RDP e Angola – Relvas silencia vozes corajosas

O João José Cardoso já denunciou, aqui e aqui, a decisão do governo português, através do Torquemada de Tomar, Miguel Relvas, de silenciar vozes incómodas para  negócios entre Portugal e Angola – o desassombro de Raquel Freire e Pedro Rosa Mendes custou-lhes o afastamento da RDP.

Conheço Angola. Sem nunca ter sido residente, obrigações profissionais levaram-me àquele país mais de uma dezena de vezes por ano. Durante duas décadas. Tenho longas histórias dos meandros dos negócios locais, grandes e pequenos, assim como de homens do poder.

Estabeleci também relações de amizade com angolanos honestos que, hoje como ontem, não puderam ou quiseram enveredar por negócios espúrios, geradores de fortunas tão céleres quanto ilegítimas. Esses amigos, no fundo, são gente sensível à pobreza extrema de milhares e milhares de compatriotas – crianças, mulheres, idosos e jovens estropiados da guerra. Uma multidão de vítimas ainda submetidas a vidas bem duras em ‘musseques’, lá para os lados de Viana e de outras zonas afastadas da ‘sala de visitas’ que é a renovada baixa luandense.

O jornalista Rafael Marques, citado por Pedro Rosa Mendes, é este homem. Em finais do último ano, teve a coragem de fazer uma queixa-crime contra diversos generais angolanos: o poderoso ‘Kopelika’, Vaal da Silva, Armando Cruz Neto, Adriano Mckenzie e os reservistas João Matos, Luís Faceira e António Faceira. França Ndalu (além do mais, representante da De Beers em Angola) também foi citado. O processo inclui crimes de assassinato e mutilações.

[Read more…]

Sacanas com lei #PL118

A SPA está a procurar justificar o lobby que está a fazer para assegurar a sua mama fácil com um comunicado no seu site. Acontece que não passa de um chorrilho de mentiras, como bem demonstra a Maria João. Ide ler e percebam como Rodrigo Moita de Deus está profundamente errado ao defender a deputada Canavilhas.

Nota: aqui, a lista de links sobre o projecto de lei em causa

Xerém ou Xarém de berbigão

Hoje fui à praça e comprei 1kg de berbigão. Depois de considerar várias hipóteses para dar tratamento aos bichos, lembrei-me de algo que não como há algum tempo: um xerém.

O xerém (também conhecido por xarém) é uma das mais desconhecidas receitas da cozinha algarvia, ainda que tenha entrado nas gastronomias de alguns países africanos e no Brasil. Por ser muito fácil fazer e muito saboroso, compartilho a minha receita (existem variantes) com os leitores do Aventar.

1 kg de berbigão, ameijoas ou conquilhas

2 colheres de sopa de azeite

1 cebola

1 tomate maduro (facultativo)

200g de farinha de milho grossa

cerca de dois litros de água

coentros

sal

100g de presunto (facultativo)

Deixe os bivalves cerca de duas horas em água com sal para que percam a areia e lave-os bem.

Se usar presunto, corte-o em cubos e frite-os no azeite. Retire. Com o restante azeite, refogue a cebola e o tomate, ambos picados. Deixe alourar.

Junte a água com o sal e vá acrescentando a farinha lentamente, mexendo sempre. Coze durante 15 minutos. Sem retirar o tacho do lume, deita-se o berbigão e os coentros picados. Deixa-se abrir o marisco e serve-se imediatamente. Experimente.

Convinha avisar …

… quem tem por hábito brincar às petições, que existe legislação para ler antes de lançar um manifesto e pô-lo a circular pelas redes sociais para que o maior número de incautos, inflamados pelo ódio do momento, o assinem. Que eu saiba, embora já exista a modalidade de assinatura digital, os vulgares sítios para petições não a contemplam e são vulneráveis a que qualquer um forje uma identidade e a multiplique por centenas ou milhares de formulários pelo que nada, repito, NADA, valem , em termos legais, estas petições em-linha . De resto o senso comum deveria já ter alertado para a ineficácia e até para a patetice deste método. Ao lado de assuntos minimamente sérios, como a destituição do Presidente da República portuguesa, há quem queira salvar as zebras albinas da Etiópia ou impedir a saída de um concorrente da Casa dos Segredos.

Em matéria de petições, o que conta é a assinatura legal de quem quer fazer ouvir a sua voz e não meia dúzia de cliques executados do sofá da sala, enquanto se partilha uma piadola no mural do feicebuque ou se atira duas atoardas aos artigos de opinião do Público ou do Correio da Manhã. De resto, o sítio da Assembleia da República é bem explícito quanto ao regulamento peticionário:

“A petição, a representação, a reclamação e a queixa devem, porém, ser reduzidas a escrito, podendo ser em linguagem braille, e devidamente assinadas pelos titulares, ou por outrem a seu rogo, se aqueles não souberem ou não puderem assinar”. Mais informações aqui.

Quem mandar o senhor Silva embora? Têm duas soluções. Ou esperam que o mandato acabe e nunca mais votam no senhor, nem para cantoneiro da freguesia de Boliqueime, ou organizam uma petição como deve ser: com assinaturas reconhecidas em folhas de papel. Mas como eu sei que a segunda hipótese é trabalhosa e a geração de indignados é mais laptops e ipads, bem podemos continuar a contar com o senhor Silva  a fazer o que ele sempre fez melhor. Nada.

A última crónica da Raquel Freire na Antena Relvas

Não podia ser mais adequada às circunstâncias. Expliquem ao Miguel Relvas, mas com desenhos.

Cavaco Silva fez o que devia ser feito

Aníbal Cavaco Silva condecorou a Infanta D. Maria Adelaide com a Ordem de Mérito.

Num país onde nos habituámos a assistir ao medalhar de futuros cadastrados, Cavaco Silva desta vez acertou nas obrigações implícitas ao cargo que ocupa. A Infanta D. Maria Adelaide nasceu na auspiciosa data de 31 de Janeiro, comemorativa da vitória da legalidade constitucional sobre o livre arbítrio e prepotência desordeira. Defensora abnegada da Liberdade, impiedosa crítica  daquilo que social e politicamente se passava no Portugal da II República, dedicou-se aos mais desfavorecidos e quase anonimamente durante décadas socorreu quem pôde, instando com os poderes públicos, normalmente sempre alheios a quem não tem capacidade de protesto. O seu currículo de beneficência – palavra hoje quase varrida  da nossa memória -, é impressionante. Presa pela Gestapo, condenada à morte pela justiça do III Reich, a Infanta merece o reconhecimento público.

A Infanta cumpre o seu centésimo aniversário dentro de dias. Cavaco Silva esteve bem, obliterando o vergonhoso esquecimento dos sátrapas que há mais de meio século o antecedem em Belém.

Figura Pública – Eu não clico no GOSTO!

Facebook de Cavaco Silva, Figura Pública

Facebook de Cavaco Silva, Figura Pública

Alguém sabe explicar o que se passou com os aventais? Estão todos para lavar? De um momento para o outro, puf… Foi um ar que se lhes deu…

E, depois, o cidadão zeloso quer consultar os esclarecimentos do Senhor Presidente, tenta ir ao perfil da Figura Pública Cavaco Silva e não pode!

Não pode por uma razão simples – tinha que clicar naquele botão ao lado do nome com a palavra GOSTO!

E, os meus amigos Benfiquistas vão perceber: antes ser sócio do Dínamo da BCI, carago! Ou então assinar!

Pedro Rosa Mendes, agora é ouvir a crónica de que eles não gostaram

Já se pode escutar sem ir à página da Antena 1. Sobre esta manifestação de amizade com o governo de Angola continuo a não dizer mais nada do que não disse quando se confirmou.

Cavaco e a petição como nunca se viu

Não é um “gosto” no facebook, é preciso deixar o BI, nome completo, mail. Não é um simples impulso. Mas nunca se viu nada assim, este crescer diário horário do número de portugueses que assinam uma petição.

A petição que pede a demissão de Aníbal Cavaco Silva tem todas as condições para no sábado valer politicamente tanto como uma manifestação de rua (sim, as manifes digitais existem, o que ainda há é pouca gente a dar por isso). A revolta manifesta-se com o que tem mais à mão e Cavaco merece estes dois minutos do nosso tempo. Dos que não votaram nele e dos arrependidos também.

Assinem, vão ver que vai valer a pena.

O masoquismo republicano.

Gerou-se um grande ruído à volta das declarações do professor Aníbal Cavaco Silva a propósito da difícil vida de um aposentado que decidiu ser presidente da república.  Como se tal fosse um fardo e uma obrigação cívica, depois de uma tentativa falhada, um mandato presidencial e 10 anos como primeiro-ministro. Até parece que este caminho para o calvário de Belém deixou o senhor depauperado, como se o serviço à pátria, em Portugal, tenha alguma vez levado alguém à pobreza. Como dizem os ingleses: lets cut the crap*. Que o senhor em causa é um lobo, apesar do seu beiço descaído, discurso apagado e ar de cordeiro, não tenhamos dúvida: entre raposas é preciso alguém que morda mais e melhor para escalar a pirâmide dos predadores que constitui a política nacional.
Mas sendo a 5.ª vez que o elegem vêm agora fazer petições para lhe comprarem umas pantufas?

Chega a ser mais grave a reacção dos comentadores do que a tola resposta do senhor Aníbal, o tal, filho do gasolineiro de Boliqueime, prova provada de que república funciona. O Rui Rocha, do Delito de Opinião, acha que o republicanismo funciona tão bem, que “é sempre melhor incorrer no risco de escolher mal sabendo que mais tarde poderemos tentar corrigir uma má decisão“. É pena que cidadãos republicanos tão honrados e probos escolham duas vezes o mesmo erro e só não escolham uma terceira por limitação da lei. Estes comentadores, como o João Gonçalves que para defender a honra de Cavaco cita Salazar (apropriado, mas de mau gosto), são a prova de que um significativo grupo de cidadãos deste país não tem capacidade nenhuma para eleger ou ser eleito. Porquê? Porque eleger implica responsabilidade e se há coisa que, desde 1910, a república nos demonstrou é que a estabilidade institucional ou respeito de quem ocupa os cargos não vale tanto como a repartição do poder pelos caciques.
E se como o João Gonçalves os nossos monárquicos são pobres ou se, segundo Vasco Pulido Valente, não existem, então deixem-me dizer-vos uma coisa: mais têm feito os poucos republicanos portugueses pela monarquia. E não incluo o pobre reformado, velho tecnocrata formado na escola do Estado Novo chamado Cavaco Silva. Este sim faz lembrar o velho Botas: “que, muito adequadamente, nunca quis saber da “polémica” República/Monarquia para nada“. Apenas das finanças.

Ao que parece em república a História não é apenas assustadoramente cícicla. É chata. E repleta de masoquistas.

*Deixemo-nos de dizer coisas que não são importantes

A dor vestiu-se de mulher

adão cruz

A dor vestiu-se de mulher.
A dor vestiu-se de mulher de terra e flores e voou para lá das nuvens onde mora o vento.
A vida é um lugar muito longe lá para as bandas do sonho nas margens do silêncio na arte do encontro – desencontro na alegria de ser triste.

Nesta Galiza de poetas e água e céu e solidão onde um mar de rias baixas desagua dentro de nós pinta Jordi um rosto de mulher a ocre terra-siena e carmim.
…Que os cabelos e os jardins querem-se soltos e naturais como as aves e as manhãs.

Um homem nu toca Mussorgsky ao vivo como se Jordi pintasse Quadros de Uma Exposição.
Bem perto daqui há muito foi sonhada Nostalgia mas ninguém viu a luz vermelha fendendo as águas verdes e a dor já se vestia de terra e flores e a dor já fugia para lá dos montes onde moram mulheres de vento.

A Guerra contra o Irão já começou

Mapa roubado daqui.

A luta pelo controlo dos recursos energéticos não pode parar. É por isso que a Europa faz a ameaça pueril de cortar as importações de petróleo do Irão (fundamentalmente por pressão do eixo EUA/UK). A ameaça da Europa poderia chegar a ser cómica, não estivessem em jogo a vida de milhões de pessoas.

 
[Read more…]

Hoje dá na net: The Corporation (A Corporação)

Documentário canadiano de 2002 que apresenta o poder das Corporações, mais forte que o poder politico.

Através de seus lobbies junto aos governos e suas ferramentas de merchandising, marketing, branding, etc, elas definem tendências de consumo de produtos electrónicos, vestuário, alimentos, entretenimento, medicamentos, etc.

Corporações farmacêuticas influenciam e até definem o que será e o que não sera ensinado nos curriculos universitários de Medicina, Farmácia e outras áreas de Saúde, para defender seus interesses mercantilistas de vendas de inúmeros medicamentos nocivos.

Versão de 2 horas (o dvd tem 7), legendado em português. Ficha imbd .

Pedro Rosa Mendes, a Antena 1 e mais 4 cronistas por tabela

António Granado, Gonçalo Cadilhe, Rita Matos, Raquel Freire e Pedro Rosa Mendes faziam a crónica Este Tempo na Antena 1. Agora já não fazem. Isto não tem nenhuma relação de causalidade com esta crónica do Pedro Rosa Mendes que desmonta a farsa relvista da RTP em Angola, ao serviço da nação, com a omnipresença desse expoente do servilismo conhecido por Fátima Campos Ferreira.

Vou indignar-me? dizer que é censura? chamar nomes ao Relvas? dantes dizia-se que uma imagem vale mais que mil palavras, velhos tempos. Hoje um vídeo pode-me poupar um milhão:

(obrigado pelo vídeo Dario, estou-te a dever uma)
%d bloggers like this: