Netanyahu, o (in)justiceiro sem vergonha

Uma família de colonos israelitas (um casal e três filhos) foi assassinada no dia 11 de Março em Itamar, na Cisjordânia, alegadamente por um indivíduo palestiniano.

Um país normal trataria este assunto como um caso de justiça. Um país expansionista poderá tender a tratá-lo como um assunto de guerra. Um país ocupante sem vergonha poderia, até, afirmar tratar-se (ironia das ironias) de um caso de terrorismo.

Mas no país de Benjamin Netanyahu, ainda sem conhecer a identidade ou localização do homicida, a primeira preocupação é a retaliação, já anunciada pelo primeiro-ministro: como punição vão construir 500 novas casas no colonato.

Três dias depois o mesmo Netanyahu declarou que Israel vai construir um muro na fronteira com a Jordânia para impedir a imigração ilegal através do país vizinho. “Temos de travar as infiltrações para proteger o nosso futuro”, disse ele.

Se alguém lhe perguntar para que caixote do lixo atirou a vergonha, a coerência, a justiça e a decência, não se lembra, livrou-se delas há muito tempo, se é que alguma vez soube o que isso significa.

Comments

  1. Filipe Pinto says:

    Acho que o Nethanyau atirou a vergonha para o mesmo caixote do lixo em que tu atiraste a tua qualidade de perceber.
    O que acontece é que ele tirou-o de lá e tu pelos vistos não. E ponto.

  2. Luís Teixeira Neves says:

    Posto que é feito este aproveitamento deste crime a possibilidade se ve ir a saber quem o cometeu está já comprometida.


  3. “Um país ocupante sem vergonha…”

    Acho que tem que aprender um pouco de história.

    O senhor Pedro Correia não sabe qual é a identidade do homicida, eu ajudo:
    http://www.monstersandcritics.com/news/middleeast/news/article_1625553.php/Al-Aqsa-Brigades-claims-responsibility-for-West-Bank-killing

    O que é vergonhoso é branquear este crime abominável, a coerência, a justiça e a decência.

    • A. Pedro says:

      “Um país ocupante sem vergonha…”
      “Acho que tem que aprender um pouco de história.”

      Acha? Defina-me colono e colonato neste contexto

  4. A. Pedro says:

    Sobre o assunto diz o jornal israelita Haaretz “Um governo responsável esforçar-se-ia em acalmar as coisas e não atiraria mais achas para a fogueira. Mas, em Jerusalém, não temos um tal governo”

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.