Portugal 1 – Finlândia 2, em vídeos

Confesso envergonhado, e muito, que papei o vídeo que choramingava aos filandeses sem grande sentido crítico. “É sem dúvida excelente”, escreveu o idiota que há em mim, embora anotando alguma falta de rigor histórico quanto ao esclavagismo.

Primeiro não era um erro, são muitos, como já foi desmontado. Depois a pseudo-operação de solidariedade com a os filandeses durante a Guerra do Inverno não foi popular mas sim governamental, com a costumeira sacanice do Salazar.

A resposta finlandesa é mais curta, mas acerta em cheio (dispensava a parte das gajas boas):

Thank you for the sardines!  gozam eles. E com razão.

Comments

  1. Igor says:

    Eu não as dispensava!!

  2. Nuno Castelo-Branco says:

    Apenas uma nota. O video “deve ser” tão finlandês quanto nós. Provém de um certo “bitaites”…
    Quanto ao auxílio de Salazar, é sempre assim, com ou sem ditadores. O caso de Timor foi acicatado por todo o aparelho do Estado, media ligada aos interesses bem estabelecidos. O povo vem de arrasto. Colocando-se ao lado da Inglaterra – que solicitou a contribuição portuguesa -, Portugal correu riscos, no preciso momento em que a Alemanha – que prestava assistência a Estaline – estava na máxima força política, económica e militar.
    A política é mesmo assim e creio que este video é para consumo interno. Muito mais brutais teriam sido espanhóis e franceses, por exemplo. Antes “isto” que o choradinho do costume.


    • Como sabes? o Marco até publicou apenas o outro. É possível que alguém por estes lados tenha decidido gozar com o panorama (a parte das gajas boas é bizarra).
      O caso do Salazar não é sempre assim, assim é só com ditadores. E não estás a ver bem o filme: não se tratou de apoiar a Finlândia, mas de apoiar uma guerra com a URSS. Correu riscos com a Alemanha? Please, Salazar sempre foi pró-alemanha. Se é verdade que a Finlândia fazia parte da zona sovietizável pelo pacto germano-soviético, também é verdade que o medo de Moscovo estava em ter ali uma porta de entrada para o nazis. Nestas coisas convém sempre lembrar a derrota alemã que agora se comemora foi decidida pelo exército vermelho, na http://pt.wikipedia.org/wiki/Batalha_de_Kursk

      Quanto a Timor a solidariedade foi genuína. Nunca me senti manipulado. Claro que se o Represas estivesse calado as coisas podiam ter corrido melhor, mas não se pode ter tudo.

  3. xico says:

    Mas então a história da guerra contra a Alemanha nazi, está mal contada. Não que eu critique as políticas de alinças que os povos se vêm obrigados, sem grandes opções.
    O vídeo foi uma chamada de atenção (no caso português) e foi a reacção aos comentários de que nós estávamos cá a gozar o Sol (como se o tivessemos roubado). O rigor não abunda, e é por vezes patético. Há muita coisa que os portugueses precisavam saber sobre Portugal e sobre a Finlândia. Principalmente a forma como os políticos se comportam. Se eu fosse finlandês teria muita dificuldade em ajudar um país com um partido prestes a ganhar eleições e que se comporta como uma seita religiosa, aclamando ao som de aleluias, o principal culpado da nossa situação.

  4. Tony says:

    Ora já deu para perceber que o Sr. Cardoso pensa que a “Pátria de um trabalhador é o trabalho”. E que na Alemanha “Democrática” lol, se vivia melhor que na federal. A urss foi a potencia menos importante da 2ª guerra e apenas tinha como objectivo, aproveitar uma Europa fragilizada para lhe impor um regime ditatorial comunista. Felizmente os nossos aliados democráticos não o permitiram. Recorde-se que a russia, invadiu e impôs ditadura a alguns paises vizinhos, durante décadas. E agora, ficam muito chocados quando a Nato invade temporariamente algum pais para caçar terroristas. Em relação ao video Português, não vi nenhuma choraminguisse, apenas ainda há pessoas que gostam de Portugal e o gostam de relembrar. O video foi didáctico até para muitos Portugueses. Estamos mal, é verdade, mas por culpa da politica, nada tem a ver com a nossa Portugalidade. Para terminar, as Portuguesas são mais bonitas, em cada filandesa bonita há dez que nada valem, além disso, que lhes serve as terem bonitas se depois é no Algarve e com Portugueses que elas se realizam…Força Portugal


    • Ó Toni, o que acho da RDA e da RFA está escrito aonde, seu LOL?
      Quanto ao resto não discuto com analfabetos. A História é uma ciência, não é um acho. Se o Toni tivesse chegado ao 9º ano e fosse meu aluno chumbava.
      E não tente as Novas Oportunidades, não compensam.

  5. Tony says:

    Outra caracteristica de esquerdismo, a intolerância à opinião contrária, além disso, sou Engenheiro mas apenas assino Tony, não necessito de dizer que o sou, ao contrário do professor, sou apenas eu, não interessa a profissão, Professor cardoso. O que referi das Alemanhas, foi apenas uma metáfora para definir o modo de pensar de uma determinada doutrina, que é a sua. Eu sou, livre, não obedeço a politica nem a religião. Não sou contra a esquerda nem contra a direita, apenas não gosto de facciosismos, Sr Professor. Sou técnico na análise..Eu quando leio sobre a 2ªgrande guerra ou sobre outro qualquer assunto, analiso pela minha optica, não pela optica de nenhuma doutrina ou credo. Já agora Sr. professor, respeite os analfabetos, é graças ao trabalho e sustento de alguns deles. que outros, seus filhos têm oportunidade de ser cultos como o Sr. Professor. Com tudo isto, fiquei sem percepção se afinal, gosta do seu país ou não. Apenas o depauperou, nem um único elogio…Bem haja!


    • Sócrates também é engenheiro. Lamento informá-lo mas quem escreve “Eu sou, livre” também reprova a Português.
      Se ao menos soubesse seguir um link teria percebido que mentir sobre a História de Portugal é sujar a imagem do país. Não precisamos de mentir: temos História que chega para nos orgulharmos. E apesar de tudo presente também.

  6. Tony says:

    Essa do Sócrates,foi boa, confesso! Também confesso que o meu forte não é o português mas, há piores… Infelizmente em engenharia, descura-se um pouco a nossa lìngua em função do saber técnico. De qualquer das formas insiste em ofender-me, como se eu não soubesse seguir um link. É preciso não esquecer que a wikipédia, também tem opiniões muito politizadas. De qualquer das formas, já percebi que à sua maneira, também gosta da sua pátria. É evidente que quem produziu o nosso video, elaborou-o com algum “favorecimento”, mas é normal…seja tolerante… Espero que continue com o seu blog e a trazer bons temas de conversa, é sempre bom debater ideias… Cumprimentos Fernando Sequeira