Os maquinistas, esses nababos


Tem vindo a ser desenvolvida uma campanha na comunicação social e através de intervenções de responsáveis políticos, que retrata os maquinistas e os funcionários das empresas de transportes como gente extremamente bem paga, beneficiários de regalias inusitadas e injustas quando comparados com o resto da população. De forma indirecta sugere-se que a situação de falência técnica actual da empresa se deve a estas enormes regalias dadas aos trabalhadores em geral e ao maquinistas em particular. É óbvio que esta é uma não questão que além de mesquinha, é odiosa.

 

Basta consultar o último Relatório e Contas da CP para constatar que a massa salarial, total, anda pelos 122 milhões de euros, enquanto que o passivo da empresa se cifra nos 3666 milhões de euros. Este passivo equivale a 30 anos de salários pelo que podemos descartar o problema salarial da empresa como a sua maior dificuldade.

Mesmo assim poderia haver situações abusivas, mas nunca foram apresentadas de forma conclusiva. Fala-se sempre, por exemplo, do subsídio de assiduidade. Este subsídio é apresentado qualquer coisa de mau, esquecendo-se de referir que estes subsídios foram criados pelas próprias administrações. Esquecem-se também de reflectir um bocado nas consequências de haver estes subsídios. O que acontece é que se um trabalhador faltar, perde não só o seu salário, como seria de esperar, como também o subsídio, por completo, este em vez de ser um prémio é um castigo, dado que o trabalhador tem a perder muito mais do que o simples dia de trabalho. Também nunca é referido que a reforma é calculada tendo em conta o salário base, ficando os subsídios de fora. Visto desta forma, toda a estrutura de incentivos e subsídios deixa de ser uma regalia para passar a ser um meio de controlo e de coação sobre os trabalhadores, o que é na realidade.

Em parte nenhuma se prova com dados concretos o que se está a afirmar. Por exemplo, Marques Mendes no seu obscuro tempo de antena na TVI, refere que extraiu os dados que anuncia da leitura atenta dos relatórios do Tribunal de Contas, tendo o cuidado de nunca nomear os relatórios de onde extraiu essa informação.

Na verdade, pesquisei com algum cuidado os relatórios do TC relacionados com a CP sem nunca conseguir encontrar os dados referidos por Marques Mendes. Duvido mesmo que existam de todo. Tem acesso aos relatórios do TC seguindo este link – se conseguir encontrar os dados referidos por Marques Mendes, não hesite em deixar um comentário.

É fácil identificar o aparecimento desta campanha e seguir-lhe o desenvolvimento:

Nesta discussão não se trata de defender um ponto de vista, opinião ou política para gestão das empresas. O que está aqui em causa é a falsidade pura e simples, são repetidas mentiras, uma e outra vez, de forma constante, de modo a criar na opinião pública uma imagem distorcida e errada da realidade.

Quem faz as afirmações é quem tem de as provar.

Neste post, também eu, não posso provar sem sombra de dúvidas a falsidade destas afirmações, necessitaria ter acesso aos balancetes da CP para o fazer. Mas posso, no entanto, fazer algumas contas. A tabela salarial dos maquinistas é pública, infelizmente há muita dificuldade em interpretar o seu conteúdo. Pode também usar esta cópia da folha de calculo que está desprotegida e permite a quem tiver esse interesse verificar todo o processo de cálculo.

Eu não sou maquinista e pouco percebo de comboios, mas sei que em qualquer profissão que exija atenção, que exija o cumprimento escrupuloso de normas e procedimentos, para já não falar de reflexos rápidos, o número de horas de trabalho efectivo por dia reduz-se bastante. Vamos admitir que para os maquinistas o número de horas de condução por dia se fica pelas seis horas (e estou a esticar a corda neste aspecto). Por isso o número de minutos de condução fica-se pelos 22x6x60=7920 minutos por mês. A partir daqui estimamos uma velocidade média de 100km/h, ou seja temos 22x6x100=13200km percorridos. Assumimos 44 períodos de trabalho num mês. Estamos agora em condições de calcular o “prémio” mensal, usando os seguintes inputs na folha de cálculo:

Acontece que o prémio é função do índice do trabalhador e do número de diuturnidades, estes parâmetros também afectam o salário base, assim, para cada índice de um técnico-maquinista, temos os seguintes vencimentos:

Lembrar que estes valores são antes de impostos, da contribuição para a segurança social e de todos os outros descontos.

Posso também mostrar alguns recibos de ordenado, reais, de ordenados:


+20 anos de profissão, 4 diuturnidades, topo de categoria
(Clique para obter os recibos completos)

Penso que o anterior deixa claro o facto desta campanha não tem base em factos reais. Quando muito distorce e lança suspeitas sem nunca mostrar a verdade.

O objectivo? Muito sinceramente não sei.


Este assunto já tinha sido tratado no Aventar, veja aqui e aqui.

Sobre Helder Guerreiro

Mantenho o tretas.org, um wiki onde fazemos investigação e preparamos documentação para memória futura do que vai acontecendo em Portugal.

Comments

  1. Johny says:

    Lembro que o mês tem normalmente 22 períodos de trabalho, logo os cálculos do prémio, estão muito exagerados.

    • P/ Johny:

      Tanto melhor! Ficamos do lado da segurança.

      Julgo que exagerei todos os números, especialmente porque se repetem todos os dias o que, imagino, não deve ser normal. De qualquer forma, para 22 períodos de trabalho temos:

  2. Bem escrito, os números concretos ajudam sempre.
    Está em marcha uma campanha para desmantelar, privatizar e/ou encerrar a CP. A “guerra” com os maquinistas é apenas uma parte dessa campanha.
    Quem está hoje à frente da CP já tem atrás de si uma vasta esteira de fracassos em outras empresas públicas, mas nem vou por aí.
    Era importante que os sindicatos do sector ferroviário tomassem consciência da gravidade da situação desta empresa e das intenções reveladas pelos responsáveis, e agissem em conformidade.
    As greves sucessivas a que temos assistido, embora legítimas, são prejudiciais à posição dos trabalhadores e sua imagem perante os utentes, só aceleram a degradação da empresa pública ajudando à dita campanha de destruição em curso.
    Como se diz no futebol, beneficiam o infractor.
    Esta luta, por ter raízes políticas, devia ser travada com inteligência no campo político e não pelos meios usuais (como dantes) como se tratam simples problemas laborais.

    Já agora mais números:
    -foi noticiado que a CP perdeu em receitas com as greves recentes 8 milhões.

    http://www.agenciafinanceira.iol.pt/empresas/cp-greves-comboios-transportes-crise-agencia-financeira/1313073-1728.html

    Eu estimo que a CP tenha perdido, por ano, 20 vezes esse valor pelas sucessivas “estratégias” de gestão, olhando para os números de perda de clientes em completo contraciclo com o resto da Europa (em quase todos os países aumentam a procura, em alguns aumentam fortemente)

    • P/ José Pinto:

      Estou inclinado a concordar consigo.

      O que me ilude é a vantagem que isso trás a esta gente: (i) Todo o mundo está a investir fortemente no transporte de carga e passageiros por caminhos de ferro; (ii) Estamos a viver uma crise energética talvez sem precedentes, isso é mais uma razão para apostar nos caminhos de ferro; (iii) Se quiserem privatizar a empresa, esta está no ponto certo para ser retalhada com vantagem para os amigos (não que isso seja benéfico na minha opinião).

      Ou seja, mesmo na óptica distorcida desta gente o que estão a fazer não faz sentido, é irracional e mau para o futuro do país.

      O único negócio já identificado, indo ao encontro do que disse, é o negócio da concessão dos transportes colectivos de Lisboa e do Porto. Será que querem fazer isto a todos os caminhos de ferro? – Continuo a pensar que não faz sentido, mas estes tipos são muito incompetentes.

      • Infelizmente, os acontecimentos e artigos recentes levam-me a acreditar que os urbanos de Lisboa e Porto, mais os metros respectivos serão concessionados a privados, tornando-se uma renda fixa para o estado e um negócio para os consórcios “amigos” do regime.
        Os “Longo Curso” poderão seguir o mesmo modelo ou ser privatizados no sentido clássico, ou vendidos a empresas públicas estrangeiras (à là “EDP”).
        Os regionais temo que sejam extintos, e para isso interessa “enterrar” a CP em dívidas e apontar bodes expiatórios, os maquinistas, os ferroviários, os utentes…
        O Metro de Mirandela, como é público (municipal) e depende da CP e REFER para funcionar, será imolado em holocausto no altar da “troika”.

      • francisco says:

        Vivem que nem uns REIS ao lado de quem tem de viver com 500€ a ainda tem de pagara para se deslocar no dias de greves !

        • Maquiavel says:

          Ó estúpido, se tens passe reclama à CP e eles pagam-te os dias de greve.
          Se näo sabes,informa-te!

          • maquiavélico mesmo pô says:

            pagam-me os três dias que faltei?
            ora 60 euros mais subsídio de refeição…dá quase para metade do passe

            se nã sabes o qué chegar atrasado num dia com 90 minutos que contam por um dia informa-te
            e o subsídio bai com ele
            500 euros a dividir por 20 dias de trabalho cada dia são 25 eurros

            já 1700 limpos a dividir por 20 uteis como tu…tu

            ou 2500 mais horas extra e suplementos nas 200 horas mensais de serviço

            dá 12,5 euros por hora…+suplementos nã é mau mao…

            é melhor que 20 ou 25 por dia

            acho eu….

          • se sabes, faz um favor e informa toda a gente ;-)

  3. leitor says:

    Mas fica por explicar as noticias de que há maquinistas a ganhar dezenas de milhares… Há realmente, ou não?

    • Carlos Silva says:

      Simples… não!

    • P/ leitor:

      Eu não posso provar que não há, por definição.

      Só quem faz essas afirmações as pode provar – e é fácil, basta mostrar de onde obteve os dados. Infelizmente nunca são apresentados dados concretos, mas se tivermos em atenção os vários sítios onde aparecem estas afirmações, vemos que há coordenação – por isso lhe chamo campanha. Mostrem os recibos de vencimento onde isso aparece. Falam em relatórios do Tribunal de contas onde isso é referido, os relatórios são públicos, indiquem então em que relatório aparecem essas afirmações.

      Do que pesquisei e das simulações que fiz, nunca consegui chegar aos números apontados.

  4. Esteves says:

    Parabéns pelo artigo.

  5. Almeida Alves says:

    Quanto às notícias sobre salários exagerados compete a quem as difundiu prová-las. Quando muito existirá algum caso extraordinário de alguém que trabalhou 30 dias num mês e acumulou ainda subsídio de férias e/ou de Natal o mês em causa. Os números aqui divulgados neste post são absoluta verdade.O salário médio de um maquinista anda pelos 1300 euros líquidos. Eu, felizmente para a gestão diária da minha vida, ainda sei quanto ganho :-)

    António Alves maquinista de caminho-de-ferro (CP) desde 1990.

    • Cabe aos maquinistas e suas organizações desmentir e REPOR a verdade dos factos. É um facto que no sector privado não abundam empregos tão estáveis como o dos maquinistas, e isso atrai invejas.
      Existe uma campanha em marcha como referido acima, não se deixem levar por governantes nem por sindicalistas!

      • Carlos Silva says:

        A malta até repunha… se tivessemos tempo de antena… foi preciso uma greve afetar o natal e o fim de ano para ver o nosso presidente com tempo de antena!!!

  6. Miguel says:

    Venha-se a comprovar que esta campanha com contornos difamatórios é falsa, não deixa de ser tão “responsável”, como as próprias greves sem fim que esses senhores fazem.

    Não deixa de ser lamentável ver alguém fazer afirmações sobre nós, que se falsas, passam uma imagem incorrecta. No entanto, a falta de respeito dos maquinistas para com a restante população é lamentável. E essa imagem já eles não a tiram.

    No entanto, se esta campanha é verdadeira…. Esses senhores são piores que os políticos.

    • Carlos Silva says:

      Meu caro Miguel… não estamos à espera de ter esta ou aquela imagem… a população é que tem (se quiser sair do aconchego do sofá e das pantufas) de tentar descobrir a verdade. Pessoalmente estou farto de ler comentarios idiotas da população e não me dou ao trabalho de as refutar. Dou-me ao trabalho de defender o meu posto de trabalho contra as trafulhices e desmando de uma empresa que durante anos e anos foi arruinada com grande (mesmo grande) ajuda do Estado… não de nós Estado… mas dos tipos a quem nós (Estado) pagamos para gerir as nossas contas… com resultados surpreendentes como vemos

      • Miguel says:

        Já todos sabemos da parte do governo. O que eu sei, é que estamos todos no mesmo barco, com culpa ou não. E num momento em que trabalhar é essencial, há uns quantos que olham para o muito fundo umbigo.

        Se formos a pensar assim, eu prefiro um particular no comando da CP, porque pelo menos dessa forma não fico sem comboio para o trabalho.

  7. Almeida Alves says:

    Esse particular garantir-lhe-à o comboio se tratar decentemente os seus trabalhadores e não agir de má fé e desonestamente como faz quem actualmente manda na CP (desconfia-se que já não é o conselho de administração). Se aparecer um “particular” desses até eu o apoio..

  8. Maquinista mal pago says:

    Só é pena que ninguém fale na poderosa máquina que tem a CP e a Refer em doutores e engenheiros que nada percebem de caminho de ferro, levando (esses sim) as empresas á falência quer pelos altos ordenados e regalias quer pela má gestão que vão efectuando.

    • torna essa poderosa máquina publica.
      nomes, como chegaram ao cargo, ordenados e mordomias, o que fazem….

  9. P/ Maquinista (#18):

    O interessante era podermos analisar o balancete da CP (e de todas as empresas públicas). Seria trivial vermos onde são aplicados os fundos. Os relatórios e contas mostram apenas os grandes números e há inúmeras formas de torturar os números até que eles digam o que nós queremos. Com os dados em bruto já não é bem assim.

  10. Utente says:

    Sr Carlos Silva tem mesmo arrogância de maquinista prepotente!
    A população não tem que descobrir nada! Está à vista o que o sindicato e a respetiva classe são!

  11. henrique carvalho says:

    HENRIQUE CARVALHO

    É lamentável que as pessoas deste pais não sejam unidos pela mesma causa,quando vejo alguma classe trabalhadora a reivindicar algo pelos seus direitos acredito plenamente nos seus problemas,será que alguém ainda acredita que a entidade patronal só pensa no bem estar do trabalhador ou em sustentar os seus cargos e garantir tacho para subir de poleiro ????
    eu estou do lado de todos os trabalhadores deste pais e não pelos que usam gravata e viajam em carro pago pelas empresas onde trabalham, e a custa do suor dos mais pequenos subirem depois para outras empresas.
    Por haver tantos portugueses a acreditar no “pai natal ” é que temos o portugal que temos…

  12. henrique carvalho says:

    HENRIQUE CARVALHO

    Em resposta ao Sr.Miguel quando fala em preferir um particular a gerir a CP, relembro-lhe que os preços que o senhor irá pagar serão bem mais caros dos que paga actualmente,e será se onde os empregados se sentem explorados o senhor viaja feliz ???

  13. Miguel says:

    Sr. Henrique Carvalho, não me sentiria feliz. Em lado algum gosto de ver abusos de poder e falta de respeito pelo outro.

    Os maquinistas têm todo direito à greve, mas por favor, vamos ser responsáveis.

  14. Artur Sousa says:

    Artigo excelente.

    Aqui sim retrata-se a realidade da situação.

  15. Luis Sirgado says:

    Consta que o Sindicato dos Maquinistas (SMAQ), farto de suportar a desonestidade intelectual de políticos e plumitivos ignorantes com bancada cativa e bem paga nas TV’s e jornais, e na senda de empresas como a Jerónimo Martins, também vai deslocalizar a sua sede para a Holanda. Promoverá a partir daí, e a coberto do direito europeu, a defesa dos interesses legítimos dos seus associados. Como sabemos, a Holanda não é apenas conhecida pelo seu sistema fiscal e mercados estáveis. É também conhecida por nela os acordos e a lei serem sagrados e o sistema judicial funcionar em tempo útil; não sendo necessário os sindicatos decretarem greves para obter coisas tão elementares como o cumprimento de acordos ou da lei.

    Este país do Norte da Europa, onde segundo Max Weber, um dos pais fundadores da moderna sociologia, o rigor, honestidade e apego à palavra dada da sua classe empresarial esteve na origem do capitalismo, é igualmente conhecido por tratar bem os seus cidadãos e trabalhadores proporcionando-lhes um dos melhores níveis de vida do continente europeu. Já na Idade Média os seus agricultores, os primeiros a produzir vacas de modo intensivo e com métodos empresariais e científicos, descobriram que quanto melhor as tratavam mais leite elas produziam. Ainda hoje na Holanda as vacas são mais bem tratadas que o povo e os trabalhadores em Portugal.

  16. malicivs says:

    outros números que devem ser analizados e que mostram bem para onde vai o dinheiro dos salários dentro da CP: “A CP – Comboios de Portugal EPE é a empresa do Estado com mais chefias na sua estrutura. São 196 e cada um ganha, em média, 3,1 mil euros brutos mensais, em que acrescem as despesas de representação de cerca de 500 euros, avança o Diário Económico. Já ontem o i havia noticiado que as empresas públicas têm em média 60 chefes. ”

    http://www1.ionline.pt/conteudo/79451-cp-e-lider-do-ranking-empresas-com-mais-chefias-

  17. Alguém says:

    Quanto aos privados, não se fiem que será muito melhor! Atentem ao caso do Reino Unido, onde nem sequer há um sistema de controlo de velocidade digno de primeiro mundo e tem havido vários incidentes e acidentes, no mínimo, curiosos.

    http://raib.gov.uk/publications/immediate_cause_and_causal_factors_database/immediate_cause___investigation_reports.cfm

    Quanto aos privados em Portugal, um olhar atento aos comboios do único operador privado de comboios de passageiros em Portugal e é patente a olho nu a degradação dos mesmos!

  18. Já agora uma deixa para os extraordinários:
    quem tem IHT sempre recebeu variáveis no s. férias e 13º mês, porque antigamente eram pagas 23 horas extraordinárias e agora foram indexadas ao vencimento com mais 20% mesmo na situação atual continuam a ser pagos extraordinários todos os meses aos abrangidos por este sistema.

    Edição: Passei o comentário de maiúsculas para minúsculas – HG

  19. knifesonfire says:

    o direito á greve e quererer-se mudar as mentalidades exploratórias e económicas(onde o k os administradores poupam acaba por ir parar aos seus bolsos)é digna genuina conduzem maquinas modernissimas c milhares de pessoas lá dentro..!!não é só um utente..!!há mt responsabilidade ao contrário dos srs de gravata que parasitam os nossos bolsos e os sujos k compram com o seu poder..LUTEM PELOS VOSSOS DIREITOS sou neto de um chefe de estação falecido á mais de 20 anos e o foi durante mais de 4o.bem haja

  20. João Pereira says:

    Ao ver a tua choradeira de post, deu-me uma vontade enorme de ir ver relatórios de contas e adorei!
    Em 2011, os trabalhadores da CP tiveram 83 dias para ter um café da manha mais prologado ( com umas greveszitas parciais ) e 12 dias de férias com umas ferias totais! Não é fantástico!
    E como ” tu ” dizes, quem acusa, que comprove. Deixo aqui a comprovação. Página 14 do vosso relatório de contas.

    http://www.cp.pt/StaticFiles/CP/Imagens/PDF/Institucional/Relatorios%20Financeiros/2011/relatorio_gestao.pdf

    Força carissimos!

    • Podia-te responder melhor se percebesse o que tentas dizer (ignorando os adjectivos). Eis a página 14 do documento que lincas:

      Consegues explicar o que queres dizer?

      • tem lá para o meio o quadro com os dias de greve, de greve parcial e tal.

        • E isso comprova os salários milionários do maquinistas?

          • nem eu disse isso.
            mas comprova que as vossas greves só fodem quem vos paga o ordenado e quem justifica a vossa existência.
            quem vocês querem atingir, passa incólume, no alto do seu pedestal, com a vossa conivência, bem como com a do sindicato…

    • Carlos de Sá says:

      Estás em vantagem, pá! Eu não sou um boy pago pelo dinheiro dos impostos, logo não tenho muito tempo para ler relatórios. Mas, por outro lado, parece que nem sabes ler – o que é conforme ao estatuto de boy laranja…

  21. antónio says:

    Ai ganha 50 000 euros / ano !!??
    Pôrra … estão a roubar-me 35 000 euros
    Realmente, isto é um país de Ladrões, de Crentes e de Ignorantes, também!

  22. Para as pessoas ficarem com uma ideia de quanto ganha um maquinista. Por exemplo o maquinista para conduzir o Alfa Pendular Faro – Porto faz 5h. 44m de condução com a preparação do comboio, ensaios de freio e instrumentos, manobras para entregar à estação e resguardo, completa as 8 horas de serviço diárias. O comboio transporta 301 passageiros os passageiros em 1ª classe pagam cada 70 Euros e em classe turística cada passageiro paga 51 Euros. O salário diário do maquinista Técnico, que está habilitado a conduzir este comboio é de aproximadamente 43 Euros dia, portanto o preço de um lugar dá para pagar ao maquinista e ainda sobra! É muito? É pouco, isso depende do ponto de vista de cada um. Só sei que um dia deste me sentei na cadeira do dentista e em menos de 15 minutos paguei 80 euros!

  23. Jaquim says:

    O povo devia-se era revoltar contra estes parasitas e no dia seguinte levarem uma bela duma maquia!!! Se quisessem protestar não cobravam bilhetes, cambada de parasitas!

  24. O importante não é saber quem requisitou as regalias excessivas para esta classe de trabalhadores, se foram os sindicatos ou as administrações. O que importa é saber que elas existem. O que importa não é saber se A ou B ganha X ou Y certamente que quando se faz um artigo que denuncia casos de maquinistas que ganham 50 mil , não se está a dizer que todos ganham isso. Mas que há os que o ganham.
    Todos sabemos ou desconfiamos que as empresas públicas são monstros de despesismo e má gestão… passiveis de ser sustentáveis mas sempre insustentáveis.
    Não creio que seja assim tão fácil perceber se os salários são ou não justos, basta saber que devido aos subsídios e mais subsídios acaba por se criar muitas categorias de salários. Um maquinista pode ganhar 800 outro pode ganhar 5 mil e isso também está errado.
    Acho que basta saber que estas empresas são geridas por boys para percebermos que muita coisa está mal e deveria mudar. Para bem dos que ganham mal e trabalham muito e para mal dos que ganham bem e trabalham pouco.
    ESTA SEMANA . “A CP está a renovar os carros aos seus directores, tendo os veículos começado a chegar quinta-feira à sede da empresa pública que fechou as contas do ano passado com um prejuízo de 289,4 milhões de euros e uma dívida de 3,5 mil milhões de euros.”
    Acesse ao Artigo completo: http://apodrecetuga.blogspot.com/#ixzz2C1yv7Wao

    “Na CP, os prejuízos ascenderam em 2008 aos 190 milhões de euros,
    Na Administração do Porto de Lisboa, os aumentos foram menores, mas igualmente milionários. Natércia Cabral, a presidente, passou a ganhar 6357,48 euros e os vogais 5438,52 euros, uma subida de 34% e de 29%, respectivamente. “CM
    Acesse ao Artigo completo: http://apodrecetuga.blogspot.com/2011/05/mais-um-escandalo.html#ixzz2C1zA9ejD

    OS ESTALEIROS DE VIANA… OUTRO EXEMPLO DE REGALIAS INSUSTENTÁVEIS
    Mais dados e curiosidades sobre os estaleiros
    1 – Há dois anos que, tirando operações de limpeza e manutenção, os trabalhadores limitam-se a cumprir horário, sem nada para fazer.
    2 – Tem dois asfalteiros para construir, mas não tem verba para iniciar, “Tem trabalho e trabalhadores e não produz”.
    3 – A empresa está em falência técnica, com um capital próprio negativo de quase milhões
    4 – Segundo Veiga Anjos tem regalias exageradas;
    5 – Horário de trabalho de 37 horas apenas.
    6 – Fundo de pensões “escandaloso”, atribuído até a quem saíra da empresa antes da reforma.
    7 – Refeições gratuitas, apesar de ser pago subsídio de refeição……….
    Acesse ao Artigo completo: http://apodrecetuga.blogspot.com/2012/04/os-estaleiros-de-viana-do-castelo.html#ixzz2C1zditJT

    • O que importa não é saber se A ou B ganha X ou Y certamente que quando se faz um artigo que denuncia casos de maquinistas que ganham 50 mil , não se está a dizer que todos ganham isso. Mas que há os que o ganham.

      O problema é que não há nem me parece ser possível haver tendo em conta o processo de calculo dos salários. Note que eu não posso provar isso, para o fazer tinha de ter todos os recibos de salário de todos os maquinistas em todos os tempos (e mesmo assim pode-se sempre alegar que perdi um desses recibos, justamente o que pagava os 50000EUR…). Por outro lado, para quem afirma isso, é muito fácil. Basta dizer: em tal sítio encontram provas da existência de maquinistas a ganharem 50000EUR/ano. – Isso nunca foi feito. – Isto é uma questão de lógica.

      • Não há provas de que ganham, mas quem escreve os artigos na imprensa, certamente teve acesso a dados que o provam, caso contrário os visados já teriam pedido satisfações por difamação… e eu sei que o fazem. Por isso se está publicado e não foi retaliado, é porque quem o escreveu tem provas. Os funcionários, muitos dos que aqui negam o caso, não significa que estejam a mentir, apenas que desconhecem muitas das falcatruas e injustiças que se praticam na empresa. Aliás a postura normal de um funcionário, ao ler isto, não seria negar que assim seja, mas sentir-se injustiçado, se não faz parte da elite.
        Em quem devemos acreditar? Na imprensa, ou em funcionários que há décadas sentem que podem exigir sempre mais e mais regalias? Isso é que tb há que ponderar. Eu trabalhei numa empresa de transportes com cerca de 1000 funcionários, e se publicassem um artigo a afirmar que havia funcionários, lá dentro, a ganhar 5 mil e eu apenas ganhava 500, a minha postura era indignar-me e não negar, pois tenho a certeza que desconhecia a maioria dos salários dos meus colegas…

        • Que chorrilho de asneiras! – veja aqui… Do ponto de vista lógico não faz sentido o que escreveu. Uma caixa de comentários é parca para lhe conseguir mostrar até que ponto o seu raciocínio é errado.

          Repare bem, eu não posso provar que não existe alguém a ganhar os 50000 sem ter acesso, por exemplo, a todos os recibos de salário. Além de ser uma tarefa fantástica, você podia sempre dizer que o recibo se tinha perdido. Quem tem de provar as afirmações é quem as faz. Penso que isto é uma coisa tão simples que qualquer pessoa concordará. Nos tribunais é a acusação que tem de provar a culpa, não é o réu quem tem de provar a inocência, mesmo que seja acusado por gente, veja lá, da imprensa…

          Pegue na tabela salarial dos maquinistas e mostre ao mundo como é possível ganhar 50000€/ano. Ou então mostre os documentos que o provam. É simples na verdade.

          Lamento não poder responder mais.

          • Eu não disse que tínhamos que provar, eu disse que os jornais que divulgaram esta noticia, é que tiveram certamente que provar o que escreveram. Não percebi o seu comentário, muito menos a sua forma agressiva de classificar o meu. Apenas disse que os jornais que divulgaram esta noticia devem ter provas do que escrevem, não entendo onde é que isso é um CHORRILHO DE ASNEIRAS?

          • Se o meu comentário parece agressivo, peço desculpa, não é esse o objectivo.

            Apenas disse que os jornais que divulgaram esta noticia devem ter provas do que escrevem, não entendo onde é que isso é um CHORRILHO DE ASNEIRAS?

            É sim. E com “chorrilho” não quero dizer mais do que o que vem no dicionário.

            Não podemos assumir que só por vir escrito num jornal haja provas seja do que for. Podemos quando muito dar-lhe alguma atenção mais. Neste caso concreto não há uma única reportagem sobre ele, são sempre artigos de opinião e declarações do Marques Mendes – por isso falar em “imprensa” já é esticar a corda. Além disso, um apelo à autoridade não serve de argumento (por isso linquei a página da wikipédia com a definição desta falácia). Que fácil seria encerrar esta questão se mostrassem as provas. Penso que não é pedir muito. Ninguém tinha de acreditar em coisa nenhuma.

            Depois fala da empresa onde trabalhou. Para os maquinistas os salários são conhecidos, são sujeitos a negociação colectiva, logo não há segredos (o que tb me leva a não acreditar nos opinadores). O relatório e contas tb é público, pelo que se tem uma boa ideia do que se passa na empresa.

            Menciona tb qq coisa acerca de retaliação. Eu não sou advogado mas penso que acusar uma classe de pessoas (não uma pessoa especificamente) de ganhar muito seja considerado difamação. Mentir num jornal tb não é crime, caso contrário os nossos políticos estavam todos presos.

            E assim vai…

          • “De acordo com a folha salarial da CP a que o SOL teve acesso, um inspector-chefe de tracção recebe 52,3 mil euros, há maquinistas com salários superiores a 40 mil euros e operadores de revisão e venda com remunerações que ultrapassam os 30 mil euros por ano.” Portanto para si esta informação não possui valor? Eles tiveram acesso à prova, mas, não conta? Portanto os jornais escrevem o que querem?
            Afirma depois que os salários dos maquinistas são negociados e conhecidos… e os subsídios, diuturnidades, prémios, horas extras, etc, etc, As folhas salariais base, são apenas isso, uma base, onde são somados muitos e muitos itens que a maioria desconhece.
            “””Os diversos subsídios são resultado das negociações entre as várias administrações que têm passado pela empresa e os sindicatos de trabalhadores ao longo dos anos. Ao todo, representam mais de metade – 54,3% – dos encargos totais com salários.”””
            “”No total, os trabalhadores da CP dispõem de 195 itens que contribuem para ‘engordar’ a sua remuneração variável no final do ano. “” http://sol.sapo.pt/inicio/Economia/Interior.aspx?content_id=15675

          • Sim as empresas sobre as quais se publica este tipo de despesismo, se não for verdadeiro elas enviam dados, a quem informou erradamente, e pedem que se corrija a informação, já me aconteceu isso com as Aguas de Portugal, apenas porque brinquei com a aquisição de viaturas, e eles exigiram que eu publicasse e explicasse para que serviam as viaturas…
            Por isso se me exigem a mim que sou um nada, muito mais exigirão ao jornal SOL.
            Depois deixo-lhe aqui mais um exemplo de como é possível insuflar folhas salariais.

            “Médico de hospital público ganhou 10 vezes mais o seu salário base.
            De acordo com o ranking de 10 profissionais com melhores remunerações, o médico mais bem pago em 2009 ganhou um total de 744.655,65 euros, o que dá uma quantia mensal superior a 53 mil euros, apesar de a remuneração base mensal ser de 5.523 euros.
            ARTIGO COMPLETO: http://apodrecetuga.blogspot.com/2011/10/medico-de-hospital-publico-ganhou-10.html#ixzz2FQKKMCUf

          • “De acordo com a folha salarial da CP a que o SOL teve acesso, um inspector-chefe de tracção recebe 52,3 mil euros, há maquinistas com salários superiores a 40 mil euros e operadores de revisão e venda com remunerações que ultrapassam os 30 mil euros por ano.”

            Eu próprio linquei esse artigo neste post. Se têm a folha só a têm de mostrar. É mesmo simples.

          • Existem determinadas provas que apenas são mostradas a quem as exige, nem tudo pode ser público, não sei o que poderá estar por detrás da não publicação da folha, as causas podem ser várias, não podemos é partir do principio que está a mentir. Quantos e quantos artigos são publicados, sem publicar as provas ? Quase todos… ninguém publicou provas dos negócios sujos do BPN, nem por isso deixa de ser real… bem mas isto já está a desviar-se do tema. Apenas comentei para deixar claro que é muito provável que o jornal tenha provas. E neste momento parece que estou a defender a imprensa nacional e atacar os maquinistas… quando nem um nem o outro tema, me são caros.

            Foi apenas isto que quis dizer como afirmei no inicio dos comentários de hj ,
            “Não há provas de que ganham, mas quem escreve os artigos na imprensa, certamente teve acesso a dados que o provam, caso contrário os visados já teriam pedido satisfações por difamação (difamação por despesismo com salários)… e eu sei que o fazem. Por isso se está publicado e não foi retaliado, é porque quem o escreveu tem provas.”
            Eis aqui o caso onde as estradas de Portugal me pediram que corrigisse um artigo meu.

            http://apodrecetuga.blogspot.com/2012/05/em-crise-continua-o-esbanjamento.html

  25. Saber quanto ganha um professor é a coisa mais fácil de encontrar na net. Procurei a tabela dos maquinistas , não encontrei nada nem mesmo nos links que aqui aparecem. Os profs com mais de 20 anos de carreira andam pelos 1500 mês, para menos , não para mais. Sem comentários.
    E mais não digo , direi depois no meu blogue.

  26. Manuel says:

    As contas apresentadas até podem estar correctíssimas mas… o problema é o ponto de partida, o raciocínio inicial. Ele, o tal raciocínio, parte inquinado logo aí. Senão vejamos:
    À excepção dos comboios rápidos (alfa e intercidades), qual será a composição neste país que faz médias de 100km/h? No país onde vivo, não. Exemplos: Braga/Porto (menos de 50 km) com viagem superior a 50 minutos. Porto/Lisboa (cerca de 300km), viagem nunca inferior a 4 horas. Sejamos precisos nas contas
    Depois, prémio por assiduidade? Então, mas o que é isso? O melhor e mais justo prémio de assiduidade é o vencimento no final do mês! Esse é o verdadeiro prémio. Não devemos valorizar ou premiar quem é assíduo. Para isso já tem o vencimento! Devemos sim, penalizar, quem não cumpre com o seu horário de trabalho. Isso sim.
    E com certeza que sabe que aqui foram omitidos outros privilégios. Em que país vivemos quando os familiares de funcionários da CP têm direito, repito, direito a viagens de borla de uma certa quilometragem? Haverá mais alguma actividade onde isso acontece? Já agora, tomando o exemplo, um professor universitário com filhos, estes não pagariam as propinas ou os filhos dos juízes não pagavam as custas dos tribunais, como em tantas outras actividades.
    E ainda há as casas dos “chefes da estação” que vão, de mão em mão, de pais para filhos e por aí fora, numa “linhagem sucessória”.
    Em relação às constantes, injustificadas e sucessivas greves, nem quero falar. É vergonhoso a situação em que o país e os seus cidadãos se encontram e este flagelo diário a por em causa a empresa e quem dela precisa diariamente. Já imaginou se durante uns meses, os funcionários que processam os vossos vencimentos também fizessem greve no dia de lá colocar o dinheirinho. Vocês veriam o que é sentir na pele todo o desconforto, toda a injustiça que se arrasta há tanto tempo e que inferniza o dia a dia de tanta gente…

    • Esse “prémio” foi criado em vez de um real aumento salarial… Portanto não se trata de uma regalia, trata-se de uma parcela do vencimento, tal como outras, algumas variáveis, sendo um exemplo as horas nocturnas, e essa, sendo bastante comum à classe trabalhadora deste país quase ninguém se opõe à ela e outras haverão, fruto de décadas de negociações salariais…
      Aproveito para falar na “regalia” da Carris em ter barbeiros para os trabalhadores. “Um ultraje”, dizem muitos de vós…será? Notem que, apesar de estar muito aligeirada essa fiscalização (o que de reforça a ideia da antiguidade dessa atribuição), barba por fazer ou por aparar dá multa… Já trabalhei no setor (mas privado, e não, não tinha lá barbeiro) e na minha altura a multa rondava cerca de 40% do meu ordenado (e não, não apanhei nenhuma multa destas). Existindo barbeiro o trabalhador deixa de ter desculpa para o mau “atavio” e a empresa ganha em imagem melhorada…Uma simples explicação, que a comunicação social omitiu, mas sabendo esse pequeno porquê, independentemente de concordarem ou não, faz agora mais sentido, não é? (Porque raio seria um barbeiro e não um padeiro…?)
      Eu tinha direito a luvas (e não tem nada a haver com crimes de colarinho branco), porque verificar níveis e abastecer fazia parte das minhas responsabilidades e ainda tinha de estar asseado… Adiante…
      Já agora, quantas profissões estão sujeitas a ter inquéritos, notas de culpa, dias de suspensão com perda de retribuição? Não sou maquinista (mas sou ferroviário) e este ano fui contemplado com 12 dias nesses moldes (que é meio mês de ordenado, meu caro…)… E se lhe faz comichão ou inveja os eventuais abonos que não percebe, imagine a comichão que me faz a mim poder ser contemplado com uma parcela (de descontos) de, o que sobejamente é conhecido no meio como “dias de casqueiro”… Pois…

Trackbacks

  1. [...] em 04/01/2012 por Helder Guerreiro [...]

  2. [...] porque o rapaz fez anos, e segundo porque basicamente se esqueceu que no Aventar se denunciou a mentira dos salários milionários dos maquinistas, detalhe que lhe foi fatal… partilhar:Facebook Esta entrada foi publicada em transportes, [...]

  3. [...] alunos de uma turma pós-Crato vão para a escola de comboio; o maquinista, claro, ganha mais de 50 mil euros por ano! partilhar:Facebook Esta entrada foi publicada em educação, transportes, com as [...]

  4. [...] a sua capacidade de luta afasta os outros trabalhadores em vez de servir de exemplo. O governo sabe bem disto e tem mentido para tirar partido desta situação. Além disso, a greve dos transportes “obriga” os usuários dos transportes a fazer [...]

Deixar um comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s