É a austeridade que gera a violência, acordem

Mesmo não concordando com a forma que o Ricardo resolveu dar ao seu texto, a indignação que por aí vai não passa de fumo tentado mascarar a realidade.

A realidade é simples. A Inglaterra precisou de imigrantes para se ocuparem das tarefas que os ingleses desdenhavam. Não pode agora deitá-los fora, são pessoas, não são lixo.

A Inglaterra (que tem uma crise económica pior do que a nossa à custa de sustentar banqueiros e se safa apenas porque não está no euro) virou-se para a austeridade absoluta do neo-liberalismo. E isso tem um  preço, o que hoje está nas ruas.

São actos de banditagem pura? pois são. Assaltam lojas de electrodomésticos e não padarias? pois assaltam. É a consequência lógica da raiva misturada com uma ideologia alucinadamente consumista. Não é a revolta que eu espero que ocorra em Portugal. Mas continuem a enterrar o vosso querido capitalismo com a austeridade, avancem com o aumento do IVA como hoje se anunciou, cortem no SNS, na Educação, nos apoios sociais, e vão ter o mesmo.

O que a direita hoje leva em desvantagem em relação ao PS, ou aos trabalhistas, é que estes sempre perceberam que o neo-liberalismo só se pode aplicar mantendo mínimos de decência entre os pobres, verdadeira razão porque foi criado o Rendimento Mínimo Garantido e coisa que os democratas-cristãos de toda a Europa estavam fartos de saber. Esta é a última oportunidade de os Camerons e Passos Coelhos deste mundo descobrirem o risco que correm. A seguir é o abismo.

Adenda: “os resultados indicam uma correlação positiva entre cortes orçamentais e instabilidade” gráfico via Ladrões de Bicicletas

Comments


  1. Caro João Cardoso, não me parece que uma realidade que interrompe as férias de responsáveis políticos ao mais alto nível, que mobiliza gabinetes de crise altamente especializados e, sobretudo, assombra por inteiro todo um mundo civilizado, possa ter uma explicação “simples” como pretende sugerir. E fumo (negro, muito negro) é aquilo que dessa realidade tivemos já ocasião de observar.

  2. A. Neves says:

    desde quando é que putos de 10, 12, 15 16 anos, que segundo as noticias da CNN E SKYNEWS, constituem a maioria dos elementos que estão na origem dos actos de vandalismo tem ideologia de alguma coisa. teem é falta de educação. quanto a esses imigrantes se não estão bem na inglaterra, que voltem para os seus paises de origem. eu não me lembro de ver imigrantes portugueses que ficaram sem trabalho devido á crise no sector da construção em espanha, alemanha, frança e outros paises a assaltar lojas e queimar casas e carros.


    • Gosto muito dessa lógica do já não serves, volta para África. Sei de um tipo na Noruega que também gosta. Esse caldo de cultura racista e eurocêntrico é precisamente o perigo à vista. É que o que se está a passar na Inglaterra pode descambar para o neo-nazismo num instantinho.

      • A. Neves says:

        atenção, que não me referi a expulsão de imigrantes. só referi a quem não está bem que se retire e não pratique actos de vandalismo e destruição. não deturpe as minhas palavras. quanto ao facto de a maioria serem jovens imigrantes, estou-me a referir a dados concretos relatados pelos proprios canais ingleses. factos que não se pode escamutear e dizer que é tudo culpa da burguesisa e do capitalismo. é tempo de mudarem a cassete.

  3. Artur says:

    1.º quem é que falou em deitar fora os imigrantes? mas pode ter a certeza que as imagens de negros encapuzados a fugirem com plasmas às costas, não ajuda nada na luta contra a xenofobia e o racismo. Claro que também lá havia brancos, mas os radicais só vão ver o que lhes interessa e vão ver apenas os negros. Assim a quente, muita gente vai desconfiar dos bens intencionados que defendem as sociedades multiculturais e multiraciais e concluirão que talvez seja melhor não aceitar mais imigrantes, pois se nem para os que já cá estão existem condições para os manter em paz e sossego;

    2.º quem sofreu com a suposta austeridade neo-liberal foi a burguesia (que vocês tanto detestam, apesar de também a ela pertencerem) e não as classes mais baixas, que não perderam a mama dos subsidios, dos abonos de familia e descontos e isenções nos serviços publicos.

    3.º revoltados deveriam estar a classe média trabalhadora e contribuinte que paga para ter segurança e o Estado não lha assegura porque não quer melindrar a opinião publica.


    • 1. claro que o racismo vai aumentar. referi-me a isso aí em cima.
      2. qual burguesia? a dos banqueiros? agora se me fala de pequenos comerciantes, por exemplo, completamente de acordo. quanto aos subsídios, informe-se. Tudo isto começou numa zona onde os cortes foram imensos.

  4. jool says:

  5. A falta de respeito pelos outros e a desonestidade intelectual são as palavras chave deste texto, Se os seus pais e /ou professores lhe tivessem assente um valentes açoites na altura certa concerteza que veria as coisas doutro modo.

  6. Carlos says:

    Uff! Antes de transformarem isto num debate racista… os jovens que estao nos tumultos sao ingleses,e nao sao todos negros. Se forem imigrantes, sao de 2a ou 3a geracao. Eu, como imigrante de 1a geracao, digo vos com toda a sinceridade que NUNCA me atreveria a provocar desacatos em terra alheia, isto de emigrar e extremamente intimidante e uma vida cheia de tensao.
    Sim, os jovens sao produto do capitalismo selvagem que nos coloca uma cenoura dourada a frente dos olhos e nos endivida a alma para podermos dar uma dentada,mas acredito que ainda conseguem discernir o que esta certo do que esta errado. Nao querem e saber. Julgam se merecedores de algo que a sociedade lhes negou, so que ninguem ainda percebeu o que e por que raio. Numa entrevista, uma miuda disse que fazia isto para recuperar os impostos que pagavam. Devia ter uns 16 anos!
    Portanto, a ver: Pais ausentes, um sistema escolar facilitista e permissivo, apoios sociais indiscriminados e abundantes e uma lavagem cerebral consumista = uma geracao de preguicosos egocentrados e mal educados, sem respeito pelo proximo, pela sociedade e pelo seu proprio meio. Como se resolve isto? Sei la, encontrando um equilibrio, talvez, nem tanto para a esquerda nem tanto para a direita, combatendo a desigualdade sem gratuitismos, regulando a riqueza para que todos possamos ter os minimos.
    PS: no grafico reparei que as “riots” diminuiam a partir de cortes de 5 por cento, portanto se os cortem forem, a olhometro, de uns 80 por cento, ja ninguem deve ter tempo para se preocupar com riots por ter outras prioridades em mente!


  7. Não queiram comparar a situação dos vândalos que não querem trabalhar com a dos pobres da Inglaterra do século XIX, por exemplo.
    E isto serve para outros países.
    Há que ajudar quem quer trabalhar, seja de que origem for, quem não que trabalhar não tem lugar na sociedade.

Trackbacks


  1. […] dos argumentos expostos pelos nossos Ricardo e JJC, para mim nada justifica que  a coberto do direito de protesto se destrua propriedade alheia. […]

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.