SCUTs e Portagens

Hoje o JN dedica dois artigos de opinião ao tema. São ambos de leitura obrigatória:

Direito de Resistir (CAA)

Toca a pagar (RB)

Acresce esta notícia no Diário Económico

Os que não pagam (DE)

e dois blogues a desconversar: Deus e a Minoria

Comments


  1. Este governo está-se a aproveitar, oportunisticamente, das autoestradas que apresentam bastante movimento, aquelas que geram maior receita, sem ter sequer em consideração se têm ou não alternativas eficazes e independentemente do local onde existam.
    É este o caso das A7/A11/A28/A29/A41/A42, com a agravante, agora detectada, de serem isentados os troços destas vias no trajecto das autarquias socialistas!…
    Quanto aos casos das A23/24, não vale a pena portajá-las, já que o tráfego que nelas flui não justificaria o investimento dos pórticos, sequer.
    No caso da A25, este seria daqueles casos tão, mas mesmo tão aberrantes, que portajá-la seria um verdadeiro crime de lesa pátria.
    Trata-se de uma duplicação do IP5, cujas obras foram ditadas mais pela segurança dos utentes (era considerada a estrada da morte) do que propriamente pelas necessidades de satisfazer o aumento do trânsito. Além disso, é a principal via de entrada/saída de Portugal para a Europa. Além disso, e acima de tudo, ela NÃO TEM ALTERNATIVA.
    Já o IP5, seu antecessor, fora construido exactamente pela manifesta falta de alternativas entre a fronteira e o mar, entre Vilar Formoso e Aveiro.
    Agora quanto à A22 (via do Infante), o caso muda radicalmente de figura. Aqui existe alternativa (sempre houve), a N125, paralela à A22 na maior parte do trajecto. Sendo uma zona das mais favorecidas do país, porque razão se não portageia? Porque lá vivem e circulam muitos estrangeiros? e depois?… uns pórticos aqui e a receita seria enorme, o transito é intenso e apetecível para os bolsos sem fundo do estado!
    Então porque será que se não portageia a A22 e se pretende portajar as A7/A11/A28/A29/A41/A42 ???…

    Além do mais, elas – as SCUTs – foram construídas com o compromisso nacional de não terem portagens!…

    Além disso, as populações por elas servidas nunca exigiram autoestradas, mas sim boas estradas que lhes permitissem bons acessos. Se à partida lhes tivessem proposto o presente envenenado das autoestradas a pagar, tenho a certeza ABSOLUTA de que as populações as recusariam violentamente!…

    O que agora se está a fazer, ao portajá-las, é um caso de VERDADEIRA MÁ FÉ por parte de um governo que já está em completo desnorte e sem qualquer respeito pelos cidadãos e pelos acordos feitos pelos governos anteriores, inclusivé do PS!…

    Já agora, porque não encher de pórticos também a 2ª Circular e o IC19 ?
    Argumentar e dizer que existem alternativas para as autoestradas do Norte é o mesmo que dizer que existem alternativas para a 2ª Circular e o IC19…
    Absurdo, não é?… E estúpido… Mas então os critérios de aplicação ao Norte já não são aplicáveis a Lisboa?

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.