O Braga das eleições

Há, sem dúvida, um lado muito clubístico no exercício do voto. A bipolarização, reflectida nas sondagens, em torno das eleições de 5 de Junho acentua esta evidência. Podemos não gostar do ponta de lança, ter dúvidas sobre a táctica, achar que a equipa está demasiado à defesa, ter pouca fé no derby final, assistir à derrota em casa por goleada, mas o cachecol, a bandeirola no espelho retrovisor do carro, o cartão de sócio do filho mais novo estão sempre garantidos à espera de alegrias futuras. Da mesma forma, muitos portugueses, quando questionados, consideram que a situação do país é trágica, responsabilizam o governo, têm a certeza de que o memorando da troika trará mais sacrifícios, avaliam o executivo com nota muito negativa, atacam o primeiro-ministro, consideram a liderança do PSD fraca ou inexperiente ou contraditória e, ainda assim, penalizam nas sondagens os partidos que recusaram um acordo com o FMI, BCE e União Europeia e mantêm o voto no PS ou no PSD. Os estudos de opinião confirmam que dos cerca de 70% dos eleitores que vão, de facto, às urnas mais de metade têm um partido com que simpatizam. Daí ouvirmos tantas vezes ”votei no partido X toda a vida”. O eleitor, e ainda mais num momento em que não há vencedor definido, deposita, na maior parte dos casos, o seu voto num partido ganhador. O jargão político do voto-útil é uma dura realidade para os partidos mais pequenos e uma dor de cabeça para o CDS-PP, que quer ser visto como um dos grandes. Tal como o Sporting de Braga, Portas não devia partir para a temporada a dizer que tem equipa para ganhar o campeonato. Até poderá acontecer, mas, ao assumi-lo, os comentadores desportivos depressa acusam o clube de sobranceria.

Comments

  1. Carlos says:

    Tem toda a razão. Mas presunção e água benta, cada um toma a que quer. E o Portas deve ter tomado muita…

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.