Guerra na Ucrânia, a sopa

Eu sei que anda tudo doido. Alguns acham que é o efeito das vacinas, dos tais chips do Bill. E de terem descoberto que a terra é plana. Até hoje. O dia em que o Kremlin conseguiu ultrapassar todos estes doidos de uma só vez:

https://observador.pt/2022/04/08/kremlin-acusa-ucrania-de-esconder-receita-de-sopa-de-beterraba-xenofobia-nazismo-e-extremismo/

O PZP

Manual do militante do PZP:

1. Não é uma invasão, é uma operação militar.

2. Não é a Rússia, é o imperialismo americano, europeu, ocidental, da NATO, dos nazis ucranianos, do Bill Gates e dos chips das vacinas.

3. A culpa é do Zelensky porque não se rendeu. E do seu Povo que não fugiu. E de terem pegado em armas. E de quererem acabar com o SEF.

4. Os responsáveis, além de todos os anteriores, são os jornalistas (e os OCS) que estão todos manipulados e ao serviço do imperialismo ocidental. E do Pinto da Costa, de certeza.

5. Em caso de dúvida, contactar a Soeiro Pereira Gomes ou a Associação Nacional dos Negacionistas do 7° Dia.

Somos governados por negacionistas

Nestes tempos que vivemos, aos olhos do Estado e sua armada, a linha entre céticos e negacionistas é bastante ténue. Toda e qualquer atitude que questione decisões do Governo ou das altas instituições em relação à pandemia é intitulada de negacionismo. Os progressistas de antigamente combatiam o sistema em busca de algo mais, os de hoje tornaram-se servos do Estado sem saber muito bem porquê. Talvez por todos termos cada vez mais poder nas mãos, podendo dar opiniões em plataformas ao alcance de qualquer um, boa parte da sociedade deixou de reconhecer o cinzento e tornou tudo numa questão de preto ou branco.

Questionar a necessidade de máscaras com 85% da sociedade vacinada é negacionismo? Questionar a necessidade de máscaras em salas de aula com indivíduos vacinados e que pertencem a um grupo etário com taxa de mortalidade praticamente nula, prejudicando a aprendizagem e dando mais probabilidade a problemas de saúde a longo prazo, é negacionismo? Questionar a eficácia das vacinas, devido aos rumores de uma possível terceira dose ou não, é negacionismo? Questionar as imposições feitas às pessoas que são divididas entre vacinados e não-vacinados é negacionismo? [Read more…]

Novidades da chaluposfera: o vulcão de La Palma é uma fraude

E “prontos”, a chalupice voltou a fazer das suas.

Pelos vistos, o vulcão em La Palma é uma mentira. Ou então foi o Pedro Sanchez, esse grande comuna da nova ordem mundial, que o pôs a funcionar. Havendo outros, ainda, que garantem tratar-se de um golpe da dupla Gates/Soros, para nos desviar as atenções da vacina, dos chips e das seitas de Hollywood que se mantêm jovens através da ingestão de plasma de bebé (comer crianças é coisa de comuna, não de gente hiper chique de LA).

Alguém avise o Magalhães Lemos.

Conversas Vadias 26

Na vigésima sexta edição das Conversas Vadias, estiveram presentes os vadios João Mendes, Orlando Sousa, António de Almeida, José Mário Teixeira, Diogo Hoffbauer, Francisco Miguel Valada, Carlos Araújo Alves e António Fernando Nabais. Vadiou-se pelo primeiro lugar do campeonato nacional de futebol, criticou-se o modo como o PS está a tentar influenciar as eleições autárquicas, de bazuca na mão, passou-se por Ferro Rodrigues como carrasco e como vítima, aventou-se a possibilidade de ser necessário passar a usar fralda para combater a pandemia e fizeram-se sugestões de livros, de museus, de séries de televisão e de lições de vida que incluem o amor ao próximo, dependendo do próximo.

Aventar Podcast
Aventar Podcast
Conversas Vadias 26







/

E se os chalupas que tentaram agredir Gouveia e Melo fossem de esquerda, Ventura?

O que se passou há dois dias com o vice-almirante Gouveia e Melo é a ilustração perfeita do quanto a extrema-direita defende os interesses dos militares, e das forças de segurança em geral, que é nada, excepto quando a defesa desses interesses se cruza com os interesses pessoais se André Ventura. Imaginem que o vice-almirante era cercado por uma manifestação de esquerda, ainda que pequena e insignificante como aquele ajuntamento de chalupas que ontem vimos, sendo igualmente insultado como ontem foi. Ventura e as venturettes teriam rasgado todas as vestes do armário de onde saíram. Como foram negacionistas, importante base de apoio dos neofascistas, nem um pio se ouviu ou leu da parte do Bolsonaro português. Nem vai ouvir, pelo simples facto de que Ventura se está perfeitamente nas tintas para militares, policias ou quem quer que seja. Para Ventura existe apenas Ventura. Nada mais.

Censurar a imprensa, e outras metodologias neofascistas do Chega

Na manifestação convocada pelo Chega – que é o mesmo que dizer “pelo André Ventura” – em frente à residência oficial do primeiro-ministro, onde uma imensa multidão de 150 pessoas, mais facho, menos facho, protestaram contra as medidas de combate à pandemia, o novo normal neofascista repetiu-se: um jornalista do Expresso foi impedido de fotografar a manifestação pela segurança de André Ventura e retirado do local à força, mesmo nas barbas de Ventura, sem que o deputado da nação mexesse uma palha para salvaguardar o direito daquele profissional a exercer a sua profissão. Nada que surpreenda. Não é a primeira, nem a segunda vez, e, seguramente, não será a última, a menos que se começam a meter os extremistas do Chega na ordem, como não aconteceu na manifestação do Movimento Zero.

[Read more…]

Covidiotas “pela verdade”

Um tipo saudável, na casa dos 40/50 anos, que pratica exercício e corre a ocasional maratona, teve covid. A doença, que uma cambada de idiotas afirma não existir, destruiu-lhe os dois pulmões. Fui sujeito a um duplo transplante pulmonar. Safou-se. Outros não tiveram igual sorte. E outros, muitos outros, lutam contra as sequelas, como aquela jovem nadadora de 15 anos, que vi ontem no telejornal, e que nunca mais voltou à piscina, onde passava três horas por dia. Mas a cambada de idiotas, presumidos cientistas e especialistas em porra nenhuma, viram um vídeo no YouTube, feito por outro idiota de igual calibre, e descobriram a conspiração do século. Raispartam os covidiotas.

[Read more…]

Extrema-direita e negacionistas: um bromance de ódio ignorância e oportunismo

O Relatório Anual de Segurança Interna de 2020 alerta para aquilo que só ainda não viu quem não quis: que a extrema-direita e os negacionistas da pandemia se aproximaram. Que andam, na maior parte dos casos, de mão dada.

Para além da ameaça que isto representa para a segurança de todos os portugueses, da nação e da própria democracia, existe uma outra perversidade nesta questão, que consiste em arrastar consigo um debate que pode e deve ser feito, mas que está minado pelo negacionismo, embrulhando, na mesma bola de neve, chalupas irresponsaveis e pessoas bem intencionadas, que questionam, com toda a legitimidade e rigor, várias opções que foram e estão a ser feitas, no domínio social e económico.

É preciso separar as águas. É preciso que quem levanta questões pertinentes não seja confundido com malucos doutorados por páginas “da verdade”. Até nisto, a extrema-direita, ela própria a viver uma fase de negacionismo científico que é anterior à pandemia, é um vírus para o qual urge encontrar uma vacina. Nunca a nossa democracia esteve tão ameaçada. E não são as medidas de confinamento, aplicadas em todas as democracias liberais europeias, a causa do problema. Essas são temporárias. O problema são aqueles que pretendem aplicar outro tipo de medidas de confinamento. Permanentes.

Ditadura sanitária selectiva

No início de Fevereiro, um homem foi multado em 200€, por estar a consumir um pacote de gomas, à porta de uma dessas pseudo-lojas de máquinas de vending que se vêm cada vez mais por aí. Como ele, centenas de outros portugueses foram sujeitos à aplicação das leis em vigor, sempre aprovadas com uma confortável maioria parlamentar, que resultaram em multas, detenções e confusões.

Um mês depois, cerca de 3 mil (so they say) negacionistas e activistas contra o uso de máscara e confinamento juntaram-se no Rossio, para protestar contra as medidas de combate à pandemia, sem máscara ou respeito pelas normas de distanciamento social, colocando em risco a saúde de milhares de pessoas e a recuperação económica, sob o olhar atento da PSP, que não conseguiu ser tão valente como o foi com o degustador de gomas e tantos outros portugueses. Uma gritante dualidade de critérios e pelo menos meio milhão de euros em multas por cobrar.

E lá andavam eles, revoltadissimos, com cartazes da ditadura e mais não sei o quê, sem que meia bastonada ou coima lhes fosse aplicada. Quando isto passar, seria importante que as farmacêuticas se dedicassem ao desenvolvimento de uma vacina contra a falta de noção. Fica a dica.