Dois ditadores entram numa cimeira do G20

 

Na cimeira do G20, dois ditadores cumprimentam-se com aquele entusiamo de quem faz do presidente da superpotência mundial a sua bitch. Diz quem esteve por lá que trocaram ideias sobre como eliminar opositores e jornalistas, à bruta e sem consequências, sem prejudicar os seus investimentos na Europa dos Direitos Humanos. E que o dia terminou com a visualização da pee tape de Donald Trump.

Vostok-18

Num momento em que a Rússia cresce para ocidente e a NATO se encontra fragilizada por Trump, russos e chineses brincam à guerra. Talvez o lacaio de Putin ache que uns fucks o façam passar a perna ao ex-agente do KGB e, quiçá, torná-lo chefe do mundo branco. No entanto, a aproximação entre chineses e russos, catalisada pelas suas guerras fáceis de ganhar, é mais um passo em direcção à nova ordem mundial, na qual Putin, e não Trump, é o centro que vai resultando da implosão liderada pelo pateta cor de laranja.

Dez minutos

Foi o tempo que uma criança de 11 anos precisou para piratear o site de divulgação de informação eleitoral, que será utilizado para as eleições intercalares deste ano nos EUA. Se fosse russo não conseguia, que eles não percebem nada de computadores.

Violência contra civis indefesos, aprovada por Paris, Londres e Washington

SA.jpg

Gasear civis inocentes é terrível. Oprimir um povo, seja de que maneira for, é inqualificável, inaceitável, horrível e deve ser combatido. Deve ser combatido de forma eficaz, sem meios termos. Deve gerar ruptura. Podem existir contactos diplomáticos, em nome do bem comum, mas se apontamos o dedo a uma ditadura, se a acusamos e condenamos com provas factuais, se nos juntamos aos nossos pares para a atacar, não raras vezes de forma ilegítima e sempre por procuração, então não podemos fazer negócios com tais facínoras. Não podemos ter os seus mealheiros nos nossos bancos, as suas empresas a patrocinar as nossas competições e clubes de futebol, as suas bandeiras hasteadas no centro das nossas praças financeiras. Ou podemos, e nesse caso temos que nos deixar de merdas. Or grow a pair. [Read more…]

Serei só eu a sentir o cheiro a esturro no ar?

OPCW.jpg

Na madrugada de Sábado, Estados Unidos, França e Reino Unido decidiram bombardear instalações militares do governo sírio, alegadamente relacionadas com a produção e armazenamento de armas químicas, alegadamente usadas contra a população civil e indefesa de Douma, um dos últimos bastiões rebeldes nas imediações de Damasco, que alegadamente acertaram os alvos a que se propuseram.

O ataque vem na sequência de tweets contraditórios de Donald Trump, um clássico do governante socialite, que num dia felicita Putin pela vitória numa eleição fraudulenta, para no outro afirmar que a relação entre as duas potências está pior do que nos tempos da Guerra Fria. Em poucas horas, o anedótico presidente norte-americano conseguiu ameaçar que os mísseis iam a caminho, para depois afirmar que tais movimentações poderiam estar para “muito breve ou nem por isso”. Ter um maluco aos comandos da máquina de guerra do império tem destas coisas. E a nomeação de John Bolton é a cereja no topo do bolo da falta de noção deste mentecapto com ogivas. [Read more…]

Um par de tomates contra a opressão

VPDT.jpg

Foi no final do mês de Março, há 15 anos atrás, que uma aliança liderada pelos Estados Unidos invadiu o Iraque, um estado soberano. Os dois grandes argumentos usados para justificar a ofensiva perante a opinião pública foram a existência de armas de destruição maciça e a colaboração do regime iraquiano com a Al-Qaeda. Bush, Blair, Aznar e o seu mordomo asseguravam-nos que as provas eram irrefutáveis. Mas tudo não passou de um grande barrete.

O que se passou com o Iraque não foi caso isolado. Aconteceu com inúmeros países, sob a forma de invasões alicerçadas em pretextos falsos, golpes de estado patrocinados ou false flag attacks. Morreram centenas de milhares de vítimas inocentes, destruíram-se cidades e sociedades, abriu-se o caminho à ascensão novos déspotas e os suspeitos do costume lucraram a reconstruir, a garantir a “segurança” e a explorar recursos naturais. [Read more…]

Diplomacia, demagogia e hipocrisia: o caso Skripal e o oportunismo político

BPR.jpg

Indústria petrolífera à prova de sanções diplomáticas. Fotografia via CBS

Percebe-se o desespero de Fernando Negrão e a necessidade de se pôr em bicos de pés para tentar marcar a agenda mediática com declarações como as que proferiu ontem, que de resto mais não foram do que uma espécie de retweet parlamentar das declarações proferidas no dia anterior por Paulo Rangel na SIC Notícias. Ou não estivéssemos perante um líder parlamentar desorientado, cuja primeira linha de oposição que enfrenta está no interior do próprio grupo parlamentar que tenta, sem grande sucesso, dirigir. Um líder parlamentar fragilizado, em sintonia com uma direcção partidária enredada em casos que se sucedem, sob fogo cerrado da imprensa afecta ao passismo. É natural que recorra ao facilitismo deste tipo de subterfúgio. [Read more…]

Morte e destruição

k.jpg

Kobani – fotografia de Bulent Kilic/France Presse

A guerra na Síria arrasta-se há 7 anos. Depois de tantos anos de carnificina, que entra por nossas casas adentro todos os dias, sem cerimónias e em horário nobre, as imagens continuam a ser impressionantes, de Aleppo a Ghouta oriental. Bairros inteiros arrasados, cadáveres nos escombros, hospitais em ruínas, crianças em profundo sofrimento. Não tem explicação. Já não era suposto acontecer.

A Síria é o palco do conflito mais complexo e destrutivo da actualidade, que não se esgota no objectivo da conquista do poder. Existem questões étnicas e religiosas à mistura, existe um fanático e imprevisível Daesh, existem facções nacionalistas, paramilitares e exércitos estrangeiros, rebeldes, terroristas, rebeldes-terroristas e milhões de civis indefesos a viver um pesadelo sem justificação. O inferno na Terra. [Read more…]

From Russia, with love #12 (Saint-Petersburg)

Faço as minhas despedidas de São Petersburgo

Este slideshow necessita de JavaScript.

já que é o último dia que passarei aqui. Não sei se voltarei aqui, ou a outro lugar qualquer da Rússia. Não que ache que São Petersburgo (e Moscovo também) me tenha tratado mal. Ao contrário, achei, como já disse noutros postais, a cidade bastante amável em vários sentidos, desde as ruas, aos monumentos, às abóbadas das igrejas, até às pessoas. Também o tempo esteve generoso e amável. Choveu pouco e por pouco tempo. O que, ao que parece, não é assim tão comum.
 
Quando saí do hotel fui à praça dos teatros, ainda não tinha visto o Mariinsky. Gostaria de ter visto um ballet no teatro onde atuaram nomes importantíssimos como Rudolf Nureyev ou Mikhail Baryshnikov (este último tive o imenso prazer de o ver numa peça no Petit Palais, em Paris, em janeiro). Mas os bilhetes eram extremamente caros para os meus bolsos e, por isso, perdi provavelmente a única oportunidade de ver alguma coisa neste teatro. Também em Moscovo não fui ao Bolshoi. O preço dos bilhetes era proibitivo, mas estava também encerrado em agosto.

[Read more…]

From Russia, with love #11 (Saint-Petersburg)

Os gatos de São Petersburgo

Este slideshow necessita de JavaScript.

Podia concentrar-me no cruzador Aurora ou na Fortaleza de Pedro e Paulo, mas acho que prefiro falar sobretudo dos gatos de São Petersburgo. Talvez esteja já cansada de ver coisas que devem ser vistas, quero dizer, coisas que deveria ver sem falta uma vez em São Petersburgo e, por isso, talvez prefira concentrar-me naquilo que há em toda a parte: os gatos, os pardais, as pessoas e o vento.
 
Apanhei hoje, já não era cedo, o autocarro número 1 na avenida Nevsky. Atravesso a ponte Devortsoviy para a ilha de Vasileostrovsky e depois de contornada a Birzhevaya, a ponte Birzhevoy para Petrogradsky. Saio no cruzamento da rua Pushkarskaya com a rua Lenin e um bocadinho à frente apanho o pequeno autocarro K30 para perto da ponte Sampsonievskiy. O meu destino é o cruzador Aurora, ancorado na Petrogradskaya. O barco do século XIX que faz parte do património histórico da cidade. Participou em algumas guerras, mas ficou famoso por ter lançado o tiro de canhão que foi a senha para que os bolcheviques invadissem o Palácio de Inverno (que integra o Hermitage, ver postal de ontem), antiga moradia do Czar Nicolau II. O Aurora foi um dos maiores símbolos da URSS. Hoje é um museu.

[Read more…]

From Russia, with love #10 (Saint-Petersburg)

… a battle field that only needs a name*

Este slideshow necessita de JavaScript.


Encontrei Anselm Kiefer hoje no Hermitage, no Palácio de Inverno e foi um encontro inesperado, já que não havia lido nada sobre as exposições. Mal subi as escadas de Jordan, cheias de dourados a reluzir e de pessoas, fui ter à sala 197 e dou com a exposição de Kiefer ‘For Velimir Khlebnikov’. Fiquei tão contente que me pus quase a dançar no meio das salas, 3, cheias de quadros enormes, lindos. De quadros em que apetece mergulhar, como sempre digo. Kiefer criou estes 30 quadros em homenagem ao poeta futurista Khlebnikov. Não costumo colocar fotografias de quadros nos postais ou onde quer que seja. Os quadros são para serem vistos ao vivo e não assim, mas hoje abro uma exceção. Afinal, este encontro inesperado merece ser registado.

[Read more…]

From Russia, with love #9 (Saint-Petersburg)

São Petersburgo é o lugar menos turístico do mundo,

se apanharmos, na Admiralteyskiy, o autocarro número 10 para Troitskiy pr. É aqui que fica, no cruzamento com o Izmailovskiy pr. a catedral da Trindade. A mesma que vi ontem do alto da ‘colonnade’ da Catedral de Santo Isaac, com as enormes cúpulas azuis, com estrelas douradas a destacarem-se belíssimas no horizonte. Quando saí quase em fren

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

te da igreja, despertou-me a atenção a enorme coluna com um anjo em cima, rodeada de canhões. Parece que é uma homenagem aos soldados russos. Atrás dela a Catedral da Trindade, linda e branca, com as suas enormes cúpulas azuis e douradas. Fotografo as cúpulas de vários ângulos. Depois entro. Há senhoras a pedir à entrada da igreja. Não se vê um turista nas redondezas. A não ser eu.

[Read more…]

Fom Russia, with love #8 (Saint-Petersburg)

‘What’s left when everything’s gone?’

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

Suponho que as memórias. O registo dos momentos que inexoravelmente se transformam em passado. O que é que temos a não ser esses momentos? O que é que fica quando tudo acaba, ou se vai embora, ou deixa de ser?
Hoje visitei um museu extraordinário e tive uma experiência fora do comum. O museu chama-se Erarta*, descobri-o quando pesquisei ‘museus de arte contemporânea em São Petersburgo’. Fica na ‘ilha’ Vasileostrovsky, do lado de lá do Neva, a 5,3 quilómetros do sítio onde me encontro. Apanhei o trolley nº 10 (mas também podia ser o 11 ou o 7) e lá fui eu. Em cerca de 20 minutos e por 40 rublos parei quase à porta deste belíssimo museu, o maior de arte contemporânea da Rússia.

[Read more…]

From Russia, with love #7 (Saint-Petersburg)

É outono em São Petersburgo e um gato apanha uma réstia de sol numa janela do Museu Russo

Este slideshow necessita de JavaScript.

Em muitas cidades tenho encontrado gatos nos museus. Gatos vivos, quero dizer, embora também alguns pintados. Estava um gato no beiral de uma janela do Museu Russo, a apanhar restos de sol, que chegaram depois da chuva torrencial. O gato estava seco, no entanto. Bati no vidro para lhe chamar a atenção, mas ignorou-me absolutamente, como se não houvesse mais nada entre ele e os raiozinhos tímidos de sol. E talvez não haja.

[Read more…]

From Russia, with love #6 (Moscow – Saint-Petersburg)

Cheguei a Leninegrado,

Este slideshow necessita de JavaScript.

ou Petrogrado ou São Petersburgo, como lhe queiram chamar. Eram cinco e meia da tarde quando o Sapsan, ou ‘falcão peregrino’ parou na estação Moscovo. Mal saio da estação, onde contei com a boa vontade de estranhos, como sempre, para descer as escadas com as malas, vejo um reclame no alto de um prédio: город горой Ленинрадюю. Qualquer coisa como ‘cidade heroica Leninegrado’. Pareceu-me um bom prenúncio.
 

[Read more…]

From Russia, with love #5 (Moscow)

‘Yo soy comunista’…

Este slideshow necessita de JavaScript.

disse-me um senhor basco que encontrei junto à estátua de Marx, esta tarde, pondo-me a mão sobre o ombro, erguendo o punho esquerdo e começando a cantar, em castelhano, a Internacional. Tive de lhe dizer que se erguia o punho direito, ‘mas em Espanha, erguemos o esquerdo’, e fez-me a vontade. Ergui eu também o punho, e fui cantando em português. A filha, uma miúda anarquista, segundo o pai, tirava fotografias e ria-se. Eu também me ri, como é evidente. Coisa mais inusitada, cantar em ‘portunhol’ a Internacional, diante da estátua de Karl Marx, ali ao lado da Praça Revolução, em Moscovo, às 5 da tarde.

[Read more…]

From Russia, with love #4 (Moscow)

 Visitei hoje o Camarada Lenine…

Este slideshow necessita de JavaScript.

… e encontrei-o com bom aspeto e boas cores, sobretudo para quem está morto há 93 longos anos. O Camarada Lenine repousa num feíssimo, escuro e frio mausoléu no centro da Praça Vermelha. Quero dizer, aquilo que resta do Camarada Lenine, praticamente pele e ossos, repousa no mausoléu bem no centro da Praça Vermelha. Não tem sangue, nem cérebro, nem vísceras, mas suponho que não lhe façam falta nenhuma, assim como assim. De 18 em 18 meses o corpo é retirado do mausoléu e submetido a diversas operações de conservação*. Li algures que lhe limpam e passam o fato também nessa altura e que de três em três anos lhe compram um novo. Parece que custa muito dinheiro à Federação Russa manter o corpo de Lenine.

[Read more…]

From Russia, with love #3 (Moscow)

Dos heróis caídos…

 

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

assim chamam à parte do Parque-Museu das Artes, que ocupa a parte norte do Parque Gorki. Há quem lhe chame parque, mas a maior parte das pessoas refere-se-lhe como ‘cemitério dos monumentos caídos. Além de uma impressionante coleção de estátuas, nem todas dos heróis soviéticos derrubados, esta parte do grande espaço verde que é o parque Gorki, é ocupada pela Moderna Galeria Tretyakov e também pela casa dos artistas.
Antes de ir visitar o parque, fui à galeria Tetryakov, a antiga, ou a clássica, como quiserem que apresenta uma coleção magnífica de quadros de pintores russos do século 11 ao início do século 21. Se me conhecem sabem que sou pouco apreciadora de arte que não a moderna e contemporânea, mas lá fui. Acordei tarde e achei que era um bom plano. Perdi o pequeno almoço no hotel e era meio dia e meia quando bebi um sumo de laranja e um croissant e um expresso, no café da esquina. Depois, tendo aprendido a lição breve que um rapaz me deu sobre os anéis de Moscovo e as linhas de autocarro, assim como a das imensas e rapidíssimas escadas rolantes do metro de Moscovo (de que tenciono afastar-me),apenhei o M5 para Tretyakovskaya.

[Read more…]

From Russia, with love #2 (Moscow)

‘May God be always with you’…

Este slideshow necessita de JavaScript.

… foi o que me disse a senhora, abraçando-me suavemente para minha surpresa, à entrada da praça vermelha, junto ao ‘quilómetro zero’, o ponto a partir do qual se medem todas as distâncias desde Moscovo. Estava a admirar o que faziam as pessoas no ‘quilómetro zero’. Basicamente colocavam-se no centro e atiravam uma moeda para trás das costas. Perguntei ao rapazinho que estava ao meu lado o que era aquilo, que significava. Ele disse que não falava bem inglês, mas percebi perfeitamente quando me explicou que era o ‘quiómetro zero’. A conversa continuou de uma forma estapafúrdia. Ele falava sobretudo em russo, tal como a mãe, e eu em inglês. Seja como for entendemos-nos e eu percebi que as pessoas faziam aquilo para dar sorte.

[Read more…]

Donald Trump sucks!

Sondagem da Gallup revela que apoio à destituição é superior à popularidade. A saída do acordo de Paris e as ligações à Rússia estão a dar frutos.

Zangam-se as comadres (o pior é que têm armas nucleares)

Quando a amizade entre dois facínoras se quebra sabemos que o pior dos cenários passa a ser possível. Desde a eleição de Donald Trump, a grande amizade com Putin era a vertente mais perigosa do delirante programa de Trump. O potencial de ocorrer um diferendo entre os dois era imenso, a começar pela delicada questão do levantamento das sanções à Rússia. O primeiro diferendo ocorreu mais celeremente que previsto. A Rússia já condenou o ataque dos EUA à base síria do regime de Assad. Quem está ao corrente do percurso de Putin conhece a sua irredutibilidade. A vingança ao ataque de Trump virá mais cedo ou mais tarde, mais patética ou mais violenta a vingança ocorrerá. Por exemplo, não surpreenderia que o video do chichi em que Trump se diverte com prostitutas em Moscovo fosse divulgado nos próximos dias.

Tudo isto não seria muito grave se esta dupla de irresponsáveis não tivesse armas nucleares à sua disposição…

De Dave Granlund.
www.davegranlund.com

Quando Trump diz a verdade

dt

É caso para se lhe tirar o chapéu. Em entrevista à Fox News, e após ter afirmado que respeitava Vladimir Putin, Donald Trump foi confrontado por Bill O’Reilly com o facto do presidente russo ser um assassino. A resposta do presidente dos EUA, que gerou forte indignação, inclusive no seio do Partido Republicano, não podia ser mais honesta. Sim, honesta:

Há muitos assassinos por aí, nós também temos muitos assassinos. Acha que o nosso país é assim tão inocente?

É verdade, Trump. O vosso país não é inocente. O vosso país anda há décadas a patrocinar golpes de Estado, do Irão ao Chile, a invadir estados soberanos no Médio Oriente, a treinar e a equipar terroristas, a bombardear hospitais e escolas, a apoiar o terrorismo de Estado de Israel e a alimentar guerras um pouco por toda a parte. A comparação com a Rússia não poderia ser mais certeira e já era tempo de alguém o admitir.

John Lewis e os russos

Se o partido Republicano dos EUA parece ter ensandecido, o espectáculo dado pelos Democratas tem sido patético. Embalados pelas tretas da CIA, até alguns dos mais liberais – no sentido político, claro – debatem a vitória de Trump através de argumentos evasivos, não hesitando em despertar velhos fantasmas tão queridos à direita.

Até o senador John Lewis, ícone da luta pelos direitos civis nos EUA, referência da comunidade negra – ou afro-americana, como eles gostam de dizer, vá lá saber-se porquê – manifestou ruidosamente a sua recusa em comparecer à tomada de posse de Trump por considerá-lo um presidente ilegítimo. Porquê? [Read more…]

Com a faca e o queijo na mão

putin

Obama dá ordem de expulsão de elementos dos serviços secretos russos em território americano. Em resposta, Sergey Lavrov sugere troco na mesma moeda. É então que Putin entra em cena, coloca a proposta de Lavrov em stand-by, aguardando pela tomada de posse de Trump que acontece dentro de poucos dias, e aproveita a deixa para acusar o ainda presidente dos EUA de “diplomacia irresponsável”.

Vou adorar ver os fofos dos liberais anti-Obama, que não se cansaram de lançar foguetes envergonhados quando Trump venceu as eleições, e que passam a vida a recordar-nos dos perigos que Putin representa para o planeta Terra, quando Trump estiver devidamente domesticado pelo tirano russo. Mas isto sou eu que sou um exagerado.

Obrigado, FBI, deve Trump estar a pensar

Depois de uma América onde se fez caça às bruxas por causa dos comunas, eis um presidente eleito com apoio da Rússia e, possivelmente, no caso dos email, auxiliado pela pátria dos comunistas.

Não admira que Trump goste tanto de Putin

Rússia fecha escritório da Amnistia Internacional em Moscovo [Expresso]

A politização dos Jogos Olímpicos

As suspensões, como as sanções, quando nascem, não são para todos. Nos Jogos Olímpicos como no negócio do petróleo.

Se não puderes robalo, vende-o

image

Os robalos do Vara têm agora um golpe de azeite do espião descuidado para tempero. Esperemos que a nossa investigação criminal continue o seu bom trabalho e que nos traga as batatas e os brócolos que faltam para complementar a bela grelhada.

Curiosamente, a contribuição do azeite em interessantes negócios internacionais não é inédita. Consta que essa foi uma das primórdias actividades de um famoso italo-americano conhecido por Don Corleoni. O que demonstra a necessidade de uma profunda reestruturação da investigação criminal. Neste contexto agro-criminal, a experiência da ASAE com embalagens e prazos de validade poderá ser o factor catalisador do sucesso.

Eleições? Quais eleições?

Kremlin acusa “serviços secretos estrangeiros” de pretenderem perturbar as eleições na Rússia” [DN]

Belicismo meteorologico

Céu pouco nublado e vento fraco: um belo dia para bombardear a Síria.