Frio

Num extenso artigo de uma página o Público explica-nos que a crescente mortalidade invernal – que vem subindo desde 2011 e atinge números assustadores no ano corrente – tem um culpado: o frio! E umas complicadas mutações do vírus da gripe, esse sacana. Procurei diligentemente nesse estudo as razões porque diabo tantos portugueses insistem em se expor ao frio. Nada. De modo que deve ser uma nova mania. Há pessoas que desligam a luz, o gás e todos os sistemas que as poderiam aquecer. Outras que entregam as suas casas ao banco e vão viver para sítios esquisitos. Há pessoas que fazem dietas tão radicais que chegam a deixar de comer. Há até – imaginem! – pessoas que insistem em dormir na rua. Depois, acabam por ir para os hospitais que, apesar do esforço de razia…, perdão, racionalização promovida pelo ministro da tutela parecem não ser capazes de dar cabal resposta à situação. Porque será, estranho eu? O Público não explica. Devem ser os maus hábitos dos portugueses. Que esquecem que está à solta o inimigo de todos os maus costumes:o frio, bandido e único culpado. Diz o Público. É isso. O frio o frio o frio.

É que está um calor que nem se pode

Câmara de Lisboa desativou plano de contingência para sem-abrigo devido a frio

Frio por Antecipação

frio2Cuidado, vai estar frio.

Estamos em Janeiro, em pleno Inverno, e como notícia dos jornais e das rádios sabe-se que a partir de sábado vai estar frio. Mas não é um frio qualquer, é um frio mesmo frio. Daqueles que gelam.

As temperaturas podem vir a descer 4 a 6 graus, mais do que é costume. Caramba, que cambada de mariquinhas.

Onde vivem as pessoas que consideram isto uma notícia? Vai estar frio porque é o tempo dele!

As temperaturas descem?, ponham mais uma camisola. É que estamos a falar de temperaturas médias de 4 a 9 graus (para as mínimas) que se podem transformar em 0 a 5 graus.

E, como se nada mais houvesse para dizer, transforma-se hoje, terça-feira, em notícia, o frio que poderá chegar no sábado.

 

Vem aí um Frio do Caraças

É já amanhã ou depois.

Venho por este meio avisar todos os que fazem o favor de me ler que têm que ter muito cuidado.

Contra todas as expectativas vem por aí um frio do caraças.
Dizem que vem do Norte da Europa e que até é Polar. Já passou pela senhora Merkel e pelo senhor Sarkosy.
As temperaturas vão descer até onde nunca foi sentido nem é comum nesta época do ano. Há até zonas onde as temperaturas vão descer abaixo de zero, caramba.
Assim, e apesar de estarmos em Fevereiro, portanto a meio do Inverno, por favor agasalhem-se, tenham cuidado com as lareiras e aquecedores porque estamos em período de seca moderada a forte em Portugal, tragam mantas no carro e tirem os cobertores dos armários.
Lembrem-se que existem luvas e camisolas de lã e também que os cachecóis foram feitos para serem usados. Usem várias peças de roupa, umas por cima das outras, e por causa da crise económica e de valores, tornem a utilizar as botijas de água quente que se usavam antigamente.
Bebam bebidas quentes, mas evitem o álcool, e não aqueçam as mãos com os cigarros.
Não sei o que seriam sem mim e sem o senhor George ou sem o Instituto de Metereologia ou até mesmo sem a Proteção Civil. Morriam todos!
Quem vos avisa vosso amigo é!

O nosso pobre saber agricola

rosa da paz

a rosa da paz

Nos tempos que correm apenas podemos pensar sobre 

O NOSSO POBRE SABER AGRÍCOLA

O título do ensaio não é ironia, é uma lembrança de uma questão colocada a minha filha mais velha, nos dias dos seus cinco anos. Vínhamos da Grã-Bretanha, por causa de saber se o socialismo materialista histórico votado em sufrágio universal, tinha ou não sucesso. Bem sabemos hoje que assim não foi. Mas, tornemos aos anos 70-73 e a questão colocada a Paula; filha, de onde nascem as alfaces? A sua resposta foi simples; dos cestos do mercado, sítio certo das compras da sua mãe, quem se acompanhava com ela, ainda não habituada a estar de volta ao País do Frio ou Chili em língua Quechua. Especialmente ao sítio solicitado por mim, ao nosso Reitor da Pontifícia Universidade Católica do Chile; la sede de Talca, porque era denominada a cidade o rim da aristocracia chilena. Era da Província do Maule, espaço geográfico onde se encontravam os maiores latifúndios do país. O objectivo do Presidente era a reforma agrária e entregar a terra a quem a trabalhava e não apenas ser da propriedade de uma família que estava sempre em Santiago, por serem profissionais e por causa do estudo dos filhos. A

[Read more…]

Vento preso à cidade

(adão cruz)
A noite passou já as estrelas se apagaram novo sol não tarda já doura o fio dos montes e o fantasma é um lençol no meio do chão porque eu sou o vencedor de todos os fantasmas.

[Read more…]

Como Se Fora Um Conto – Brrrr, Que Frio!

QUE DRAMA, ESTÁ FRIO!

Brrrrr … Que frio!

Mais um drama se abateu sobre os cidadãos portugueses. Já não bastava a recessão que teima em não acabar, veio agora o frio.

Nestes dias, a temperatura desceu muito. Os termómetros marcam valores abaixo de zero em quase todos os locais do país, e parece que vai continuar assim mais algum tempo.

Portugal tirita de frio.

As rádios e as televisões desdobram-se em reportagens e entrevistas com os habitantes de Bragança, de Chaves, da Guarda ou da Covilhã. Vão à procura de saber como se sobrevive a tamanha calamidade. Em todo o lado as respostas são as mesmas. Não há grandes variações. – olhe menina, pomos mais uma camisola, acendemos a lareira e já está. De manhã vamos à janela e se está mais fresquito, agasalhámo-nos melhorzinho. A vida é assim, sabe?!

Não é propriamente isso que os repórteres procuram. Então e as dificuldades, então e as tristezas, então e a falta das notícias dos nossos protectores, lá nas aldeias perdidas do interior? Como sabem o que fazer? Não sentem falta de apoio da governação? De quem é a culpa deste estado de coisas? [Read more…]