amigo do Putin, o outro é amigo de Trump. Será que ser-se chalupa é requisito para ser espião em Portugal?

Mesmo tendo deixado mais acima o link para o tal texto em castelhano, não resisto a partilhar aqui uma parte do mesmo.

Nótese este nombre: Boaventura Sousa Santos, el inspirador espiritual-político-académico de Alexandre Teixeira Neto Guerreiro. El amigo de la agencia de propaganda rusa SPUTNIK, que se autodenomina padre del acuerdo político que llevó a Antonio Costa a la dirección del gobierno portugués y de partido político pro-Putin Podemos en España. Volveremos a él muchas, muchas veces aquí en TOTAL NEWS AGENCY. Y no olvidar que también el viernes, como parte de esta operación de contrainteligencia, las autoridades portuguesas arrestaron al rabino de la Comunidad Israelí de Oporto, Daniel Litvak. Israel es lo enemigo que une Alexandre Teixeira Neto Guerreiro, Antonio Costa, Boaventura Sousa Santos y lo Podemos en España, muchas veces con estrategias comunes. 

Um e outro, académicos. Um e outro cepas de universidades portuguesas. Um e outro a defender o indefensável. Se a estes juntarmos o trio de militares putinianos que pululam nas televisões só se pode concluir que a culpa foi do Covid. De certeza. É miolo comido. Muito comido. Valha-nos Deus….

Novidades da chaluposfera: o vulcão de La Palma é uma fraude

E “prontos”, a chalupice voltou a fazer das suas.

Pelos vistos, o vulcão em La Palma é uma mentira. Ou então foi o Pedro Sanchez, esse grande comuna da nova ordem mundial, que o pôs a funcionar. Havendo outros, ainda, que garantem tratar-se de um golpe da dupla Gates/Soros, para nos desviar as atenções da vacina, dos chips e das seitas de Hollywood que se mantêm jovens através da ingestão de plasma de bebé (comer crianças é coisa de comuna, não de gente hiper chique de LA).

Alguém avise o Magalhães Lemos.

E se os chalupas que tentaram agredir Gouveia e Melo fossem de esquerda, Ventura?

O que se passou há dois dias com o vice-almirante Gouveia e Melo é a ilustração perfeita do quanto a extrema-direita defende os interesses dos militares, e das forças de segurança em geral, que é nada, excepto quando a defesa desses interesses se cruza com os interesses pessoais se André Ventura. Imaginem que o vice-almirante era cercado por uma manifestação de esquerda, ainda que pequena e insignificante como aquele ajuntamento de chalupas que ontem vimos, sendo igualmente insultado como ontem foi. Ventura e as venturettes teriam rasgado todas as vestes do armário de onde saíram. Como foram negacionistas, importante base de apoio dos neofascistas, nem um pio se ouviu ou leu da parte do Bolsonaro português. Nem vai ouvir, pelo simples facto de que Ventura se está perfeitamente nas tintas para militares, policias ou quem quer que seja. Para Ventura existe apenas Ventura. Nada mais.