O 25 de Abril e o PREC

 

O PREC (processo revolucionário em curso) foi o período, política e socialmente, mais intenso da ‘Revolução de Abril’. O chamado ‘Verão Quente’ de 1975 foi uma experiência de cidadania inenarrável; recheada de acontecimentos demasiado emotivos para serem relatados fiel e completamente, em fria e distante escrita, passados 35 anos.

O início do PREC deu-se a 11 de Março de 1975; marcado por fracassado ataque ao RAL 1, na ‘saída – norte’ de Lisboa, por aviões da Base Aérea 3 e uma força de pára-quedistas de Tancos. O comando superior era assumido pelo General António Spínola que, derrotado, acabaria por fugir de helicóptero para Espanha. Nessa noite, o MFA, reunido em assembleia agitada, acabaria tomar decisões drásticas, entre as quais a nacionalização da banca e seguros.

Os tempos posteriores foram abrasadores, tal como o Verão então sentido. Os conflitos entre ‘revolucionários’ e ‘moderados’ agudizavam-se gradualmente; o protagonismo de Cunhal ao lado dos primeiros e de Soares em apoio dos últimos dividiu também a sociedade civil. O País vivia sob ameaças à paz civil e em equilíbrios precários e instáveis, impossíveis de manter indefinidamente. A 25 de Novembro de 1975, sob a direcção do ‘moderado’ General Ramalho Eanes, o PREC finou; o último acto público foi dado por abrupto corte de sinal da RTP, quando o ‘revolucionário’ Capitão Durand Clemente falava ao País. A emissão foi reiniciada, mais tarde, com um filme de Danny Kaye, a partir dos estúdios do Porto.

Tantas e tão profundas divergências acabaram por ser socialmente digeridas; livres de monolitismos ou unanimismos, podemos, uma vez mais, comemorar colectivamente o 25 de Abril e as conquistas proporcionadas. Pena é que ainda tivesse ficado muito por realizar, como reconheceu, há dias, o General Eanes. Pois é… mas como a data é festiva, devo saudar com entusiasmo: “Viva o 25 de Abril, sempre!”.   

Comments


  1. “O início do PREC deu-se a 11 de Março de 1975; marcado por fracassado ataque ao RAL 1, na ‘saída – norte’ de Lisboa, por aviões da Base Aérea 3 e uma força de pára-quedistas de Tancos.”

    Será que isto foi mesmo assim ???? Talvez um dia a história conte outra verdade !!!

    • Luís Moreira says:

      Jorge, a outra verdade é que o Spínola teria levado a efeito o golpe “empurrado” para a armadilha pelos militares de esquerda! Diz-se muita coisa e a história estudará, mas os actores estão vivos e escrevem livros. É uma fonte para sabermos o que se passou.

  2. Carlos Fonseca says:

    Caro Jorge Reis, assisti ao ataque ao RAL 1 e o registo está feito assim em livros de autores de diferentes orientações ideológicas. Mas também é verdade que, quando se quer, arranja-se sempre histórias e estórias para todos os paladares. É a arte de ficcionar.

  3. nuno says:

    O prec desmantelou e roubou muitas das grandes empresas, e pessoas de bem. Foi breve, mas destrutiva, esta intervenção dos comunistas em Portugal.

    • c.fonseca says:

      A família Espírito Santo de Ricardo Salgado, por exemplo.

      • joão lopes says:

        “o prec desmantelou e roubou” o BES em 1975? e eu que pensava que tinha sido,sei la,em 2015? os “comunas” esses malvados levaram 40 anos a destruir o BES? bolas,estes comunas tugas sao um bocado parados,sei lá…


  4. I see you don’t monetize your site, don’t waste your
    traffic, you can earn extra bucks every month because you’ve
    got hi quality content. If you want to know how to make extra $$$, search
    for: Boorfe’s tips best adsense alternative

Trackbacks


  1. […] This post was mentioned on Twitter by Blogue Aventar. Blogue Aventar said: O 25 de Abril e o PREC:   O PREC (processo revolucionário em curso) foi o período, política e socialmente, mais i… http://bit.ly/bAhxGT […]

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.