Medidas Anti-crise: Eliminação dos Subsídios de Férias e de Natal

Este governo (e os governos anteriores) mostra uma aversão incompreensível à tomada de decisões que tenham impactos económicos visíveis. O mesmo pudor é aparente em relação a medidas que melhorem a máquina do estado, ou que enfraqueçam os interesses instalados. Parece que têm também preguiça em desenhar e implementar medidas. O amigo Álvaro parece sofrer muito deste torpor.

A lista de medidas anti-crise é longa e cheia de insucessos. Desde 2008 são tomadas medidas torpes, muitas vezes contra a própria economia. Parece ainda pensar-se que temos hipóteses de competir via o abaixamento dos salários, como se estivéssemos numa corrida para ver que consegue ser mais miserável e como se tivéssemos alguma hipótese de ganhar essa corrida.

Uma medida muito simples que o governo podia tomar, com grande impacto económico, seria a eliminação pura e simples dos subsídios de férias e Natal. Obviamente que isso não implicaria o abaixamento dos salários, simplesmente aumentava-se em um sexto o salário mensal médio (será o mesmo que pegar no salário bruto e dividir por doze para obter o salário mensal, em vez de 14 como agora fazemos) e deixava-se de pagar os subsídios. O trabalhador não perdia um tostão.

 
[Read more…]

Blogues do ano 2011, perguntas e respostas

Tentando responder a dezenas de solicitações e pedidos de esclarecimento:

Como é que foram nomeados os blogues que estão em concurso?

Nenhum blogue foi nomeado. Elaborámos uma lista com base no blogometro apenas porque se tinha de começar por algum lado, lista essa um bocado aleatória (nem considerámos alguns géneros inicialmente), e que foi apenas um ponto de partida. Depois, e até 13 de Janeiro, essa lista esteve aberta a qualquer proposta de acrescentar mais blogues. Apenas foram recusadas alguns, muito poucos, sites que de forma alguma são blogues. Isso permitiu igualmente corrigir alguns erros da própria lista. Fomos aceitando sugestões de categorias que nunca nos tinham passado pela cabeça mas que afinal tinham muitos interessados.

Porque é que esse prazo de inscrição foi tão curto?

Porque não imaginávamos um sucesso tão grande, e também porque não calculámos bem o tempo que a “notícia” demoraria para se espalhar na rede. Surgiram propostas de categorias em áreas muito diferentes das do Aventar, e no mundo dos blogues há universos paralelos e pouco ligados, o que subestimámos claramente. [Read more…]

Todos contra a Barragem 0,1% – Depoimentos sobre o Douro e o Tua. 8 – Sant’Anna Dionísio (I)

«Tua, est (E.), na margem direita do rio Douro.

O sítio é, ao mesmo tempo, grandioso e tristonho. Junto do entroncamento não há povoação alguma. O rio, enorme e de leito xistoso, corre a dois passos. De um lado e  outro, despenhadeiros. Defronte, ao cimo, situa-se a aldeia vinhateira de Nagoselo. Mais no alto, à direita, oculta-se a antiga vila de Soutelo do Douro.

O comboio, de material antiquado, com locomotivas da era do Fontismo, ou as automotoras, movidas a gasoil, um pouco mais rápidas, mas muito baloiçantes, saem da estrada em sentido inverso (isto é, na direcção do Poente), acompanhando por momentos a margem direita do rio Douro. A estrada para Carrazeda de Ansiães passa por cima da linha. Eis a confluência.

Afastamo-nos do Douro e entramos na garganta pedregosa e alcantilada do afluente. De relance vê-se a graciosa ponte moderna, de betão, que dá passagem à estrada de Carrazeda para Alijó, assim como o longo viaduto, misto, de pilares de granito e tabuleiro metálico, de vigas encanastradas, da Linha do Douro, cuja vista rapidamente se perde.

Transpõe-se um pequeno viaduto e imediatamente se trespassa um breve túnel, cortado no flanco rochoso do despenhadeiro. À saída surge a garganta encaixada entre caóticas penedias.

Alcantis formidáveis! [Read more…]

O processo de chinização em curso

Primeiro a EDP, já a seguir a REN, o BCP, Sines e muito mais.

Agora a concertada amarelice do costume da UGT repondo as condições laborais dos anos 60, mais ditadura menos ditadura, tudo em nome da luta de classes e assegurando que o horizonte é vermelho, venceremos a crise que não passa de um tigre de papel que será derrotado com muita austeridade, ousemos lutar e ousemos vencer.

Para quem foi maoísta na adolescência era mesmo o que me faltava, entrar-me o Império do Meio por Portugal adentro. Não me tivesse passado a fé no livrinho vermelho num instante e tivesse a tolice durado até hoje, amanhã ia-me filiar no PSD.

A extorsão (1): o novo presidente do “Parlamento” Europeu

O novo presidente do Parlamento Europeu, evoca os acontecimentos de há duzentos anos para caracterizar uma Europa padronizada sob um rolo compressor e ao arrepio da vontade dos seus povos. Este é um caso de uma antiguidade bem recente, recordando-nos todos dos tristes episódios dos referendos “até que sim”, das pressões chantagistas utilizando o eterno argumento monetário e as ameaças cada vez menos veladas, consagradas através de telefonemas exigindo a expulsão de primeiros ministros eleitos democraticamente. Esta é a Europa do Directório Continental de corte bonapartista, sempre lesiva e de uma extrema ameaça aos interesses de Portugal e da sua existência como Estado independente e de pleno Direito internacional. O pior de tudo, consiste no insistir da propaganda mentirosa e abusiva das “inevitabilidades” que cavam ainda mais fundo, se é que isto é possível, o caviloso buraco de extorsão em que nos precipitámos. Sem qualquer menosprezo relativamente a húngaros, checos, letões, romenos, suecos, dinamarqueses, holandeses e quase todos os outros compagnons de route comunautaire, a rápida leitura da nossa história e a presença cultural de facto no mundo, possibilitam-nos a alternativa que todos sabem existir mas alguns teimam em alijar como coisa sem préstimo. Esta teimosia apenas tem um móbil: o interesse pessoal dos membros da oligarquia e do seu nefasto e prescindível Euro.
Pois aqui vos deixamos esta inabalável certeza, velha de séculos: não há outro caminho senão olharmos para Sul e para o Oriente. Nenhum outro.

A Prevaricadora Maria de Lurdes Rodrigues


Ao contrário do Pedro, não tenho qualquer problema em comentar casos que estão a decorrer nos Tribunais.
Neste caso concreto, a verdade é que Maria de Lurdes Rodrigues foi constituída arguida há alguns meses pela sua actuação enquanto Ministra da Educação e agora vai mesmo ser julgada por Prevaricação.
O caso deu muito que falar à época e é de fácil explicação. Em 2005, Maria de Lurdes Rodrigues, através de um Ajuste Directo, assinou com João Pedroso, irmão do deputado do PS Paulo Pedroso, um contrato pelo qual o Minsitério pagou quase 300 mil euros. O objecto do contrato era a compilação e sistematização das leis relativas à Educação. Dado que esse contrato não foi cumprido, o Ministério celebrou um segundo contrato com João Pedroso, também milionário, para que pudesse terminar o trabalho. Voltou a não cumprir e desta vez o Ministério exigiu-lhe a devolução de metade do valor pago. Afinal, o trabalho milionário não passa de um conjunto de fotocópias de Diários da República, armazenadas em caixotões de uma cave da 5 de Outubro e nunca utilizadas. [Read more…]

PSD e CDS: a obsessão da multiplicação dos pobres

“Acordo vai bem mais além do que estava estipulado pela troika”

Álvaro Santos Pereira, Min.Economia e do Emprego

O dueto Passos Coelho – Paulo Portas titula o governo mais anti-social de que há memória no País pós-25 de Abril. Tem de se reconhecer, aliás, ser um género de acção política coerente com os propósitos publicitados. Passos Coelho – lembre-se – anunciou ao País a estratégia do empobrecimento e, efectivamente, está a conseguir implementá-la com sucesso. O fecho das negociações do ‘acordo de concertação social’ constitui mais uma etapa da estratégia e a produção de novo instrumento de degradação das condições vida, já aviltadas, de centenas de milhares de portugueses.

Sei na circunstância da subordinação humilhante à ‘troika’ – com resultados catastróficos a prazo, a ter em conta o sucedido na Grécia e na Irlanda. Também não ignoro as heranças de Sócrates aos portugueses, e sobretudo os precedentes em matéria de revisão neo-liberal das leis laborais. Constato com amargura a adesão da UGT ao sinistro acordo – “Concertação. Menos segurança, menos feriados e menos protecção no emprego”, considera o Jornal “i”.

[Read more…]

CGTP Pôs-se de Fora Para Assim Melhor “Defender” Os Trabalhadores

FOI-SE A MEIA-HORA, FORAM-SE DIAS DE FÉRIAS, FORAM-SE FERIADOS, FOI-SE A CGTP
O governo avançou, recuou, lateralizou, fez das tripas coração, e atingiu os seus objectivos. Ao fim de uma porrada de horas (foram dezassete, caramba) lá conseguiu um acordo tripartido com a CIP e a UGT. O sr Álvaro, nosso Ministro tu-cá-tu-lá, está satisfeito.
Foram-se dias de férias, acabaram-se alguns feriados, não se trabalha a tal meia-hora a mais, passa a ser mais fácil despedir os maus funcionários,
Como tem sido hábito ao longo de tantos anos de suposta democracia, a CGTP, pôs-se de fora das negociações logo ao princípio da reunião, defendendo assim os trabalhadores Portugueses da sua visão obsoleta das coisas do trabalho, não deixando no entanto de, no futuro, ir dizendo tudo o que lhe passar pela cabeça, incentivando por certo, os trabalhadores que ainda a ouvem, a lutarem contra o acordo, a fazerem greves, a não cumprirem com o acordado, no que terão o PCP e o BE a fazerem o coro necessário.
Já passava das três da manhã do dia de hoje, 17 de Janeiro de 2012, quando foram dadas por concluídas as negociações cujas conclusões não agradaram por completo seja a quem for. Foi o acordo possível para acalmar as hostes e promover uma paz social aceitável.
.

O olhar

Vergílio Ferreira escreveu Pensar há 20 anos e cada um dos pensamentos que fazem este livro estão enumerados. Gosto de os ler, assim, avulso, ao acaso (mas Nada é ao Acaso, escreveu outro) …                    

                    486

Nós temos a idade do nosso olhar. Não dos olhos – do olhar, que é o consabido «espelho da alma», ou seja da fonte da vida, ou seja da força de estar no mundo. Assim há velhos com uma alma reativa de juventude, portanto com um olhar cheio dela. Para sabermos a idade do seu corpo, ou seja dos olhos e não do olhar, basta decerto vê-los a dormir.

«I’m the captain of my soul» (de um poema de W.E. Henley citado por Morgan Freeman no papel de Nelson Mandela no filme Invictus)

 

 

 

Rita Slof Monteiro

Quando vejo um apelo de partilha numa rede social por alguém desaparecido puxo logo do google.  Normalmente ou são boatos, ou casos resolvidos. Este, de que bem me lembro, merece atenção porque tende a cair no esquecimento. Ocorreu em 2006, já deu origem a um processo judicial:

Pela ausência de investigação, pelos erros grosseiros cometidos pelas instituições do Estado Português e pela sua demissão de apoio e ajuda aos seus cidadãos em momentos de crise, os familiares da Rita Slof Monteiro accionaram um processo Judicial no Tribunal Administrativo do Porto, que deu entrada a 21 de Dezembro de 2009.

 

E a família da Rita Slof Monteiro continua a querer saber dela, o que é natural, tenha sucedido seja lá o que for, e nem temos de pensar sempre no pior. Rebentou agora no facebook, se calhar o sítio onde vale a pena, e explodiu ontem por uma razão muito simples: outra Rita escreveu:  [Read more…]

Hoje dá na net: África, Adeus

Vê isto e aposto que não dormes esta noite!

Nunca pudeste ver estas imagens, censuradas pela gente do politicamente “correcto”. Foi isto que deixámos para o “depois de nós”. Bom proveito!

Italiano, legendado em espanhol, ficha Imdb.