O mistério de um inocente convite

O mistério de um inocente convite (suspense 2)

 Alguma iniciativa partiu, então, da que se encontra sediada em Custóias, mulher de grande currículo na evolução e na revolução da sexualidade, doutorada em artes nas específicas partes, posições e artimanhas, que, como não podia deixar de ser, se arvorou em militante da cosa nostra e imediatamente assumiu a erecta frontalidade de enviar um S.O.S. para todas as caras-metades dos seus respectivos cônjuges, no sentido de fazer o ponto da situação, e criar, de alguma forma, pontes e pontos de contacto sexológico entre as diversas sensibilidades, estabelecer algum consenso, criar linhas tácticas e planos de estratégia, e, se necessário, fazer um apelo à firme indecisão de todas as gajas que se marimbam para os maridos e à velada desatenção das diversas preocupações feministas.

 -Trata-se de terrorismo sexual.

 Foi este o primeiro e amplo consenso a que chegaram.

 O fulano tem um passado mais do que comprometedor. Toda a gente se lembra de ele ter dado guarida em sua casa durante uma semana, nos anos 50-60, a uma terrorista sexual de Lisboa, que teve o desplante e o descaramento de pendurar nas varandas da casa, detonadores e materiais explosivos usados nos seus atentados sexuais: meias, cuecas, combinações e soutiens…para toda a gente ver, a ponto de o irmão dele sair da coligação, por não concordar com este tipo de estratégias, e resolver abandonar a casa, actuando sozinho em países amigos e independentes como a república democrática da Candeia e o enclave livre do Tamariz. (continua)

Comments

  1. Carlos Loures says:

    Estou a gostar. Sabes como vai acabar ou vais-te surpreendendo, como fazes connosco? Esta tua blogonovela (mais uma categoria, para desespero da digníssima administração), dá-me a ideia de escrevermos uma história a sete mãos (sem esuece as cabeças, claro). Cada um escreveria num dia certo da semana (bato-me já à sexta-feira, em homenagem ao Daniel Defoe) comprometendo-se a continuar a história que viesse detrás. Começaríamos a um domingo (como Deus manda!). A extensão seria também controlada – 20/30 linhas. Pensa nisso. Entretanto fico à espera do teu próximo episódio. Um abraço.

  2. Adão Cruz says:

    A coisa vai saindo. A tua ideia é optima, seria interessante. Pensemos na mellhor forma de começar.