Una chica de Almodóvar

Ela está aborrecida, entediada, fartinha de aturar chatos. O queixo apoiado na mão, a unha do dedo pequenino a roçar os lábios, o olhar perdido no vazio, e os caracóis louros a pender sobre os ombros.

Pigarreio. Repito: Boa tarde.

Ela rola os olhos, desde o infinito por onde eles vagueiam, e encara-me, com uma expressão de asco e de infelicidade, e pergunta em tom monocórdico: Tem cartão-cliente?

Não tenho.

Vai tocando no monitor com as unhas pintadas de um vermelho muito polido, mas onde se notam pequenas marcas de mordidelas. Suspira.

Aproxima-se o rapaz da caixa do lado.

– Troca-me por duas de cinco.

– Não tenho.

– Anda lá, tenho que dar uma de cinco ao cliente.

– Porra, Zé, já te disse que não tenho! Não me pagaram nada em dinheiro hoje, deves achar que as notas nascem aqui! Pensas que eu ando a dar o pito?!

Ele encolhe os ombros e volta ao lugar com cara de poucos amigos.

No mesmo tom monocórdico de há pouco, ela pergunta-me:

– São cinco euros e vinte cêntimos, como é que vai pagar?

Sem sombra de embaraço, olha-me com impaciência, e eu fico a pensar que talvez não tenha ouvido bem.

Comments

  1. Luis Moreira says:

    Todas perguntam pelo “nosso cartão” como se pertencessemos todos à confraria.

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.