Sinistra Destra, os blogues que eu leio são melhores que os teus

A Voz da Experiência

(…) Não tenho nada a dizer sobre o casamento homossexual, porque já está tudo discutido.
Pois se a única vez que me casei foi com um gay
E quase no tempo do Conta-me como foi.
Com heterossexuais é que não penso casar-me.

Rosa Oliveira, Um Blog Chamado Blog

Assim começa um enxerto de porrada

Todos os dias aprendo coisas novas. Hoje foi o dia de saber que Afonso de Albuquerque morreu há 494 anos. E como soube eu isto? Por alguém que o assinalou, aqui. Uma efeméride? Um pretexto para uma reflexão sobre o personagem, sobre a época, sobre o papel de Portugal no mundo, sobre o que nos une e nos separa da Europa e da Ásia de há 500 anos? Bom, se quiserem chamar-lhe isso. Para mim, tratou-se apenas de ir ao armário tirar uma velharia, dar-lhe polimento e cantar o hino, tudo em sentido, com uma lágrima de emoção patriótica e o coração a bater de fervor por esses tempos em que Portugal foi grande, oh tão grande, e depois desinchou, mirrou e murchou até chegarmos à apagada e vil tristeza, sigh! dos nossos dias. (…)

Paulo Pinto para  o 31 do Reumático

Não invocar gregos em vão

Tiago Moreira de Sá, no blog bafiento-cool 31 da Armada, resolveu citar Aristóteles a propósito do chamado «casamento gay»: «A maior das desigualdades é tratar de modo igual o que é diferente», respigou ele do filósofo. Só faltou mesmo explicar que, no diz respeito às práticas homossexuais, os «homens livres» da Grécia eram uns javardolas sem grandes problemas de consciência; e que o casamento como hoje o conhecemos é coisa que sofreu imensas variações ao longo da história.

Miguel Cardina na Minoria Relativa

Cães fechados nos apartamentos

(…) E percebi a tortura dos cães fechados nos apartamentos, fieis a uma noção alienígena de higiene, educados em absurdas exigências de esfíncteres. Os cães prisioneiros domesticos, dilatando as bexigas ao ritmo de 1-3 cc/kg/ hora, 10 a 30 ml cada hora para este cão médio que agora mija à minha frente, este animal antropocêntrico, pré Copérnico, que dormiu à beira da rotura vesical, como acontece todas as noites em que o rapaz emborca cervejas nas discotecas da cidade e se enchem de mijo, de ureia, um sozinho no apartamento, o outro sozinho na noite , à espera do dia, do rapaz, do cão, da rua, do terreiro.

Luís Januário, A Natureza do Mal

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.