A Papoila Saltitante

O famoso homem é meu vizinho. De volta e meia, vejo-o ao sábado de manhã, a caminhar com duas sacadas de jornais. Uma em cada mão. Dirige-se para casa, cheio de informação daqui e de acolá, e disto e daquilo. Antes esteve sentado no pequeno café, frequentado por gente muito formal e vazia de conteúdo. Saúdam-no com reverência, sobretudo elas, com vozes melífluas e gestos curvilíneos. O cabotino sente-se idolatrado. Crê ser génio. Agradece, de ar babado, com sorriso de fingimento, as manifestações bacocas de popularidade.

Tem o peito enfunado de presunções místicas. Intitula-se professor doutor e é apenas licenciado. E assim consegue ser tratado por ‘Senhor Professor’. Tem escasso mérito de cidadania, mas é um mestre do saber viver neste país de abundante acefalia. Consegue atingir e desempenhar cargos tão destacados quanto ecléticos.

Pelo comportamento exibido, uns quantos, dos poucos que ouço, tratam-no por ‘melga’. Outros dizem que é a ‘Papoila Saltitante’, em alusão implícita à preferência clubista. Prefiro este último epíteto. O acasalamento do símbolo da flor campestre e vermelha com a procura de se juntar ao poder – e de bons resultados remuneratórios – dão todo o sentido à alcunha.

Tal ‘Papoila Saltitante’ é o equivalente, em imagens televisivas, a um emplastro de luxo. É, pois, o assimétrico do emplastro anónimo, de olhar e sorrisos esquizofrénicos a mostrar-se nas costas dos repórteres desportivos de TV, como réplica psiquiátrica a Jack Nicholson, em ‘Voando sobre um Ninho de Cucos’.

O ilustre em causa é, sem dúvida, um emplastro de luxo e versátil. Hoje aparece-me como edil, amanhã como apoiante do líder partidário com maior probabilidade de vencer, e depois, confortavelmente sentado, no bate-papo do pontapé na bola, num canteiro decorado de mais duas gerbérias, uma ‘azul e branca’, outra ‘verde e branca’ – duas destas, há tempos, já ficaram sozinhas no canteiro, porque a papoila saltou, sem aviso prévio, para outro jardim televisivo. Lá tiveram que arranjar um narciso vermelho para recompor o canteiro.

Confesso antipatia diante da ‘Papoila Saltitante’ e da tele-flor com quem vive o dia-a-dia. Não porque gente desta afecte directamente a minha vida pessoal. O que é perturbador e suscita a intolerância e antipatia é continuar a constatar que na sociedade portuguesa, ou melhor neste jardim à beira-mar plantado, há décadas que só medra merda desta.

Comments

  1. José says:

    “(…) doutorou-se, entretanto, com uma tese sobre “O Parlamento no Sistema Político Português”.”

    A Papoila não é pessoa do meu agrado, mas é doutorado. E, no essencial, absolutamente de acordo.

  2. Pedro says:

    Gostei da prosa antes de reconhecer a flor. Uma pesquisa e a ajuda do José permitiram-me identificar a espécie botânica, que conheço apenas dos ecrãs. Mas há espécies que não correm perigo de extinção.

  3. Kafka says:

    Tanta coisa para identificar a flora de Sintra?

  4. Ricardo Santos Pinto says:

    quem é esse?
    eu por acaso, que também sou um simples licenciado, também me considero um professor.

  5. José says:

    Professor é aquele que dá aulas. Sejam quais for as suas habilitações literárias.
    Agora Prof. Doutor será aquele que tem um doutoramento e dá aulas na Univ.
    Alguns são apenas assistentes e apelidam-se de Professor. (5Dias)
    Enfim, novas hierarquias após o final da nobiliarquias.

    • Luís Moreira says:

      Doutor é o médico, o que trata do corpo humano.Professor é quem dá aulas, e depois temos os engenheiros técnicos…

  6. José says:

    Luís, isso dos doctors é nos EUA…
    Bem ou mal, as nossas idiossincrasias novi-nobiliárquicas são o que são.

    • Luís Moreira says:

      Aqui o pessoal é licenciado.Mas isto só acaba quando houver tantos que os títulos deixem de impressionar.

  7. Carlos Fonseca says:

    José, tive o cuidado de investigar e na biografia da AR consta como ‘advogado’, sem referir licenciamento.
    <http://pt.wikipedia.org/wiki/Fernando_Seara, por sua vez, refere que é licenciado em em Direito e exerce advocacia e foi Professor Auxiliar Convidado da Universidade Internacional.
    Nada encontrei sobre o doutoramento e conheço diversos 'professores auxiliares convidados' não doutorados.
    Mas se eu estiver errado, farei um 'post' para reconhecer a cátedra.

  8. José says:
  9. José says:

    cátedra não é igual a doutoramento.
    Aliás, doutoramento não é igual a ser professor universitário.
    julgo que a referida papoila foi professor no Iscsp, instituto público da Univ. Técnica de Lisboa.

  10. maria monteiro says:

    o melhor mesmo é tratar todos por … “Senhor Dom” e que cada um ponha os seus dons a render

  11. Carlos Fonseca says:

    José,
    Sim, cátedra não é igual a doutoramento que não é o mesmo que professor universitário. Mas o professor catedrático é, por norma, um doutorado. Tenho uma professora amiga, do corpo docente do ISCSP, e vou tentar saber se o homem é doutourado por aquela instituição.
    Aos restantes,
    O contraste entre o ‘licenciado’ e ‘o Senhor Professor’ serve apenas para ilustrar a vaidade social da criatura. O que ele quer é ser reconhecido como doutorado. A mim pouco me importa que ele seja uma coisa ou outra. Porém, fazer-se passar falsamente por Doutorado em Direito, nas rodas sociais, é mentira semelhante à daqueles que se fazem passar por falso médico ou falso advogado ou falso outra coisa qualquer – ainda que as consequências do falso médico possam ser graves para a vida de terceiros.
    No fundo, a nossa terra vai absorvendo estas espécies socialmente atrevidas que se amanham – e de que maneira! – à custa do erário público. São os “desfertilizantes”, de uma terra já de si pobre.

  12. Carlos Fonseca says:

    Ricardo,
    Inerpreta no texto ‘professor’ como equivalente a doutorado. Faz uma leitura simbólica e não literal.


  13. Boa prosa, Carlos. Muito bem escrito.

  14. João Santos says:

    Revejo-me nas suas palavras . Partilho o mesmo pensamento/ sentimento.

    Contudo, acrescento que para mim é o Rei dos Pimbas, o Emanuel da politica.

    João Santos

    • Carlos Fonseca says:

      Caro João Santos,

      Conheço bem a figura e não confundo ‘futebol com política’ ou, se quiser, ‘inchaço com gordura’. Seara e o seu par são das pessoas que têm extraído benefícios do dinheiro público. Que todos pagamos. Agora resido aqui: http://solossemensaio.blogspot.com/ Cptos. Carlos Fonseca

Trackbacks


  1. […] recentes Luis Moreira em O golo maldito!Pedro em Casa de PraiaAdão Cruz em A Papoila SaltitanteCarlos Fonseca em A Papoila SaltitanteCarlos Fonseca em A Papoila Saltitante […]


  2. […] Relação de Lisboa, sabe-se, contudo, que esse tribunal ratificou a rejeição da candidatura da ‘Papoila Saltitante’, Fernando […]


  3. […] resto do conteúdo do primeiro post, aqui, não retiro nem uma […]

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.