Quando os papéis se invertem

via Uma Página Numa Rede Social

Para acabar o dia, e a propósito da troca de presentes entre o Papa Francisco e Trump.
Durante séculos, a Igreja foi considerada um dos maiores entraves à evolução da Ciência. Há mesmo quem diga que o estado actual da ciência poderia estar cerca de cem anos mais avançado, se não tivesse existido a repressão que a Igreja Católica aplicou, na Idade Média, sobre cientistas cujas descobertas contestavam os dogmas teológicos.
Pois bem, avançamos até ao presente e estamos no século XXI. Hoje, vimos a Igreja a posicionar-se ao lado da ciência, quando o Papa Francisco entregou a Trump uma carta de consciencialização para as alterações climáticas resultantes da poluição humana.
Reparem bem no insólito: o líder de um dos países mais avançados do planeta Terra, uma pessoa que deveria ter a capacidade intelectual para compreender a importância deste tema e que tem ao seu dispor recursos científicos quase infinitos, este homem teve de ser chamado à razão por um líder religioso, precisamente, num tema de natureza exclusivamente científica.
Hoje, um sacerdote indicou a um governante que a nossa existência neste planeta está em risco, não por intervenção divina, mas por irresponsabilidade grosseira e ignorância humana.
Dá que pensar, não dá?

Imagem via Osservatore Romano/Handout/Reuters@Exame.com

O PCP e a Geringonça

Há quem pense que o PCP está a “correr riscos” com a Geringonça. Engana-se.
A solidez estrutural do Partido Comunista só tem paralelo, em Portugal, na Igreja Católica. E o PCP tem a vantagem de não conhecer o conceito de Pecado.

A Igreja Católica? Estava a protestar contra a manifestações

ICdA

Percebes Jorge? Em 2012, quando o governo amarelo laranja e azul do PSD e do CDS-PP aplicava cortes violentos, não só na Educação como na Saúde ou em salários e pensões, o então cardeal Patriarca D. José Policarpo afirmava que manifestações de rua não resolviam os problemas do país e que eram “uma corrosão da harmonia democrática“. Em suma, o líder da Igreja Católica em Portugal concluía que “não se resolve nada contestando“. Era portanto aqui que estava a Igreja Católica, e não há registo que qualquer um dos actuais líderes, que decidiu por estes dias apoiar a causa dos colégios privados, tivesse contestado as declarações do cardeal. Como não há, com uma ou outra rara excepção de uma ovelha tresmalhada do rebanho do Senhor, qualquer registo de apoio da Conferência Episcopal às diferentes manifestações contra cortes ou contras a delapidação de direitos sociais que aconteceram durante o consulado de Passos Coelho e Paulo Portas. Hipocrisia? Talvez. Mas acima de tudo a agenda política de uma instituição que supostamente não a tem.

Fotomontagem via Acordar Portugal

 

Igreja católica junta-se aos amarelos

2016-05-29 - igreja junta-se aos amarelos

A Igreja Católica vai juntar-se à manifestação de hoje em defesa dos contratos de associação. A Conferência Episcopal Portuguesa referiu ontem ter tomado conhecimento da “grande manifestação” marcada para este domingo “na defesa do direito constitucional da liberdade de ensino”. Nesse sentido, os bispos quiseram “manifestar o apoio a esta e a outras iniciativas” contra os cortes nos contratos de associação. [Ana Bela Ferreira e Carlos Rodrigues Lima, in DN, 29/05/2016]

Só uma pequena questão para suas Eminências Amarelas: onde estavam quando PSD & CDS tomaram medidas que colocaram milhares de professores no desemprego? Já se sabia que a estupidez, contrariamente à inteligência, é ilimitada. Agora podemos juntar a hipocrisia a esta lista.

Uma Escola Universal

Que o Estado português e a Igreja Católica portuguesa, representada pela Companhia de Jesus, criem uma rede pública de Escolas, com uma unidade de ensino em cada distrito do território nacional e unidades exteriores em todos os continentes, para tal usando a rede diplomática da CPLP, assim como as parcerias estratégicas já estabelecidas pela diplomacia portuguesa e pela Companhia de Jesus desde há 500 anos.

[Read more…]

Dominicus

Amarelo

É muito curioso o facto de os colégios privados em protesto terem todos escolhido a mesma cor para a camisoleta. Além disso, deve registar-se, com satisfação democrática, o súbito aparecimento, no palco da contestação pública, de instituições que nos últimos anos primaram pelo silêncio, para não dizer cumplicidade, que é uma palavra muito forte, ante a barbárie social que assolou o país. É caso para dizer que quem está vivo sempre aparece.

Marcelo não é Charlie

MRS

pelo menos não era em 1996:

Vejo com preocupação que num canal com serviço público se encontrem mensagens que podem ser consideradas ofensivas de valores partilhados pela maioria dos portugueses e ofensivas de instituições particularmente relevantes como a Igreja Católica.

E que mensagens eram essas? Nada mais nada menos que um sketch humorístico, igual a tantos outros. Seguramente bem menos ofensivo para os católicos do que os cartoons do Charlie Hebdo para os muçulmanos. Por falar em Charlie Hebdo, vejamos o que tem Marcelo, guardião dos valores e defensor da honra católica portuguesa, a dizer sobre o assunto, quase 20 anos depois: [Read more…]