Como nasce uma calúnia

O cantigueiro Samuel publicou um texto sobre a Comissão de Trabalhadores da Auto-Europa. Melhor dizendo: após um comentário absolutamente lateral sobre António Chora transcreveu parte de um trabalho “académico” (desconheço a filhadaputice enquanto ciência) onde o autor narra os esforços da administração da empresa para controlar essa CT, isto em 1994.

Depois de o visado ter esclarecido que nesse ano fez parte da lista contrária à tal lista manobrada pelos patrões, na versão directores de recursos humanos, vulgo neo-capatazes, esforça-se agora Samuel por garantir que em lado algum insinuou ter António Chora alguma coisa que ver com o assunto.

Bom esforço.

O mail que me foi reencaminhado no dia seguinte e que transcreve o que Samuel escreveu não sei se tem origem no autor do Cantigueiro, se é serviço de um sectário do PCP mais zeloso, ou se foi mesmo a CIA quem o inventou para dividir a esquerda portuguesa.  Aliás este mail deve ser produto da minha imaginação prodigiosa. Estas coisas não existem, o sectário sou eu. Ah, reparo agora, é um mail do 1ºde Abril.

Aposto é que continua a circular.

Nota: a minha simpatia por António Chora é muito pouca. Faz parte da parte do Bloco de Esquerda que me vai afastando do Bloco de Esquerda. Mas há mínimos.

Trackbacks


  1. […] This post was mentioned on Twitter by joao j cardoso. joao j cardoso said: Como nasce uma calúnia: O cantigueiro Samuel publicou um texto sobre a Comissão de Trabalhadores da Auto-Europa. M… http://bit.ly/bxyNd8 […]

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.