PSD:

Hoje, no Correio da Manhã, temos Moita Flores a apoiar Pedro Passos Coelho. Fiquei surpreendido. Pelo apoio e pela violência das palavras:

“Quem segue com atenção a vida do PSD não deixa de questionar, com perplexidade, quais as razões que levam a que os núcleos mais desgastados, embora poderosos, semana após semana, num rodopio frenético, testem uma procissão de candidatos, mais ou menos forçados, sebastiânicos, alguns feitos de barro, outros produzidos em laboratório. Aquilo que mais surpreende e desgosta é vermos inimigos jurados de ontem, abraçados, aplaudindo-se com o entusiasmo de um amor novo”.

Pela amostra, as próximas directas no PSD prometem.

E já que estamos a falar do PSD, o que dizer da reportagem na Madeira de Miguel Carvalho na Visão desta semana? Infelizmente não está online. É uma história com muitas estórias dentro dela e que merecem uma análise profunda.

Comments

  1. Luis Moreira says:

    Há uma coisa que já ninguem lhe tira.Vai à luta!

  2. Luis Moreira says:

    Na revista do Expresso, já o colam ao Ângelo “pregos” Correia!


  3. É o problema do sistema instalado. Noutros países, como a sacrossanta França, aos partidos federam-se, fundem-se, desaparecem e outros nascem. O caso do RPR que agora é uma outra coisa, consiste num bom exemplo. O PPD (PSD) sempre foi um ninho de lacraus e agora, no Parlamento, vemos facilmente que o CDS é mais consistente. Nunca entenderei a razão pela qual não “juntam os trapinhos” e fundam algo de diferente. Ou a direita apenas serve para se manifestar em causas de índole íntima, logo sem interesse geral? Triste.

    Uma das razões do sucesso do PS, deve-se à atracção que exerceu e exerce sobre os grupúsculos à sua esquerda ou ao centro. ASDI, UEDS MES e tantos outros, são parte integrante do PS. É certo que em bastos casos, tal se deve a carreirismos, mas o resultado está à vista.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.