Bernardino & Zorrinho, sociedade de irresponsabilidade ilimitada

A hora é de domínio da direita. Legítimo, mas devastador para os cidadãos. Até por esta razão,  criticar as divergências e o divisionismo de esquerda não me é fácil nem agradável.  A defesa direitos fundamentais de milhões de portugueses e, sobretudo, combater ataques de políticas iníquas do governo PSD+CDS deveriam constituir princípios imperativos e impeditivos de qualquer falta de sintonia e de unidade de toda a esquerda na acção política.

Bernardino e Zorrinho, incumbidos pelos aparelhos partidários, vieram a público declarar que PCP e PS não se vinculam à iniciativa dos 25 deputados socialistas e do BE, no requerimento ao Tribunal Constitucional a pedir a fiscalização da constitucionalidade do OGE 2012.

A harmonia e a coincidência das justificações fez-me imaginar que, nos bastidores, os dois partidos forjaram a sociedade Bernardino & Zorrinho. De irresponsabilidade ilimitada, e com o objecto específico de diminuir a probabilidade – alguma que houvesse – de o Tribunal Constitucional vir a considerar que, pelo menos no caso dos ‘Subsídios de Férias e de Natal’, há clara iniquidade e violação de direitos constitucionais da lei orçamental; isto, em prejuízo, nomeadamente, dos funcionários públicos, de trabalhadores do SEE e de reformados da f.p. e pensionistas do sector privado. Como, de resto, o PR reconheceu publicamente, acabando, no entanto, por se decidir pela promulgação. Mas a estas contradições de Cavaco infelizmente também estamos habituados.

Ao invés de se integrarem no requerimento ao Tribunal Constitucional, PCP e PS, pela voz de Bernardino e Zorrinho, acreditam  em outros meios de acção, nomeadamente no combate político. Falácias.

Os Jornais

Quando sabemos que os jornais estão a morrer?

Quando os blogues (esses imprevisíveis) anunciam e (explicam, parte das vezes) as coisas importantes duas semanas antes. 

 

 

 

O jornal do regime e o frete do costume


Para o «Diário de Notícias», SÓ 40% dos nomeados pelo actual Governo é que têm ligações ao PSD e ao CDS. Mesmo desconfiando dos números, é caso para perguntar qual seria a percentagem necessária para estarmos em presença do escândalo do costume? 80%? 100? SÓ?

Todos contra a Barragem 0,1% – Depoimentos sobre o Douro e o Tua. 8 – Sant’Anna Dionísio (III)

(continuação)

– 34 km Ribeirnha, est. (D.).
O nome está a dizer com a frescura do sítio. Na margem do lado de cá está a pequena povoação desse nome. Do lado de cá, estão duas aldeias (Longa e Barcel), face a face, com uma pequena ribeira de permeio.
Daqui parte uma estradinha que serve a populosa vila antiga, decaída, de Vilas Boas, abrigada do lado do norte por um volumoso monte e que, noutros tempos, servia decerto de atalaia nocturna. é o chamado monte de Faro (824 metros de altitude), hoje coroado por um marco geodésico. Das janelas do comboio se contempla a crista granítica desse altaneiro serro, admirável miradouro de toda esta região de Riba-Tua. Um pouco mais além, à esquerda, destaca-se outro píncaro, relativamente isolado e grimpante: é o pico da Senhora da Assunção, coroado por uma ermida branca que certamente seria para Erastótenes ou Ticho – Brahe (caso um ou outro o visitassem) uma moradia ideal para uma discreta e paciente perscrutação dos grandes enigmas do Céu.
Do lado do poente, avista-se a montanha desnuda de Lamas de Orelhão.
Ao longo do rio, por fim pacificado, sucedem-se os olivais e alguns vinhedos. Estamos, ao cabo de um demorado segmento horizontal de 2 km, em

– 37,6 km. Vilarinho, est. (D.)
Voltam, por momentos, as penedias; mas as vinhas pequenas e os modestos olivedos voltam também, deixando aos renques de choupos a discreta hora de se remirarem no espelho verde do rio. O monte de Faro vai-se afastando, mas sem perda da sua manifesta grandeza. Nisto, porém, interpõe-se um serro escalvado que por pouco não nos oculta o pano orográfico do fundo. Aproxima-se o decantado

– 41,5 km. Cachão, [Read more…]

Estação de Torre de Moncorvo, anos 70

Era assim Torre de Moncorvo (Portugal) em meados dos anos 70. Linha do Sabor.

Ainda Sócrates: UGT e CGTP, Proença e Manuel Carvalho da Silva

João Proença, UGT

João Proença, UGT

O acordo de desconcertação social em que a UGT se envolveu nos últimos dias colocou a questão da representatividade sindical no plano mediático. A UGT é aquilo que é e é aquilo para que foi criada, só que cada vez pior. Os seus quadros mais influentes são militantes do PSD. À excepção de João Proença, são todos da área de influência do PSD, algo facilmente verificável no site dos Trabalhadores Sociais Democratas. Nos últimos dias, CGTP e UGT têm ocupado o espaço mediático para opinar em torno do referido acordo, surgindo um argumento novo: o que vale, de facto, este acordo junto dos trabalhadores? O que representa a UGT? E a CGTP? Em termos muito simplistas, a UGT existe na Banca e nos Seguros, está presente na Função Pública e no resto ZERO! A verdadeira organização dos trabalhadores portugueses é a CGTP e por isso este acordo está longe de ser representativo de quem trabalha. Acontece que a influência dos trabalhadores é realmente pouca em ambas, tal como é pouca nos partidos ou na igreja – o povo português demite-se de participar e o espaço livre é ocupado… pelos PARTIDOS.

E a situação é de tal modo caricata, que Proença apertado pelos seus, vem dizer que a culpa é da CGTP que lhe pediu, por favor, para negociar. Absurdo!

Ora, no caso da CGTP, o PCP deixa muito pouco espaço de manobra e por isso vai agora colocar o Arménio Carlos como líder da Inter. E, no caso da UGT a estratégia do PS de Sócrates em desistir do movimento sindical esvaziou a presença do PS, prontamente substituída pelos TSD.

O reforço do movimento sindical só passa por dois caminhos – o envolvimento REAL dos trabalhadores nas suas organizações, o que eu não acredito. Ou, em alternativa, temos mesmo que ter sindicatos como braços dos partidos. Neste caso, o futuro passa pelo regresso do PS ao mundo sindical sob pena de não haver contraditório, quer de um lado, quer do outro. A concertação social exige-o.

Nota: a referência de Mário Crespo sobre Arménio Carlos como “o sr da CGTP” é ofensiva. Não gostei!

À procura de inspiração

  

Foto de José Magalhães (Aventar)

Naquele sábado de Dezembro, enquanto o comum dos mortais se atarefava na compra das últimas prendas de Natal, Vasco saiu de casa em busca de inspiração para o livro que não avançava. Era uma ovelha negra no presépio.

No Belém pediu um café. Instantes depois, o seu olhar cruzou-se com o de uma jovem que encostou o nariz ao vidro do estabelecimento para logo desaparecer, como se assustada com a visão de Vasco. Este deixou dinheiro a mais sobre o balcão, deu um encontrão ao casal idoso que entrava com grandes sacos de papel e correu atrás dela, ziguezagueando, disfarçando, subindo, descendo, esperando. Por fim, a mulher refugiou-se em casa. Vasco disparou pela última vez.

Sem fôlego, o nosso homem entrou no seu apartamento no 4º andar de um prédio sem elevador. O cão atirou-se às pernas. Vasco resmungou «não» e fechou-se na minúscula cozinha que transformava em laboratório fotográfico. Após alguns minutos, saiu para dar de comer ao Big impaciente. Voltou ao estúdio improvisado. Assim que obteve as onze fotos da beldade, colocou-as cronologicamente no quadro de corticite.

Sentou-se ao computador sem tirar os olhos dela, esperando…

O telefone tocou, incomodando-o sobremaneira. «Vasco? Esperamos por ti na ceia. Não te queremos sozinho na noite de Natal». «Com o Big…» – corrigiu, aborrecido. Há três anos, desde a morte da mulher, que se recusava celebrar a festa com a família ou com os amigos.

Vasco não tencionava sair nesse dia. Não queria distracções, ouvir as «deprimentes» canções de Natal. Queria trabalhar, mas, sobretudo, evitar a alegria da época. Levantou-se ao meio-dia, fez um café fraco e foi para junto da mulher fotografada na rua.

Um raio de sol penetrou no quarto, desenhando na parede pálida e bolorenta a sombra de um homem sentado frente a um computador com um cigarro aceso na boca, cotovelos apoiados nos joelhos.

Nada. Nem uma palavrinha. Não acreditava em Deus, mas fez o sinal da cruz no peito como um jogador de futebol antes de entrar em campo. Talvez resultasse…

Para seu espanto, as primeiras palavras jogaram-se no papel. Mas ao início da noite, Vasco tinha apenas meia página de trabalho.

Furibundo, saiu de casa para espairecer, protegido com um escudo anti-Natal mas permeável à chuva. Não foi longe: faltavam-lhe os cigarros. Fumado o terceiro, meteu-se no chuveiro como se entrasse numa máquina do esquecimento. Para esquecer e ser esquecido.

Mas Big precisava dele: arranhou a porta da casa de banho até Vasco lhe dar atenção.

Insultando o animal abaixo de cão, o homem vestiu-se e saiu com a intenção de levar Big a passear. Mas algo obrigou a uma mudança de planos: no hall do prédio encontraram uma alcofa. «Não é possível!?».

Pegou no bebé com mil cuidados, subiu e telefonou para a irmã: «Este ano a ceia de Natal é aqui». Desligou ignorando a surpresa do outro lado da linha.

Deste lado, num quarto frio e desconfortável, uma menina dorme sobre a cama desfeita, o cão deitado em guarda e esquecido do parque, Vasco ajoelhado e esquecido da dor.

Bloco de mármore

Nós temos em nós,

como um bloco de mármore para o escultor,

uma infinidade de modos de ser. E vamo-los sendo na aprendizagem da vida e

nos 1000 acidentes desse aprender.

                    

                       (Vergílio Ferreira, Pensar, 1992)

Isto é que é negociar

Para lá do pastel de nata: o jogo do pau

O Álvaro não se pode ficar pelos pastéis. O jogo do pau, a arte marcial portuguesa, tem os ginásios de todo o mundo para conquistar. Pode praticar-se sentado proporcionando momentos de rara beleza.

Hoje dá na net: Gilda

Gilda, voltamos aos clássicos do film-noir com este fantástico filme. O sinistro patrão de um casino sul americano descobre que o seu braço direito (Johnny) já conhecia a sua mulher e a relação não é nada simples… Realizador Charles Vidor, com Rita Hayworth e Glenn Ford. Página IMDB.
Em inglês, sem legendas.