Reorganização curricular – ouviram quem?

Neste (23.59 de 31 de Janeiro) preciso momento termina o prazo que o MEC definiu para a discussão pública sobre a reorganização curricular.

Há muitos pareceres disponíveis mas gostaria de chamar a atenção para um detalhe: o Conselho de Escolas e os Diretores (não identifico grandes diferenças, mas enfim) foram ouvidos pelo Ministro. Mas, ninguém consegue identificar uma única situação em que esses personagens se tenham dado ao trabalho de ouvir as escolas, nas suas mais diversas dimensões. Um péssimo serviço a que estes boys se prestam.

Desemprego: a tragédia e a epístola de Barroso a Passos

O desemprego é, de facto, das mais graves calamidades sociais nos países europeus.  O Eurostat acaba de divulgar estatísticas, sintetizadas no gráfico seguinte:

Taxas de Desemprego em Dezembro de 2011

 Eurostat_001

Obs.: * Outubro 2011     ** 3.º Trimestre de 2011

O índice relativo a Portugal (PT) atingiu 13,6% no final de Dezembro de 2011, valor que excede a previsão do Governo da média para 2012: 13,4%.

De salientar que os países sob a terapia de austeridade da ‘troika’, Grécia (19,2% em Outubro de 2011) e Irlanda e Portugal (14,5% e 13,6%, respectivamente, em finais de 2011) têm registado crescimento do desemprego; fenómeno que, de resto, é o resultado natural da insensibilidade social das políticas em vigor.

[Read more…]

31 de Janeiro de 1891, a última grande revolta da cidade do Porto


Carregue na imagem

Vai viver um ano com o salário mínimo e depois conversamos: Vítor Bento

“Importa proteger o talento, remunerar o talento. Há um caminho perigoso do igualitarismo, que defende que todos devemos ser igualmente pobres, que hostiliza a diferenciação remuneratória”, afirmou Bento durante um colóquio sobre diplomacia económica promovido pela comissão parlamentar dos Negócios Estrangeiros. in Público

Em 2010 Vítor Augusto Brinquete Bento recebeu 450 000 euros como presidente do conselho de administração da SIIBS. Como andou pelo Banco de Portugal é provável que tenha tido mais diferenciações remuneratórias. No Conselho de Estado substitui Dias Loureiro, outro grande combatente contra o caminho perigoso do igualitarismo.

Sócrates e Passos Coelho: Uma diferença

Quando ouvi o Presidente da Câmara de Cabeceiras de Basto a propósito do encerramento dos Tribunais, referindo que todos os dias o Governo ataca um sector diferente (o que até é verdade) – serviços de Saúde, de Educação, etc. – lembrei-me de José Sócrates.
A verdade é que, apesar de tudo, há diferenças entre Sócrates e Passos Coelho. Independentemente das medidas, que são mais ou menos as mesmas – e por agora não me vou pronunciar sobre o encerramento dos Tribunais (que é diferente, ainda assim, de encerrar Escolas e Centros de Saúde), Sócrates personifica o que de mais odioso tem a política. Porque se Passos Coelho ataca os serviços públicos em nome do Orçamento, Sócrates atacava de forma constante os próprios funcionários, os próprios profissionais, em nome de guerras mesquinhas que tinham como única intenção pôr uns contra os outros.
Foram os Magistrados, depois foram os Professores e por aí fora. Nunca me senti insultado por Nuno Crato, por exemplo, apesar de não concordar com as suas medidas. Mas nunca fui tão insultado e humilhado, directamente, como no tempo da Prevaricadora Maria de Lurdes Rodrigues.
Estou completamente à vontade para escrever isto, até porque tenho batido em Pedro Passos Coelho, desde o princípio, com alegria e entusiasmo. Por isso rapidamente mudarei de opinião se vir que, afinal, estava errado.

Amnésia Intencional

Paul Krugman chama “A Grande Recessão” à actual crise e compara o desempenho de algumas economias europeias agora e durante a crise de 1929, a chamada “Grande Depressão”, concluindo que a generalidade dos países europeus está agora pior.

Mas Krugman vai mais longe e põe o dedo na ferida, num artigo intitulado “O fiasco da austeridade“, quando afirma que esta tragédia era completamente desnecessária e foi causada por decisores políticos, analistas e economistas que decidiram “esquecer-se do que sabiam”, por razões políticas.

Por causa disso, continua Krugman, o que enfurece é que milhões de trabalhadores estão a pagar por esta amnésia intencional.

Desiludam-se, no entanto, os que esperam ver perigosas derivas esquerdistas nestas palavras de Krugman, como essa fúria por causa dos trabalhadores. O seu blogue continua a chamar-se, como antes, “A Consciência de um Liberal”.

A consciência de Krugman é que é diferente da desses liberais que, por cá, persistem num caminho que já mostrou não resultar.

Um restaurante em Coimbra

Tenho dois amigos visionários, casados um com o outro, ele, um comunicador puro, ela, uma mulher de acção. Há uns anos, contra todas as expectativas, resolveram criar um restaurante numa aldeia improvável, perto da Guarda. Deixando para trás comodidades e enfrentando riscos, o Eugénio, hedonista a tempo inteiro e antigo relações públicas, fez-se chefe de sala; a Manucha saltou dos jornais e das escolas para a cozinha, dotada também de mãos que tornam simples o acto de criar pratos extraordinários. [Read more…]

E a dívida alemã?

Manuel António Pina, hoje no JN

Gostaria de ver os arautos dos “mercados” que moralizam que “as dívidas são para pagar” (no caso da Grécia, com a perda da própria soberania) moralizarem igualmente acerca do pagamento da dívida de 7,1 mil milhões de dólares que, a título de reparações de guerra, a Alemanha foi condenada a pagar à Grécia na Conferência de Paris de 1946.

Segundo cálculos divulgados pelo jornal económico francês “Les Echos”, a Alemanha deverá à Grécia em resultado de obrigações decorrentes da brutal ocupação do país na II Guerra Mundial 575 mil milhões de euros a valores actuais (a dívida grega aos “mercados”, entre os quais avultam gestoras de activos, fundos soberanos, banco central e bancos comerciais alemães, é de 350 mil milhões).

A Grécia tem inutilmente tentado cobrar essa dívida desde o fim da II Guerra. Fê-lo em 1945, 1946, 1947, 1964, 1965, 1966, 1974, 1987 e, após a reunificação, em 1995. Ao contrário de outros países do Eixo, a Alemanha nunca pagou. Estes dados e outros, amplamente documentados, constam de uma petição em curso na Net (http://aventar.eu/2011/12/08/peticao-sobre-a-divida-da-alemanha-a-grecia-em-reparacao-pela-invasao-na-ii-guerra-mundial) reclamando o pagamento da dívida alemã à Grécia.

Talvez seja a altura de a Grécia exigir que um comissário grego assuma a soberania orçamental alemã de modo a que a Alemanha dê, como a sra. Merkel exige à Grécia, “prioridade absoluta ao pagamento da dívida”.

Lá Está, de Novo, o Senhor Jardim da Madeira, a Fazer das Dele

O homem não tem emenda.
Não há nada a fazer.
Não lhe bastava o que foi fazendo ao longo dos anos, e agora, apesar de debilitado com o acordo que teve de fazer com o governo da República e com a pequena maioria absoluta que detem, torna a fazer das dele.
Imagine-se que deu ordens aos departamentos governamentais do seu governo regional para “dar prioridade absoluta” às empresas que são do arquipélago em quaisquer actos e contratos.
Mas então este senhor Jardim, Presidente do Governo Regional não sabe que não podemos proteger os “nossos” em eventual detrimento dos outros?
O senhor Jardim não sabe que isso que ele mandou fazer pode ir contra a Constituição da República Portuguesa?
O senhor Jardim não sabe que os mandantes do nosso País que estão no continente, não gostam dessas brincadeiras?
O senhor Jardim não vê que assim não vai conseguir calar as vozes que contra ele falam?
Mas será que alguém pensa que o senhor Jardim da Madeira se incomoda com o que aqui no continente pensamos?
O senhor Jardim da Madeira, quer é o bem dos seus, antes de saber do bem dos outros. E tem toda a razão!

A ganância

A direita é assim, está-lhe na genética: quanto mais tem mais quer.

Acabar com a greves é uma ambição antiga (alguns mais moderados ainda as toleravam aos domingos mas só depois da missa) e agora aproveitaram o congresso da CGTP para, no intervalo de a responsabilizar pela crise (como é sabido os sindicalistas fazem partimes nas offshores e uns biscates na bolsa), não apenas contestarem a sua existência (UGT – unicidade sindical!) como passarem à fase em que a simples menção à existência de exploradores e explorados passou a pecado capital, Tarrafal com quem o afirma.

É esta ganância que os trama. Acabam sempre a pedir a ditadura mesmo que disfarçada de ditamole. E quem tudo quer tudo perde.

George Grosz, Os pilares da sociedade

Passos Coelho contratado por Belmiro de Azevedo

Pedro Passos Coelho, à semelhança de Cavaco Silva, tem dificuldades em pagar as despesas. Assim, com o objectivo de aumentar o orçamento familiar, terá decidido aceitar o convite da Sonae para participar numa campanha publicitária dos hipermercados Continente. O responsável pela campanha declarou ao Aventar que “pedimos ao Pedro que usasse uma roupa simples, nada de fato e gravata, numa homenagem à classe média desaparecida.” Pedro Passos Coelho comprometeu-se, ainda, a assistir a um concerto de Tony Carreira e passará a fazer presenças em discotecas, na qualidade de “Homem Sonae”.

Hoje dá na Net: Os canhões de Navarone (1961)

A sra. Merkel anda cansada, a precisar de ir ao cinema, e nada melhor que um clássico dos filmes de acção, com a paisagem grega em fundo. Fazia-lhe bem, aposto.

Página do IMDB.Legendado em português

Yanick Djaló no Benfica com Luciana Abreu, Lyonce Viiktórya e…

Agora que o Benfica olha para trás e vê os principais adversários pelo espelho retrovisor, não sou eu que vou pôr em causa as opções de Jesus. Se o Benfica contratou Yannick Djaló (espero que tenha sido Jesus, para não acontecer como com Capdevilla), saberá os motivos da contratação.

Nós, adeptos, lá teremos que ver nos camarotes da Luz a Luciana Abreu acompanhada pela Lyonce Viiktórya, pela outra filha que vai nascer, cujo nome

tem que ter o mesmo brilho do primeiro. Mas uma coisa é certa, vai voltar a ser a junção do meu nome e do Yannick, por isso um ‘L’ e um ‘Y’

e pelo resto da família. O pior de tudo pode ser o papagaio não se dar com a águia Vitória:

“Vamos levar as meninas, os cães, o papagaio, a mãe e a irmã. Vamos todos. Somos uma família e há que fazer sacrifícios e o benefício também é para todos. Estamos sempre unidos, para o bem e para o mal”

Redes sociais

Foi com curiosidade que acompanhei nas redes sociais a divulgação do concurso que organizámos . Na imagem seguinte apresentam-se os números de partilhas na página do concurso à data presente.

7000 partilhas no Facebook, 415 no Tweeter e 10 no Google+.  Numa página que, num mês, acumulou mais de 130 mil visitas,  a rede do Google foi apenas usada dez vezes para partilhar a página. Ou o contador da Google contem um erro crasso, ou a sua rede social está a ser um enorme fiasco.  Outra leitura, claro, é que os utilizadores do Google+ não gostam de concursos. Enfim, poderão os leitores escolher a explicação que lhes pareça mais credível mas os números parecem não sorrir à Google.

Outro aspecto interessante foi o ritmo de partilha. [Read more…]