Filosofia de bolso (1)

O nosso Prof. Raul Iturra, disse, recentemente, que “o nosso sítio de debates está a piorar“.
Da minha parte, e porque sempre mais vale  prevenir do que remediar, vou tentar elevar o nível intelectual desta casa, abrindo este meu pequeno espaço para publicar breves e avulsos pensamentos que me vão surgindo.
Pensamentos para serem levados ou não a sério, consoante a vontade de cada um.
Para começar, e por evidente razão de inspiração, aqui vai o primeiro:
– Quem critica a existência do Dia da Mulher, fala mal ou desdenha,  é porque não tem uma florista, nem um restaurante, nem uma tipografia que faça postais com corações. Como eu.

Comments

  1. Luis Moreira says:

    Então o dia do pai é igual ao dia da mulher…

  2. Pedro says:

    Claro que sim, Luís. A proliferação de dias de… faz com que todos sejam iguais ( e quase iguais a nada ). É tb. por isso que o que se disse sobre o dia da mulher ( repara que uso minúsculas ) é praticamente inócuo. Vê lá se elas se sentiram usadas ou se não tiveram humor suficiente para dar a volta por cima. Como se as mulheres (ou os pais) precisassem de um dia para serem orgulhosamente o que são. Ou como se se impedissem, por puro preconceito, de participar em meras celebrações simbólicas e fazer disso uma afirmação “post-dia”.

  3. ricardo says:

    Eu acho piada ao dia disto e ao dia daquilo…
    Ao contrário do Pedro acho que assim os dias são diferentes.
    Vejamos alguns exemplos:
    a)dia dos namorados, as pessoas normais, namoram mais nesse dia, tratam-se bem, oferecem flores, vão jantar fora e fazem amor..
    b)dia da mãe, as pessoas normais,namoram mais nesse dia, tratam-se bem, oferecem flores, vão jantar fora e fazem amor..
    c)dia do pai, as pessoas normais, namoram mais nesse dia, tratam-se bem, oferecem flores, vão jantar fora e fazem amor..
    d)dia das bruxas, as pessoas normais, namoram mais nesse dia, tratam-se bem, mascaram-se, vão jantar fora, bebem uns copos e fazem amor..
    e)dia da mulher, as pessoas normais,namoram mais nesse dia, tratam-se bem, oferecem flores, vão jantar fora e fazem amor..
    E assim por diante…
    Imaginem que não havia dia disto e dia daquilo, era uma chatice.

  4. maria monteiro says:

    Mas pelo menos não inventaram o dia do filho … porque esse é todos os dias do ano

  5. ricardo says:

    Maria, o dia do filho claro que é todos os dias. Mas também não se perdia nada que houvesse um dia do filho. Nesse dia, os pais normais, não batiam nos filhos, ajudavam os filhos nos trabalhos de casa, não os empurravam para a playstation para poder ver TV e beber cerveja á vontade, riam-se com eles, ouviam-nos com atenção e davam-lhes carinho.

    Estes dias foram criados para as pessoas normais, que são, no minimo, 80% dos portugueses. Eu não me identifico com as pessoas normais e tenho a certeza que a Maria também não.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.